Os 10 assuntos mais cobrados em provas de concurso para Enfermagem

há 4 meses     -     
Os 10 assuntos mais cobrados em provas de concurso para Enfermagem
 
  
Você – com certeza -  já parou para se perguntar:
 
“O que realmente preciso estudar para concursos em enfermagem?” 
 
Claro que a resposta para esta pergunta não é simples, afinal cada edital tem a sua série de assuntos específicos.
 
Porém olhando vários editais, dá para perceber que muitos assuntos são recorrentes em provas diferentes. E para você não precisar olhar centenas de provas e milhares de questões, para descobrir quais os assuntos que mais caem, fizemos isso para você!
 
Lembrando que estes assuntos não estão em ordem específica de cobrança, apenas selecionamos os 10 mais recorrentes.
DÊ O PRIMEIRO PASSO NA SUA CARREIRA EM ENFERMAGEM, CONHEÇA O TRILHA SANAR
 
  1. EMERGÊNCIAS HIPERTENSIVAS
 Onde apareceu o assunto recentemente? - Prefeitura de João Pessoa PB, UFG, Petrobras, EBSERH, SEDF.

(PREF. DE IÇARA/SC - FEPESE - 2014) Com relação às urgências e emergências hipertensivas, assinale a alternativa correta.
 
  1. Na urgências hipertensivas, há elevação crítica da pressão arterial com quadro clínico grave, progressiva lesão de órgãos-alvo e risco de morte, exigindo imediata redução da pressão arterial com medicamentos aplicados por via parenteral.
  2. Nas emergências hipertensivas, há elevação crítica da pressão arterial com quadro clínico grave, progressiva lesão de órgãos-alvo, sem risco de morte, exigindo imediata redução da pressão arterial com medicamentos aplicados por via oral.
  3. Nas urgências hipertensivas, ocorre uma elevação crítica da pressão arterial, em geral pressão arterial diastólica ≥ 120mmHg, porém sem estabilidade clínica e com comprometimento de órgãos-alvo.
  4. Nas urgências e emergências hipertensivas, há elevação abrupta da pressão arterial, ocasionando lesão vascular cerebral, lesões hemorrágicas dos vasos da retina e papiledema.
  5. Nas emergências hipertensivas, há elevação crítica da pressão arterial com quadro clínico grave, progressiva lesão de órgãos-alvo e risco de morte, exigindo imediata redução da pressão arterial com medicamentos aplicados por via parenteral.
 
 
Alternativa A: INCORRETA. Na urgências hipertensivas, há elevação crítica da pressão arterial com quadro clínico grave, progressiva lesão de órgãos-alvo, porém não há risco em curto prazo e não exigem imediata redução da pressão arterial com medicamentos aplicados por via parenteral. Nesse caso, deve ser usada medicação oral.
 
Alternativa B: INCORRETA. Elevação crítica da pressão arterial com quadro clínico grave, progressiva lesão de órgãos-alvo, sem risco de morte, exigindo imediata redução da pressão arterial com medicamentos aplicados por via oral não caracteriza emergência hipertensiva e, sim, urgência hipertensiva.
 
Alternativa C: INCORRETA. Elevação crítica da pressão arterial, em geral pressão arterial diastólica ≥ 120mmHg, sem estabilidade clínica e com comprometimento de órgãos-alvo não caracteriza urgência hipertensiva e, sim, emergência hipertensiva.
 
Alternativa D: INCORRETA. Nas emergências hipertensivas, há elevação abrupta da pressão arterial, ocasionando lesão vascular cerebral, lesões hemorrágicas dos vasos da retina e papiledema.
 
Alternativa E: CORRETA. Nas emergências hipertensivas, há elevação crítica da pressão arterial com quadro clínico grave, progressiva lesão de órgãos-alvo e risco de morte, exigindo imediata redução da pressão arterial com medicamentos aplicados por via parenteral.
 
 
 
  1. ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO
 Onde apareceu o assunto recentemente? - UFMT, Câmara Legislativa do Distrito Federal, TJ-SC
 
(SSA/HMDCC - IBFC - 2015) Uma mulher, 58 anos, deu entrada na Unidade de Emergência com sintomas de início súbito de perda de força, sensibilidade, dificuldade de fala, dificuldade visual, cefaleia intensa súbita e desequilíbrio. O acompanhante referiu que o tempo do início dos sintomas até aquele momento era de 2 horas. Foi confirmado o diagnóstico de AVC isquêmico. Considerando o histórico apresentado é correto afirmar que:
 
  1. O paciente deve ser tratado com AAS 300 mg por via oral.
  2. O paciente deve ser tratado com Trombólise por via endovenosa de ativador do plasminogênio tissular (rtPA).
  3. O paciente deve ser tratado com heparina por via endovenosa.
  4. O paciente deve aguardar 12 horas para iniciar a terapia trombolítica por via endovenosa.
 
Alternativa A: INCORRETA. Estudos multicêntricos recentes demonstraram benefícios da aspirina na fase aguda do AVCi, quando usada nas primeiras 48 h do evento. A dose inicial recomendada é de 325 mg/dia.
 
Alternativa B: CORRETA. O paciente deve ser tratado com Trombolise por via endovenosa de ativador do plasminogenio tissular (rtPA). A trombolise possibilita a recanalizacao do vaso ocluido (quando houver indicacao e quando não houver contra-indicações absolutas).
 
Alternativa C: INCORRETA. Ao contrário da aspirina, não há benefício no uso rotineiro de anticoagulantes na fase aguda do AVCi. Alguns autores recomendam anticoagulação nas seguintes situações: doentes com episódios isquêmicos transitórios de repetição, trombose de artéria basilar, AVCi em progressão e nos casos de dissecção arterial cervical (extracraniana).
 
Alternativa D: INCORRETA. Sendo uma emergência médica, atrasos no início das medidas terapêuticas podem determinar prejuízo no prognóstico funcional desses pacientes. Dentre os critérios para indicação do tratamento trombolítico intravenoso, ressalta-se o tempo de evolução do quadro neurológico, que não deve ultrapassar o limite de 4,5 horas até o início de infusão do agente.
 
  1. DIABETES MELLITUS
 Onde apareceu o assunto recentemente? - IF-ES, EBSERH, IMESF

(TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PIAUÍ - FCC - 2014) Dentre as propostas terapêuticas no tratamento do diabetes tipo I, destaca-se o uso da insulina, cujo manuseio e administração da medicação requer cuidados, tais como:
 
  1. Administrar a insulina de ação ultralenta por via SC, IM e IV.
  2. Conservar a insulina regular em temperatura entre 0 e 2 °C.
  3. Administrar a insulina de ação rápida ou regular via ID, SC, IM e IV.
  4. Realizar rodízio dos locais de aplicação subcutânea da insulina para evitar a lipodistrofia e a redução do efeito do medicamento.
  5. Promover o efeito hiperglicemiante, causado pela interação da insulina com esteroides anabólicos ou pela ingesta de álcool.
 
Alternativa A: INCORRETA. Em geral, a via de administração é subcutânea. As vias intravenosa e intramuscular podem ser utilizadas objetivando um efeito clínico imediato com a administração de insulina regular.
 
Alternativa B: INCORRETA. A insulina lacrada precisa ser mantida refrigerada entre 2°C a 8°C; após aberta, pode ser mantida na temperatura anterior ou entre 15°C e 30°C.
 
Alternativa C: INCORRETA. A via de administração usual da insulina é a subcutânea. Em tratamento de quadros agudos, podem ser utilizadas as vias intravenosa e intramuscular para aplicação de insulina regular ou de ação rápida.
 
Alternativa D: CORRETA. As aplicações devem ter distância mínima de 1,5 cm entre si. O mesmo local deve ser evitado por pelo menos cerca de 15 a 20 dias.
 
Alternativa E: INCORRETA. Substâncias esteroides têm implicação hiperglicemiante. A ingestão excessiva de álcool é associada à alteração da homeostase glicêmica, risco aumentado de hipoglicemia bem como elevação da resistência à insulina.
 
 
 
  1. LESÕES E FERIDAS
 Onde apareceu o assunto recentemente? - Transpetro, UERJ, UNIFESP

(EBSERH - AOCP - 2014) Durante o banho no leito de paciente internado na Clínica Cirúrgica, com tração esquelética para tratamento de fratura de membro inferior direito e fixação externa em fratura exposta grau III de membro inferior esquerdo, o enfermeiro identificou flictena intacto preenchido com exsudato seroso em região escapular, a qual pode ser classificada como uma úlcera por pressão de:
 
a) Estágio I.
b) Estágio II.
c) Estágio III.
d) Estágio IV.
e) Descritor I.
 
 
Alternativa A: INCORRETA. No estágio I, a pele não apresenta soluções de continuidade, mas a hiperemia está presente, geralmente em regiões com proeminências ósseas e o paciente pode referir dor local.
 
Alternativa B: CORRETA. No estágio II, há perda de derme, apresentando uma lesão superficial aberta, sem crostas, com coloração róseo-avermelhada, pode se manifestar como uma bolha (flictena) intacta ou não, preenchida de soro (exsudato).
 
Alternativa C: INCORRETA. No estágio III, há perda de espessura total de tecido, não há exposição óssea nem de músculos e tendões, apesar da visualização de tecido subcutâneo. A crosta pode estar presente.
 
Alternativa D: INCORRETA. A perda de tecido de espessura total com exposição óssea, de tendão ou músculo é característica do estágio IV.
 
Alternativa E: INCORRETA. Apesar de se tratar de uma descrição da ferida para que o estadiamento seja realizado, os termos mais utilizado para classificar as úlceras são os quatro estágios e úlcera não estadiável.
 
 
QUER SABER QUANTO GANHA UM PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM? CLIQUE AQUI.
 
  1. INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 Onde apareceu o assunto recentemente? - UERJ, Prefeitura de Juiz de Fora –MG, TRE-BA

 
(EBSERH - AOCP - 2014) Durante abordagem sindrômica, em paciente com queixa de úlcera genital e história ou evidência de lesões vesiculosas, pode-se iniciar tratamento para:
 
  1. Condiloma.
  2. Herpes genital.
  3. Clamídia.
  4. Tricomoníase.
  5. Gonorreia.
 
Alternativa A: INCORRETA. O condiloma caracteriza-se por lesões exofíticas chamadas também de verrugas, causadas pelo vírus HPV.
 
Alternativa B: CORRETA. Na abordagem sindrômica, a herpes genital é incluída nas sindromes de úlceras genitais. Após anamnese e exame físico, se houver história ou evidência de lesões vesiculosas, o tratamento é orientado pelo diagnóstico de herpes genital.
 
Alternativa C: INCORRETA. Infecções por clamídia são incluídas em síndrome do corrimento uretral, corrimento vaginal e cervicite.
 
Alternativa D: INCORRETA. Na abordagem sindrômica, a tricomoníase é encontrada no fluxograma de corrimento vaginal e cervicite. 
 
Alternativa E: INCORRETA. A gonorreia e clamídia são abordadas nos fluxogramas das síndromes do corrimento uretral, corrimento vaginal e cervicite.
 
 
 
  1. TEORIAS DA ENFERMAGEM
  Onde apareceu o assunto recentemente? - UFG, TJ-SP, EBSERH, IF-ES

(EBSERH - IADES - 2014) É a teoria de enfermagem que tem como meta ajudar o indivíduo, doente ou sadio, no desempenho das atividades que contribuem para a saúde, recuperação ou morte pacífica, e que o indivíduo realizaria sem ajuda, se ele tivesse a força, a vontade e os conhecimentos necessários. É pautada em 14 necessidades. Com base nessas informações, é correto afirmar que a definição apresentada se refere à teoria de:
 
  1. Peplau.
  2. Henderson.
  3. Orem.
  4. Roy.
  5. Watson.
 
A definição apresentada no enunciado da questão é a de Virginia Henderson que, ao apresentar sua definição de enfermagem, ela esperava encorajar os demais colegas de profissão a desenvolver os seus próprios conceitos de trabalho de enfermagem e a função exclusiva da enfermagem na sociedade.
 
Com vista a enriquecer a sua definição de enfermagem, Henderson cunhou o termo cuidados básicos de enfermagem e identificou seus 14 componentes:
 
  1. Respirar normalmente.
  2. Comer e beber adequadamente.
  3. Eliminar os resíduos orgânicos.
  4. Movimentar-se e manter posturas desejáveis.
  5. Dormir e descansar.
  6. Selecionar roupas adequadas - vestir-se e despir-se.
  7. Manter a temperatura corporal dentro da variação normal, adaptando a roupa e modificando o ambiente.
  8. Manter o corpo limpo e bem-arrumado, proteger a pele.
  9. Evitar os perigos ambientais e evitar ferir os outros.
  10. Comunicar-se com os outros expressando emoções, necessidades, medos ou opiniões.
  11. Adorar de acordo com a própria fé.
  12. Trabalhar de forma a ter uma sensação de realização.
  13. Participar em várias formas de recreação.
  14. Aprender, descobrir ou satisfazer a curiosidade que leva ao desenvolvimento e à saúde normais e usar os serviços de saúde disponíveis.
 
Resposta: B
 
 
 
  1. LEGISLAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – CONSTITUIÇÃO FEDERAL
  Onde apareceu o assunto recentemente? - COPASA, INCA, EBSERH, UFES, EMAP
 
(EBSERH - UFC - 2014) De acordo com o art. 200 da Constituição Federal que trata das atribuições do Sistema Único de Saúde (SUS), EXCETO:
 
  1. Participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico.
  2. Ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde.
  3. Colaborar na proteção do meio ambiente, nele não compreendido o do trabalho.
  4. Incrementar em sua área de atuação o desenvolvimento científico e tecnológico.
  5. Executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como as de saúde do trabalhador.
 
O artigo 200 traz as seguintes atribuições do SUS, muito cobrado em concursos. Essas atribuições são retomadas e complementadas na Lei 8.080/90:
 
  1. Controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias de interesse para a saúde e participar da produção de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos, hemoderivados e outros insumos;
  2. Executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como as de saúde do trabalhador;
  3. Ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde;
  4. Participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico;
  5. Incrementar em sua área de atuação o desenvolvimento científico e tecnológico;
  6. Fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o controle de seu teor nutricional, bem como bebidas e águas para consumo humano;
  7. Participar do controle e fiscalização da produção, transporte, guarda e utilização de substâncias e produtos psicoativos, tóxicos e radioativos; 
  8. Colaborar na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho.
 
Alternativa A: INCORRETA. Item IV da art. 6.
 
Alternativa B: INCORRETA. Item III da art. 6.
 
Alternativa C: CORRETA. Compreende o ambiente do trabalho, segundo o que consta no item VIII.


Alternativa D: INCORRETA. Item V da art. 6.
 
Alternativa E: INCORRETA. Item II da art. 6.
 
 
 
  1. SUPORTE BÁSICO DE VIDA
   Onde apareceu o assunto recentemente? - UFTM, TJ –SC, TRT, EBSERH

(SUSAN/AM - FGV - 2014) Com base nas normativas do Ministério da Saúde a respeito das Unidades Móveis para Atendimento de Urgência, analise as afirmativas a seguir.
 
  1. A Unidade de Suporte Básico de Vida Terrestre deve ser tripulada por, no mínimo, dois profissionais, sendo um condutor de veículo de urgência e um técnico ou auxiliar de enfermagem.
 
  1. Uma Unidade de Suporte Avançado de Vida Terrestre deve ter, no mínimo, três profissionais, sendo um condutor de veículo de urgência, um enfermeiro e um médico.
 
  1. A equipe do transporte Aeromédico é composta por, no mínimo, um médico, um enfermeiro e dois técnicos de enfermagem.
 
Assinale:
  1. Se somente a afirmativa I estiver correta.
  2. Se somente a afirmativa II estiver correta.
  3. Se somente a afirmativa III estiver correta.
  4. Se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
  5. Se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
 
Assertiva I: CORRETA. A unidade de suporte básico de vida terrestre deve ser tripulada por, no mínimo, dois profissionais, sendo um condutor de veículo de urgência e um técnico ou auxiliar de enfermagem.
 
Assertiva II: CORRETA. Uma unidade de suporte avançado de vida terrestre deve ter, no mínimo, três profissionais, sendo um condutor de veículo de urgência, um enfermeiro e um médico.
 
Assertiva III: INCORRETA. A equipe do transporte aeromédico é composta por, no mínimo, um condutor do veículo de emergência, um médico e um enfermeiro. Técnico de enfermagem não compõe a equipe mínima no transporte aeromédico.
 
Resposta: D
 
 
 
  1. PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS
    Onde apareceu o assunto recentemente? - EBSERH, Câmara Legislativa do Distrito Federal, Prefeitura de Patos –PB.

(EBSERH -  UFS - 2013) O conjunto de ações que proporcionam o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos é o que se entende por:
 
  1. Vigilância sanitária.
  2. Vigilância epidemiológica
  3. Saúde do trabalhador.
  4. Assistência terapêutica integral.
  5. Assistência social.
 
Essa questão exige do candidato muita atenção na leitura, o primeiro passo é tentar relacionar alguns trechos-chave com as alternativas, como: fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, e medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos.
 
Quando falamos em doenças da população, estamos nos referindo à epidemiologia, ciência que estuda a distribuição das doenças entre as pessoas e a busca de ações que detectem e previnam essas doenças e papel da vigilância.
 
Assim, fica fácil relacionar a vigilância epidemiológica. A definição de vigilância epidemiológica trazida na questão está na lei 8.080/90, no art. 6. Neste mesmo artigo, pode-se encontrar os conceitos de vigilância sanitária e de saúde do trabalhador.
 
Resposta: B
 
 
 
 
  1. HIPERTENSÃO ARTERIAL
     Onde apareceu o assunto recentemente? - UFRN, TJ-SP, UFES, UPE.
 
(COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR/CNEN, AN11- IDECAN - 2014) A hipertensão arterial sistêmica secundária a Síndrome de Cushing apresenta os principais sinais e sintomas, EXCETO:
 
  1. Fraqueza muscular, cansaço fácil e hirsutismo.
    Obesidade central, fascies em lua cheia e pletora.
  2. Inchaço das mãos, fraqueza muscular e macroglossia.
  3. Estrias abdominais, aumento de peso e distúrbios emocionais.
  4. Afilamento dos braços e das pernas, aumento de peso e fraqueza muscular.
 
Alternativa A: CORRETA. Fraqueza muscular, cansaço fácil e hirsutismo são sinais e sintomas da síndrome de Cushing.
 
Alternativa B: CORRETA. Obesidade central, facies em lua cheia e pletora são sinais e sintomas da síndrome de Cushing.
 
Alternativa C: INCORRETA. Fraqueza muscular é sintoma da Síndrome de Cushing ,porém inchaço das mãos e macroglossia não são sinais e sintomas da síndrome de Cushing.
 
Alternativa D: CORRETA. Estrias abdominais, aumento de peso e distúrbios emocionais são sinais e sintomas da síndrome de Cushing.
 
Alternativa E: CORRETA. Afilamento dos braços e das pernas, aumento de peso e fraqueza muscular são sinais e sintomas da síndrome de Cushing.
 
 


67 Publicações - 1 Seguidores

  • 67 Publicações