3262 Publicações -

Bacon e linguiça entram na lista negra do câncer

há 2 anos     -     
Bacon e linguiça entram na lista negra do câncer



A Organização Mundial da Saúde fez desta segunda (26) um dia triste para entusiastas do bacon e do churrasco.

A Agência Internacional pela Pesquisa em Câncer (Iarc) da OMS, que classifica o risco do que pode causar a doença, colocou as carnes processadas na categoria 1, dos "sabidamente carcinogênicos", ou seja, que favorecem o desenvolvimento da doença, e as carnes vermelhas na 2A, dos "provavelmente carcinogênicos".

Essa associação foi observada principalmente para câncer colorretal. mas também para câncer de pâncreas e próstata –mais de 800 estudos foram avaliados.

Na categoria 1 também figuram cigarro, bebidas alcoólicas, amianto e exposição solar por exemplo. Isso não significa que todos causem câncer na mesma proporção, mas que há evidências suficientes para fazer a associação.

Na categoria 2A, aquela com nível menor de evidência científica, estão alguns inseticidas, frituras em alta temperatura e até o trabalho em horários irregulares, que rompem o ritmo circadiano.

A carne processada é aquela que foi modificada para melhorar seu sabor ou sua preservação por meio de salga, secagem, fermentação, defumação ou outros processos. A maioria delas contém carne de porco ou de boi.

Alguns exemplos são bacon, linguiça, salsicha, carne seca, salame e presunto.

Já como carne vermelha, entende-se aquela proveniente da musculatura de mamíferos. Exemplos: boi, porco, javali, cordeiro e cabra.

A conclusão é que a cada 50 g de carne processada ingerida por dia o risco de câncer colorretal aumenta em 18%. A Iarc elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o assunto para esclarecer a população das principais dúvidas.

PERIGO?

Segundo Samuel Aguiar Jr, cirurgião-oncologista do A.C.Camargo, o problema de se colocar o consumo das carnes processadas na categoria 1 de risco, a mesma do tabaco e do amianto, é que nessa categoria geralmente não existe consumo moderado.

"Você não fala para um paciente fumar 'um pouquinho', e sim para não fumar. Ninguém recomenda que alguém seja exposto a só 'um pouquinho' de amianto", diz. No caso das carnes processadas, afirma, não é o caso de evitá-las, mas sim de remover da rotina –não há grande risco se o consumo for esporádico.

"Com base no grande número de pessoas que consomem carne processada, o impacto global sobre a incidência de câncer é uma questão de saúde pública", disse Kurt Straif, chefe do programa de monografias da agência.

Segundo estudo da OMS, 34 mil pessoas morrem por ano devido ao consumo de carne processada –é menos que as 600 mil mortes relacionadas ao álcool e que o milhão por causa do cigarro. Mas, para a Iarc, o tema precisava ser estudado porque muita gente come carne no mundo.

Fábio Guilherme Campos, presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia, lembra que exercício e o consumo de vegetais e fibras têm impacto positivo na prevenção do câncer de intestino, até mesmo atenuando o impacto negativo causado pelo consumo das carnes processadas e da carne vermelha.

Fonte: Folha de S. Paulo

3262 Publicações - 0 Seguidores

  • 3262 Publicações