Caso Clínico - Doença de Chagas Aguda

há 1 ano     -     
Caso Clínico - Doença de Chagas Aguda

Paciente VDSS, 52 anos, masculino, vaqueiro, proveniente de Mundo Novo (BA). Regulado de Feira de Santana, no dia 20/04, ao Hospital Couto Maia.

Regulação referiu inicio de quadro clínico no dia 03/04 em Mundo Novo com fortes dores torácicas ventilatório-dependentes, febre de 38o, cefaléia, linfonodomegalia em cadeia axilar direita. À inspeção dos linfonodos hipertrofiados, notou-se furúnculo não-supurativo de aproximadamente 2cm2. Em Posto de Saúde, paciente foi medicado com dipirona sódica e prescrito repouso por uma semana quando então deveria retornar para reavaliação. No dia 10/04, apresentava diminuição gradual das dores torácicas com manutenção dos outros sintomas, sendo então regulado para o Hospital Geral Clériston Andrade em FS.

Em Feira de Santana, paciente evoluiu com diminuição gradual da PA, manutenção da febre e cefaléia, passando a apresentar turgência jugular a 45o; ausculta cardíaca evidenciou hipofonese de bulhas sem sopros. Foi realizado ECG que evidenciou complexos QRS de baixa amplitude em derivações precordiais. PA apresentava-se de 100-60 mmHg no dia 18/04. No dia 19/04, foi realizado ecocardiograma que evidenciou derrame pericárdico importante; líquido pericárdico foi drenado com alivio do quadro. Paciente foi então encaminhado ao Hospital Couto Maia para avaliação da causa ainda inconclusiva.

Exames Solicitados: Anticorpos IgM Anti-T. cruzi, Gota espessa para Chagas, Elisa para Leishmaniose Visceral, Elisa IgM para Hantavirose, AgHBS, Anti-VHC.

Diagnósticos Diferenciais: Chagas, Leishmaniose Visceral, Hantavirose, Miocardite Infecciosa.

Resultados dos Exames Solicitados: Anticorpos IgM Anti-T. cruzi positivo, Gota espessa para Chagas revela parasitas T. cruzi. Elisa para Leishmaniose Visceral sem resultado para LV, Elisa IgM para Hantavirose negativo, AgHBS negativo, Anti-VHC negativo.

Diagnóstico de Chagas Aguda.

Tratamento: Benznidazol (100mg); 5mg/Kg/dia em duas tomadas ao dia, por 60 dias.

VEJA TAMBÉM

Icterícia neonatal?

Pré-Eclâmpsia: dos fatores de risco ao diagnóstico

O que é Amebíase?

  • 20 Publicações