Caso Clínico de Derrame Pleural

há 1 ano     -     
Caso Clínico de Derrame Pleural

Caso Clínico de Derrame Pleural

Anamnese: J.C.P.D.S, feminina, 60 anos, com queixa principal de “falta de ar, tosse e dor torácica”.

Paciente relata ter iniciado em fevereiro de 2017 quadro de tosse não-produtiva, febre vespertina, inapetência e perda ponderal (maior que 10 kg) em curto período, com piora evolutiva da tosse, além do aparecimento de dor torácica em topografia de base de hemitórax direito.

Procurou atendimento médico em 30/03/17, realizando radiografia simples de tórax que evidenciou Derrame Pleural. Foram iniciados Amoxicilina/clavulanato + Azitromicina, coletando escarro induzido com pesquisa de BAAR negativa (em 2 amostras). A paciente foi transferida ao Hospital em 10/04/17, para investigação diagnóstica, estando há 2 dias em uso de Ciprofloxacino e Metronidazol, mantendo imagem de Derrame Pleural a radiografia de tórax, porém com melhora das queixas iniciais.

Paciente é Hipertensa, Diabética, além de apresentar história de Asma Brônquica com relato de última crise há muitos anos atrás. Em uso de Enalapril, Glibenclamida e Glimepirida. Nega história de etilismo ou tabagismo.

Exame Físico: paciente hemodinamicamente estável, emagrecida, eupneica em ar ambiente, hipocorada (++/++++), apresentando murmúrio vesicular abolido em 2/3 inferiores de hemitórax direito com crepitações difusas.

Laboratório:

·         Leucócitos 19.500/mm3 com 4% de bastões;

·         30,4% de Hematócrito;

·         Plaquetas 620.000/mm3;

·         Uréia 22 mg/dL;

·         Creatinina 0,5 mg/dL;

·         Glicemia 250 mg/dL;

·         Sódio 140 mEq/L;

·         Potássio 4,5 mEq/L.

Tomografia de tórax: Volumoso Derrame Pleural loculado no hemitórax direito, associado a consolidação com componente atelectásico do LID, presença de gás com nível hidroaéreo de permeio a área de consolidação; pequeno derrame pleural a esquerda; faixas atelectásicas em lobo médio; mediastino centrado; sem evidência de linfonodomegalias.

Diagnóstico mais provável para o caso clínico em questão:

a)    Derrame Pleural;

b)    Empiema Pleural;

c)    Derrame Pleural neoplásico;

d)    Descompensação de IC.

Discussão:

·         O derrame pleural apresenta sintomas decorrentes diretamente do acometimento do folheto parietal como  dor  pleurítica  em  geral  na  área  afetada,  tosse  seca  e  dispneia,  mais intensa com volumes maiores. Na radiografia de tórax as principais características são elevação e alteração da conformidade do diafragma com retificação de  sua porção medial, obliteração do  seio  costofrênico,  além  de opacificação  progressiva  das  porções  inferiores  dos  campos pleuropulmonares, podendo  formar parábola  com concavidade  voltada  para  cima. No  perfil evidencia-se o apagamento do seio costofrênico do lado acometido. Algumas vezes o derrame pode estar loculado – líquido encapsulado em qualquer ponto dos campos pleuropulmonares..

·         A pneumonia pode ser acompanhada  por  derrame  pleural  de  37  a  57%  dos  casos, sendo considerado um fator de pior prognóstico. Inicialmente o derrame parapneumônico não complicado  pode  seracompanhado  sem  drenagem.  Se persistir ou  aumentar  seu  volume apesar   do   tratamento, há   indicação   de   toracocentesee   análise   do   líquido. Se houver persistência  da  pneumonia,   ausência ou   in correção do   tratamento, ou   ainda   resposta inadequada  do  paciente  a  este  tratamento,  o  derrame passa  a  ser  considerado complicado, onde o líquido torna-se mais turvo e facilmente coagulável com formação de septações.

·         A  neoplasia  pulmonar é  a  principal  responsável  pelos  derrames  pleurais  neoplásicos, chegando  a  até  15%  no momento  do  diagnóstico  e  até  50%  na  evolução  da  doença;  sendo  o adenocarcinoma  o  tipo  histológico  mais  associado.Em  geral  são  volumosos,  livres  e  não cursam  com  desvio  do  mediastino  por  estarem  frequentemente  associados à atelectasias. Diversos outros tumores podem cursar com derrame pleural metastático, sendo os principais o câncer de mama, os linfomas e os tumores de ovário

·         A Insuficiência   cardíaca   descompensada   pode   apresentar   quadro   de   congestão pulmonar  com  derrame  pleural,  geralmente  bilateral(cerca  de  88%), podendo  ter  maior volume  à  direita,com  características  de  transudato. Além  da  associação  de  outros  sinais  e sintomas   compatíveis   com   congestão   sistêmica, como:   ortopnéia,   edema   de membros inferiores, turgência  jugular,  terceira  bulha  presente  e  estertoração  pulmonar. Noexame radiológico do tórax observa-se a presença de cardiomegalia

.

·         O empiema pleural costuma apresentar-se como exsudato, tendo origem em infecções complicadas, sem tratamento adequado ou que se instalam na cavidade pleural, em geral por contiguidade.   Radiologicamente   costuma   apresentar-se   como derrame   pleural   loculado, unilateral com  a  imagem  radiológica  de um “D” invertido  à  radiografia  simples  de  tórax  com  história de infecção prolongada.Na tomografia com contraste há realce dos folhetos parietal e  visceral  da  pleura,  espessamento  do  tecido  subcostal  e  da  gordura  extrapleural, bem  como apresentam formato geralmente elíptico com superfície interna lisa.

 

Resposta:

B

VEJA TAMBÉM

Arritmias Cardíacas: mitos e verdades

Demência Vascular causada por Encefalopatia arteriosclerótica subcortical

Notificação Compulsória - portaria Nº 204 de 17 de Fevereiro de 2016

  • 6 Publicações