Central de abastecimento farmacêutico: tudo que você precisa saber

há 4 meses     -     
Central de abastecimento farmacêutico: tudo que você precisa saber


 

Central de abastecimento farmacêutico: tudo que você precisa saber

A gestão da área hospitalar é de grande complexidade e recentemente vem tomando maior espaço nos estudos de administração, os quais buscam adaptar ou desenvolver novas técnicas que permitam uma gestão eficiente do setor, absolutamente necessária ao fornecimento dos serviços por parte dessas organizações, já que o produto/serviço fornecido (preservação da vida/recuperação da saúde) não é passível de trocas ou substituições (SOUSA, 2011).

Estocar consiste em ordenar adequadamente os produtos em áreas apropriadas, de acordo com suas características e condições de conservação exigidas (termolábeis, psicofármacos, inflamáveis, material médico-hospitalar etc.) (BRASIL, 2001).
Neste artigo você verá como funciona a Central de Abastecimento Farmacêutico, requisitos mínimos exigidos, condições de armazenamento e o papel do farmacêutico.

O local destinado à estocagem de todos os tipos de materiais pode ser denominado de almoxarifado. No Brasil, o espaço dedicado exclusivamente à armazenagem de medicamentos é denominado Central de Abastecimento Farmacêutico (CAF) (BLATT et al, 2013).

A CAF é a área destinada à estocagem e conservação dos produtos, nesse local se desenvolve atividades voltadas para a logística de medicamentos tais como o armazenamento adequado dos mesmos, respeitando-se as regras básicas de estocagem, manuseio, guarda e empilhamento máximo (BRASIL, 2001).

O armazenamento deve garantir a manutenção das características físico químicas e microbiológicas dos produtos durante o período de estocagem, evitando possíveis perdas por desvio de qualidade ou por vencimento (DURANES; GONÇALVES, 2017).

Tabela 1: Condições ideiais de armazenamento
 
Condições ideiais de armazenamento Objetivos
Não deve haver incidência de luz solar
direta.
Manter as características físico-químicas
dos produtos.
Ausência de mofo nas paredes, piso
ou teto
Evitar a penetração de umidade e
possíveis alterações físico-químicas nos
produtos
Ventilação adequada Manter a temperatura do ambiente
uniforme
Local limpo e organizado Garantir a segurança nas atividades de
rotina
Cumprimento do empilhamento
máximo sugerido pelo fabricante
Garantir a integridade dos produtos
Medicamentos armazenados sob
pallets, longe das paredes e tetos
Permitir a reposição ou a retirada de
produtos do estoque, assim como, uma
circulação adequada de ar e a limpeza
do ambiente.
Presença de telas nas janelas

 
Proteger contra a entrada de pragas,
insetos e roedores





















Fonte: DURANES; GONÇALVES, 2017
 

Papel do farmacêutico na CAF

Segundo Tuma e colaboradores (2009), a CAF deve estar sob supervisão do Farmacêutico, o qual é responsável pelas seguintes funções: 
  • Planejar, conduzir e controlar o processo de recepção, armazenamento e distribuição de medicamentos e produtos para a saúde, visando a disponibilidade, em tempo oportuno e nas quantidades necessárias;
  • Elaborar normas, procedimentos operacionais e instruções de trabalho, visando reduzir perdas por danos e validade, reduzir o tempo gasto na movimentação dos produtos, evitar acidentes e aumentar a eficácia do processo de estocagem;
  • Desenvolver funções de controle e supervisão para preservar a integridade dos medicamentos, produtos para a saúde e insumos, respeitando a regulamentação sanitária;
  • Receber ou supervisionar a recepção de medicamentos e produtos para a saúde adquiridos pela instituição;
  • Revisar a documentação de entrada verificando sua conformidade com a quantidade e especificações descritas nos documentos que respaldam a compra e acompanhar sua tramitação posterior;
  • Elaborar de forma eficaz os informes de ingresso dos medicamentos, produtos para saúde e insumos recebidos;
  • Coordenar, supervisionar e avaliar os registros de movimentação dos produtos e demais funções desenvolvidas pelos almoxarifes e pessoal de apoio operacional;
  • Promover treinamento em serviço e apoiar as atividades de educação
    permanente desenvolvidas em parcerias com outros serviços do hospital, visando o cumprimento de boas práticas;
  • Proceder a levantamentos físico-financeiros da movimentação dos produtos e efetuar remanejamentos, quando necessário;
  • Manter sistema de informação sobre os estoques atualizado e disponível a todos os setores envolvidos;
  • Promover a relação intersetorial com as demais unidades do hospital;
  • Trabalhar em parceria com as comissões hospitalares: Comissão de Farmácia e Terapêutica, Comissão de Riscos, Comissão de Controle de Infecção Hospitalar e Comissão de Licitação (quando existente);
  • Zelar para o máximo aproveitamento do espaço físico da CAF, o adequado controle e preservação da qualidade dos medicamentos, produtos para a saúde e insumos sob sua guarda e para que todas as funções estejam de acordo com a política do hospital.

Requisitos mínimos exigidos

Para assegurar condições ideais de conservação e contribuir para a manutenção da estabilidade dos medicamentos, a CAF deverá atender a alguns requisitos básicos (BRASIL, 2001; BLATT, 2013):
  • Localização: Deve estar localizada em regiões de fácil acesso para o recebimento e a distribuição dos produtos, além de dispor de espaço suficiente para movimentação e circulação de pessoas, produtos, equipamentos e veículos, longe de fontes de calor e contaminação.
  • Identificação externa: O local deve estar devidamente identificado, de forma visível, por meio do nome, logotipo e sinalizadores ou placas indicativas.
  • Acesso: Para otimizar a funcionalidade dos serviços, a CAF deve ser de fácil acesso, com plataformas que facilitem os procedimentos de carga e descarga dos meios de transportes utilizados, com vias de acesso desobstruídas e área de manobra suficiente para carros e caminhões, bem como com espaço para estacionamento.
  • Sinalização interna: A CAF deve sinalizar os espaços e as áreas por meio de letras ou placas indicativas: nas estantes, nos locais de extintores de incêndio, entre outros.
  • Condições ambientais: O ambiente geral deve ser propício e apresentar condições adequadas quanto à temperatura, ventilação, luminosidade e umidade, permitindo, ainda, boa circulação, além de estar organizado de forma a permitir fácil limpeza e controle de pragas.
  • Higienização:  A manutenção deve ser constante e estar sempre limpa, isenta de poeira e outras sujidades. A limpeza, além de demonstrar aspecto de organização, é uma norma de segurança, que deve ser rigorosamente seguida.
  • Segurança: Para garantir a total segurança do ambiente e prevenir eventuais acidentes, devem ser estabelecidos mecanismos e equipamentos de segurança à proteção das pessoas e dos produtos em estoque.
  • Equipamentos e acessórios: Devem ser em número suficiente e adequados, levando-se em consideração o tipo e o volume de produtos, a forma de organização do estoque e a movimentação necessária. A CAF deve apresentar instalações elétricas, sanitárias, equipamentos e acessórios adequados, bem como suas instalações interiores devem apresentar superfícies lisas, sem rachaduras e sem desprendimento de pó, facilitando a limpeza e não permitindo a entrada de roedores, aves, insetos ou quaisquer outros animais.
As instalações elétricas devem sofrer manutenção constante, sendo prioridade dos responsáveis pelo setor, a fim de evitar acidentes e curtos-circuitos. e o edifício deve solicitar um contrato de manutenção elétrica ou realizar vistorias periódicas nas instalações.

As instalações sanitárias devem ser apropriadas e não ter comunicação direta com as áreas de estocagem. Devem existir lavatórios e instalações sanitárias em condições de higiene perfeitas e separadas para uso do pessoal administrativo e para o pessoal da área de estocagem.

Principais atividades realizadas

Segundo Duranes e Gonçalves (2017) e Rosa e colaboradores (2006) principais atividades da CAF são:
  • Recebimento de medicamentos: examinar e conferir os medicamentos detalhadamente, acompanhados de suas notas fiscais, observando as informações contidas nas embalagens dos produtos, bem como seu documento de solicitação. O recebimento deve seguir a rotina descrita no manual de farmácia.
  • Estocagem: organização dos medicamentos em espaço pré- estabelecido, a fim de obter segurança e rapidez na retirada.
  • Segurança: proteção do medicamento armazenado, em especial contra danos físicos, furtos e roubos.
  • Conservação: manter a estabilidade dos medicamentos a fim de preservar as características físico-química.
  • Controle de estoque: registro de entrada, saída e estocagem de medicamentos. Elaborar relatórios gerenciais.
  • Entrega: medicamentos devem chegar ao paciente com a garantia de condições adequadas de acordo com a necessidade de cada item armazenado.
  • Além de receber requisições das unidades assistenciais e de dispensação promovendo a separação, distribuição e registro de saídas.

Organização interna

A organização interna da Central de Abastecimento Farmacêutico deverá constar de áreas que contemplem as necessidades do serviço, considerando o volume e tipos de produtos a serem estocados(BRASIL, 2001):

Tabela 2: Áreas da CAF
 
Área Descrição
Área administrativa Área destinada às atividades operacionais, que deve estar localizada, preferencialmente, na entrada, para melhor acompanhamento das ações e o fluxo de pessoas e produtos. Esta área deverá conter salas para escritório, vestiários, refeitórios, banheiros e demais áreas destinadas às atividades administrativas.
Área de recepção Área destinada ao recebimento e à conferência de produtos. Obrigatoriamente, deve ficar situada junto à porta principal e conter normas e procedimentos escritos e afixados na parede.
Área de estocagem
ou guarda
Dependendo dos tipos de produtos a serem armazenados e das condições de conservação exigidas, deve-se dispor de áreas específicas para estocagem de produtos de controle especial, tais como: área para termolábeis, psicofármacos, imunobiológicos, inflamáveis (os de grande volume devem ser armazenados em ambiente separado), material médico-hospitalar, produtos químicos e outros existentes. As áreas de estocagem devem estar bem sinalizadas, de forma que permitam fácil visualização das mesmas. A circulação, nesta área, deve ser restrita aos funcionários do setor.
Área de expedição Área destinada à conferência, organização, preparação e liberação dos produtos a serem distribuídos. Pode estar ou não no mesmo espaço físico da recepção, porém distintamente separadas, dependendo da dimensão da área física.
Área de produtos
rejeitados/interditados
Área destinada à guarda de materiais imprestáveis à distribuição, enquanto aguardam destinação específica.
 
É interessante também que sejam previstas ainda as seguintes áreas de armazenagem: (DURANES; GONÇALVES, 2017)
  • Área de armazenagem para materiais de embalagem e envase: Quando o Hospital realiza atividades de manipulação e/ou fracionamento.
  • Área de artigos médicos hospitalares
  • Área de saneantes
  • Área de Separação e Conferência: local para conferência do material antes de ser entregue às unidades solicitantes.
  • Área de Expedição: local de onde são enviados, para reposição ativa, ou entregues os materiais solicitados.

Figura 1: Modelo de disposição interna de prateleiras e estrados em uma Central de Abastecimento Farmacêutico. Fonte: Adaptado de BRASIL, 2006.

Não existe um padrão estabelecido que determine o tamanho adequado de uma CAF. No entanto, a área física disponibilizada deve ser adequada para conter os produtos a que se destina acondicionar, de maneira segura e organizada. Devem-se considerar fatores como a rotatividade e a periodicidade de movimentação dos produtos, o tempo da entrega de medicamentos pelos fornecedores, o sistema de distribuição (se centralizado ou descentralizado), a quantidade de equipamentos e recursos humanos, as áreas necessárias à funcionalidade do serviço (área administrativa, recepção/expedição) e áreas específicas de estocagem (BLATT, 2013).
 

Referências

BLATT, C. R.; CAMPOS, C. M. T.; BECKER,  I. R. T. Armazenamento e Distribuição de Medicamentos. Apostila, Santa Catarina, UFSC: 2013.
BRASIL. Ministério da Saúde.  Assistência Farmacêutica: instruções técnicas para a sua organização / Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Assistência farmacêutica na atenção básica: instruções técnicas para sua organização. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
DURANES, A.; GONÇALVES, M. Farmácia Hospitalar: Conceito, Objetivos, Atribuições, Estrutura Física e Sistemas de Distribuição de Medicamentos. Aula Residências Saúde, 2017.
RISSI, N. M. N. Gestão de Desvios Técnicos no Recebimento de Medicamentos na Central de Abastecimento Farmacêutico, 2011. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia Médica), UNESP, São Paulo.
SOUSA, A. M. Logística Hospitalar: a eficiência do processo de suprimento de medicamentos na rede pública hospitalar do Distrito Federal. 2011. Monografia (Bacharelado em Administração) -
Universidade de Brasília, Brasília.
TUMA, I.L.; CARVALHO, F.D.; MARCOS. J.F. Programação, Aquisição e Armazenamento de Produtos para a Saúde. In: NOVAES, M. R.C.G. et. al. Guia de Boas Práticas em Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde – SBRAFH. p. 149-190. São Paulo: Ateliê Vide o Verso, 2009. cap. 6.2.
 
64 Publicações - 2 Seguidores

Sou o Farmacêutico Concurseiro da Sanar! No meu blog você vai encontrar tudo sobre concursos, residências e sobre a carreira do farmacêutico no Brasil! Estamos melhorando aos poucos a sua experiência por aqui!

  • 64 Publicações