115 Publicações -

Como criar novos hábitos para melhorar sua Carreira Médica?

há 4 meses     -     
Como criar novos hábitos para melhorar sua Carreira Médica?


 

 

Início do ano sempre vem acompanhado de uma lista de promessas para ser cumprida, não é? Para ajudarmos no seu crescimento pessoal, vamos dar o passo-a-passo de como criar um novo hábito para você tirar do papel essa lista e alavancar a sua Carreira Médica.

 

Início do ano e diversas promessas são feitas. Estudar mais, ficar menos tempo nas redes sociais, praticar atividade física 5 vezes na semana… a lista é imensa. Mas por onde começar? Adquirir um novo hábito, já adianto, não é fácil. Requer o que muitos chamam de Força de Vontade. Afinal, sair do modo "automático" e começar a se esforçar para fazer algo novo é cansativo no início, mas prometo que com foco e determinação, você vai conseguir e vai valer a pena tirar as promessas do papel.

 

Afinal, vida é composta, basicamente, pela soma de nossos hábitos. Então, onde você se encontra na sua vida é decorrente, em boa parte, dos seus hábitos. Insatisfeito em algum aspecto? Comece hoje a mudá-lo. Lembrando sempre que a Complexidade é inimiga da implementabilidade. Mantenha as coisas simples para adquirir um hábito.

 

Antes de tudo, algumas perguntas devem ser feitas:

 
  1. Quais são os seus motivos?

Se o hábito que você quer criar é o de fazer atividade física diária, por exemplo, identifique os motivos que levam você a querer isos (saúde, dar uma arejada na mente, tomar sol, conhecer novas pessoas) e comece a pensar no hábito da caminhada como algo que já faz parte da sua vida.

 

     2. O que te impede?

Tente deixar claro na sua mente o que te impede de fazer essa atividade e torná-la algo rotineiro. A preguiça pode ser a resposta da maioria das pessoas ou falta de tempo. Para isso, tente sempre associar essa nova atividade com algo que já fazia parte da sua rotina. Exemplo: Se você quer ter o hábito de limpar a casa, associe o hábito de tomar banho quando chegar do trabalho com arrumar a casa e depois comer. Além disso, sempre tenha um plano B. Os hábitos são frágeis e qualquer motivo soa como uma ótima razão para não realizá-los. Por isso, sempre tenha na mente um segundo plano. Vai chegar muito tarde em casa? Arrume ela antes do café da manhã.

 

  3. Quanto tempo é necessário para construir um novo hábito?

Em 1960, o cirurgião plástico Maxwell Maltz definiu a duração de 21 dias para criar um hábito. Posteriormente foi observado que os neurônios não são capazes de assimilar de forma completa um novo comportamento neste tempo, e corremos o risco de abandonar o comportamento de forma prematura com apenas 21 dias de treinamento.

Estudos posteriores realizados pela University College de Londres descobriram que, em média, na verdade são necessários 66 dias para incorporar um novo comportamento em nossa rotina e mantê-lo presente. Eles também descobriram que passar um dia sem realizar o comportamento não é prejudicial para o objetivo a longo prazo.

Mas a realidade é que criar um hábito requer a prática rotineira no início (constante e frequente) para fazer com que alguns processos do hábito sejam automatizados e para que precisemos de menos esforço para realizá-lo. O tempo de prática vai variar de acordo com a conduta que queiramos adquirir e o quanto ela é familiar para nós. Algo totalmente novo e muito diferente da nossa rotina habitual pode exigir mais tempo de prática do que, por outro lado, adquirir um hábito que seja próximo da nossa realidade e simples para nós.

 

Certo, agora que já respondemos essas perguntas vamos colocar a mão na massa:

 

Segundo o livro O Poder do Hábito de Charles Duhigg os hábitos são formados a partir do esquema: Rotina -> Gatilho -> Recompensa.

 

Você tem que identificar o gatilho que fará você associar a sua rotina. Exemplo: se você deixar o tênis do lado da cama de manhã, vai te lembrar da corrida matinal ou sair de casa com a roupa da academia na mochila, vai fazer com que você vá para a academia depois do trabalho. No caso do estudo, tente associar logo após tomar o café pela manhã, iniciar os estudos. No livro, ele fala muito desse gatilho para um hábito ruim que você já tem e quer mudar, como sempre que toma um café querer fumar um cigarro.

 

A recompensa: a sensação de dever cumprido já é muito satisfatória. Mas celebrar sempre que você conseguir não comer um doce após o almoço, por exemplo, também é gratificante. A grande batalha no novo hábito é a satisfação imediata contra a de longo prazo. Se você comer o doce na hora que quer, vai ficar feliz naquele momento e depois, talvez, se sinta mal por não ter conseguido manter seu objetivo. Mas se você não comer o doce agora, a sua satisfação vai ser a longo prazo, quando conseguir emagrecer, caso esse seja seu objetivo principal.

 

Mantendo essa atividade constante, (e aqui vai uma palavra importante nesse processo todo: constância), você conseguirá criar um novo hábito e torná-lo sua Rotina. Fácil? Não, não é tão simples assim, e por isso aqui vão algumas dicas para te ajudar mais ainda:

 

#1 Comece com metas pequenas Ciotti sugere, citando um artigo publicado em 2006 no Journal of Personality and Social Psychology, que você tenha objetivos grandes, “abstratos” (como “ter inglês fluente”), contrabalanceados por passos pequenos. Nessas pequenas cotas, comece pequeno mesmo, exemplo:

Quero passar na residência de Clínica Médica da USP no final de 2020. Cota: Estudar 6 horas por dia. Não comece com essa cota. Comece com: Estudar 30 minutos todos os dias. Com algumas semanas, você já vai conseguir aumentar para uma hora, e com o tempo, isso vai aumentando. Assusta muito iniciar com as 6 horas, mas meia hora parece tranquilo, não é?

 

#2 Aproveite Corrente Comportamentais: Já falei disso anteriormente: Mas tente ao máximo associar o novo hábito com um que você já tem e aproveite a "energia" que você já usava nesse hábito para implementar esse novo. Aproveite e faça com que o hábito antigo seja o seu gatilho.

 

#3 Sem excesso de opções: O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, criou o hábito de sempre vestir ternos cinza ou azuis “Eu tento eliminar decisões”, explica. “Não quero tomar muitas decisões sobre o que vou comer ou vestir, porque tenho muitas outras decisões a tomar”. Há estudos que mostram que tomar decisões, por mais simples que sejam, gastam “energia mental”. Em texto publicado no site Harvard Business Review, o professor Robert C. Pozen sugere que você “identifique os aspectos da sua vida que considera mundanos e os ‘rotinize’ tanto quanto puder”, para que possa economizar energia para manter uma disciplina. Em tempos de mudanças de hábitos, você estará mais cansado, evite gastar energia à toa.

 

#4 Torne seu progresso visual: Quando transformamos nosso progresso em algo visual, ficamos com vontade de continuar progredindo. Pegue um calendário e preencha os dias que cumpriu o novo hábito. Quando uma semana inteira estiver completada, me diga o que sentiu.


#5 Rodeie-se de pessoas positivas: Despenda mais tempo com pessoas que já têm o hábito positivo que você quer desenvolver. Além disso, pessoas negativas tentem a colocar a gente para baixo e desacreditar que vamos conseguir. Espelhe-se nas que conseguem porque isso lhe dará motivação para continuar. O tipo de ambiente que você frequenta vai influenciá-lo positiva ou negativamente no desenvolvimento de novos hábitos, porque você se torna naquilo com que convive por mais tempo.

 

Espero que hoje mesmo você já tire do papel as suas metas usando esse passo a passo e dicas. Me conta no final do ano, o que você realizou. Achou que algum amigo(a) precisa ler isso pra conseguir alcançar os objetivos? Manda esse texto para ele/ela.

 

“Impor a disciplina a si mesmo é uma das grandes vitórias do homem contra si mesmo”- Texto Judaic

 

Até a próxima!
 



Confira outras matérias:

5 cursos gratuitos nas melhores Universidades do Mundo

Síndrome de Burnout: Um alerta a Saúde dos Médicos

 



 





115 Publicações - 0 Seguidores

Nossa comunidade existe para orientar nas principais decisões da carreira do médico, oferecendo um espaço para compartilhamento de conhecimento dos nosso membros.

  • 115 Publicações