A importância da Mulher na Prevenção do Homem Contra o Câncer de Próstata

há 1 ano     -     
A importância da Mulher na Prevenção do Homem Contra o Câncer de Próstata

*Franci Junior Gomes da Silva

Acadêmico 7° período de Enfermagem e integrante da LASM - Faculdade Estácio de Sá de Goiás

**Marianna Cavalcante Santiago

Acadêmica 7° período de Enfermagem e integrante da LASM - Faculdade Estácio de Sá de Goiás

 

O câncer de próstata é uma neoplasia sólida, caracterizado pelo crescimento excessivo de células atípicas invasoras, e a segunda maior causa de morte por câncer entre o sexo masculino no mundo. De acordo com os dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), atualmente, no Brasil, a incidência de novos casos de câncer de próstata para o ano de 2016 é previsto atingir cerca 61.200 novos casos. Estima-se que aproximadamente 25% dos portadores de câncer de próstata ainda vão a óbito por causa de a doença ser diagnosticada já em estágios avançados, sendo que há 90% de chances de cura com diagnóstico precoce.  

Alguns fatores culturais e costumes machistas, existentes, entre a população masculina são considerados pontos negativos que comprometem os cuidados com a saúde deste indivíduo. Muitos consideram o fato de ir ao médico, como um ato de fraqueza. Isto está associado à ausência de informações sobre a saúde de forma geral, bem como, especificamente a próstata, em todos os níveis sociais, ate mesmo entre aos mais cultos e esclarecidos homens da sociedade. Sendo assim, a imagem machista sobre o gênero masculino é uma enorme barreira entre o homem e sua própria saúde, podendo resultar em graves complicações e até levar á morte, por costumes primitivos, preferindo sofrer calado ao invés de buscar ajuda mais cedo e ter a chance de viver mais tempo.  

Uma pesquisa encomendada pela Sociedade Brasileira de Urologia foi realizada com homens com faixa etária entre 40 a 70 anos, de 11 capitais brasileiras, apontou que para a maioria dos entrevistados, aproximadamente 66% é influenciado pela companheira (namorada, esposa) na procura por um médico para prevenir e tratar o câncer de próstata e para 20% destes, as grandes influenciadoras são as mães e irmãs. Destes, cerca de 69% declararam serem casados formal ou informalmente. A pesquisa demonstrou, ainda, que 80% deles, acreditam que os homens vão ao médico por insistência de parentes e amigos. Segundo os dados, enquanto a mídia tem posição de comunicador, a família e os amigos desempenham o papel de influenciadores dos homens no cuidado com a saúde.  

É preciso saber que este tipo de câncer, afeta diretamente a próstata que é uma glândula presente apenas no sistema genital masculino, localizada logo abaixo da bexiga e à frente do reto. É um órgão pequeno que envolve a porção inicial da uretra (tubo que elimina a urina), e produz a maior parte do sêmen, um líquido espesso que contém espermatozoides, liberado na ejaculação. Na fase inicial da doença, apresenta evolução silenciosa, em muitos casos não surgem sintomas, mas quando presente pode manifestar alguns sinais como dificuldade urinária, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite. Em 95% dos casos quando surgem alguns sintomas, já está em fase avançada, alguns sinais para se atentar nesta fase inclui dores em ossos, disfunções urinárias, e até mesmo infecção generalizada ou insuficiência renal. Se não for tratado adequadamente, o câncer de próstata ainda pode se espalhar para outros órgãos e comprometer funções importantes para a vida.  

Por isso é tão importante que o homem esteja atento ao seu corpo para identificar sintomas repentinos e alterações. E assim, deve esta alerta podendo procurar um médico para ser orientado e tirar suas dúvidas. A mulher tem papel importante no incentivo e conscientização do homem para que entenda a importância do autocuidado e de procurar um médico para realizar os exames para identificar o câncer de próstata, de preferência em fase inicial, prevenindo a forma mais agressiva da doença evitando que o mesmo se torne vítima mortal.  

Segundo recomendações da Sociedade Brasileira de Urologia, homens com idade a partir de 50 anos devem buscar atendimento com um profissional especializado para que seja feita uma avaliação individualizada no período anual de preferência. E para homens de raça negra ou que tenham parentes de primeiro grau com histórico de câncer de próstata devem começar aos 45 anos, pois, apresenta mais riscos de desenvolver a doença que os demais grupos.  

Tendo quaisquer suspeitas relacionadas à presença da patologia, o paciente deve buscar imediatamente um médico urologista para realizar a análise por meio de exames básicos e, assim, detectar precocemente o câncer, possibilitando a intervenção eficaz no início da doença. O exame primário a ser feito, após avaliação do paciente, é o toque retal, um teste rápido, indolor e capaz de indicar se há algum tipo de alteração na próstata, bem como definir o tratamento adequado. É indispensável à realização do toque retal e não pode ser substituído por outro exame, pois, somente após avaliação do tecido é que será possível fornecer o diagnóstico. Para tanto, o ideal é a realização do toque retal associado com o exame de sangue que verifica a dosagem do PSA (Antígeno Prostático Específico). De acordo com especialistas o toque retal, juntamente com histórico familiar, é a forma mais segura para identificar anormalidades.  

Contudo, baseado em evidências cientificas que apontam para um estilo de vida saudável como sendo a forma mais ideal na prevenção contra diversos tipos de doenças crônicas. Foi visto que hábitos de vida saudáveis como uma dieta rica em frutas, legumes, verduras, grãos e cereais, com menos gordura, principalmente, de origem animal, associada à prática diária de atividades físicas para manter o peso adequado à altura, evitando o consumo de bebidas alcoólicas e não fumar diminui os riscos do câncer, como também, de outras doenças crônicas. Ações estas que podem ser incentivadas pelas pessoas que estejam próximas. Não esperar os sintomas aparecer para ir ao médico é imprescindível para a saúde. 

VEJA TAMBÉM

Câncer de Pulmão: Histologia, Estadiamento, Tratamento e Sobrevida

A semiologia médica no século XXI

Anafilaxia Perioperatória

  • 18 Publicações