Biópsias, enxertos e retalhos

há 1 ano     -     
Biópsias, enxertos e retalhos

01- Sobre as biópsias de pele é incorreto:

a) Nas lesões pigmentares, suspeitas clinicamente de malignidade, realizar sempre que possível uma biópsia excisional;

b) Em biópsias excisionais, o comprimento da excisão fusiforme deve ser cerca de 3,5 vezes maior que a largura.

c) Sempre que possível, a excisão deve ser orientada de modo que seu menor eixo coincida com as linhas de força da pele.

d) A retirada dos pontos de sutura varia com a região e a tensão da sutura. Na face, a remoção deve ser precoce, entre 3-5 dias, para melhor resultado estético. No couro cabeludo e no tronco entre 7 e 14 dias.

e) O formal a 10% é o fixador indicado para a coloração pela hematoxilina-eosina e para a maioria das colorações. 

 

02- Em relação aos enxertos e retalhos podemos afirmar, exceto:

a) Quando as excisões são muito extensas ou quando o fechamento primário determina uma tensão excessiva, perda de função ou resultado cosmético de baixa qualidade será necessário a utilização de técnicas de reconstrução com retalhos ou enxertos.

b) Retalhos são segmentos de pele e tecido subcutâneo que têm vascularização própria através de um pedículo de comunicação com a área doadora.

c) Por ser mais fino, o enxerto parcial tem uma integração mais fácil à área doadora, porém o resultado estético é de qualidade inferior quando comparado com os retalhos e com os enxertos de pele total.

d) Enxertos são indicados para feridas sobre superfícies cartilaginosas sem pericôndrio e sobre superfícies ósseas sem periósteo porque isso viabiliza a neovascularização.

e) São complicações que podem ocorrer com retalhos: infecção, hematoma, isquemia e necrose, retrações cicatriciais, ectrópio, diferenças de níveis entre o retalho e a área receptora e abaulamentos. 

VEJA TAMBÉM

A equipe multidisciplinar no pós-transplante?

Câncer de Estômago

Caso Clínico de Radiologia - Dor Precordial

  • 4 Publicações