5 Publicações -

Como Estudar no Ciclo Clínico

há 1 ano     -     
Como Estudar no Ciclo Clínico

Como escrevemos anteriormente, estudar durante a graduação de Medicina pode ser desafiador. Falamos sobre o ciclo Básico, com técnicas para se manter motivado e aproveitar melhor essa fase tão temida do curso. Hoje vamos comentar sobre o momento em que começamos a nos inserir na prática clínica e aprender as bases do raciocínio médico.

Nos currículos tradicionais, isso se dá no 3º e 4º anos do curso, no chamado Ciclo Clínico. Esse é o período de grande aprendizado tanto teórico quanto prático, além de nos preparar para o Internato, fase na qual iremos vivenciar na prática de estágios.

Importância do Ciclo Clínico para a formação médica

Nesta fase do curso médico as matérias começam a ficar mais interessantes para quem gosta de clínica. Iniciamos com a Propedêutica ou Semiologia, que é onde aprendemos a fazer a história clínica (anamnese) e os passos do exame físico completo. Em seguida, começamos a ter aulas e estágios das diversas áreas médicas, que é o momento no qual, de fato, começamos a fazer hipóteses diagnósticas e a pensar nas melhores condutas para cada paciente!

 

Comunicação e Relação Médico-Paciente

Muito do aprendizado que as matérias do ciclo clínico nos proporcionam é prático e envolve ir conversar com os pacientes para treinarmos como fazer a anamnese de maneira eficiente com as perguntas adequadas.

 

No início essa é uma tarefa árdua. O aluno ainda não tem uma sistematização completa do raciocínio acerca de como obter uma boa história clínica. Por isso, no começo é muito comum sairmos do quarto do paciente e percebermos que deixamos de fazer alguma pergunta a ele. Além disso, tem o fator da timidez e a falta de hábito de conversarmos com pessoas não conhecidas, o que pode ser um ponto que dificulta ainda mais a anamnese!

 

Porém à medida que adquirimos experiência percebemos uma grande evolução em relação a essas dificuldades. A ordem e a relevância das perguntas durante a conversa com nossos pacientes começam a se tornar mais natural e também vamos nos acostumando com o ato de irmos falar com os mais variados tipos de pessoas.

 

Além disso, o ciclo clínico é o momento em que começamos a desenvolver habilidades que nos proporcionarão uma boa relação médico paciente. É nesse momento que devemos perceber a importância de uma boa comunicação e da empatia para que consigamos sempre tratar as pessoas com respeito. Mesmo ainda não sendo "responsáveis" pela conduta clínica dos pacientes com quem conversamos já podemos entender o processo pelo qual eles estão passando e refletir sobre como isso impacta suas vidas. Se já pensarmos nesses pontos desde a nossa iniciação na prática médica será muito mais fácil seguir colocando esses princípios em prática no futuro.

 

Raciocínio Clínico e Conhecimento Teórico

Além do desenvolvimento de habilidades de comunicação, sabemos que estudar a teoria também é necessário, especialmente para conseguir assimilar o conhecimento, entendendo o que acontece e não apenas decorar tabelas com associações de doença e sinais/sintomas.

 

O Ciclo Clínico é o momento em que todo aquele conhecimento do Ciclo Básico deve auxiliar no entendimento de como processos fisiopatológicos em nível molecular têm uma repercussão em grande escala no corpo humano. A extrapolação do microscópico para o macroscópico não é difícil para quem tem alguns conceitos básicos estudados nas matérias básicas. [Para dicas sobre Como Aproveitar o Ciclo Básico, não deixem de acessar nosso post publicado há algumas semanas no blog da E-Sanar]

 

Então, uma vez que entendemos a patologia de cada doença ou condição clínica separadamente, chega um momento em que temos conhecimento o suficiente para as juntarmos em grandes grupos e também comparar as diferenças entre elas. Quando isso acontece, nosso raciocínio clínico começa a se desenvolver em um ritmo exponencial. Começamos a pensar em por que o diagnóstico ser esse e não aquele outro. Começamos a entender que perguntas são importantes para diferenciar uma condição ou outra. Basicamente, aprendemos a base do que iremos fazer todos os dias se escolhermos trabalhar na prática clínica.

 

Dicas de Estudo no Ciclo Clínico

No geral, os estudantes possuem menos dificuldade de compreender as matérias do Ciclo Clínico quando comparado com as matérias que já tivemos anteriormente, principalmente pela grande aplicabilidade dos conhecimentos em situações práticas. Porém, mesmo assim, o conteúdo nessa fase da graduação é muito extenso e, muitas vezes, conseguir estudar tudo o que é visto se torna um grande desafio! 

 

Então, hoje vamos dar algumas dicas para você estudar de maneira eficiente, especialmente nessa época em que os graduandos costumam se dedicar a ligas, iniciações científicas e projetos extracurriculares.

 

?Como sempre falamos, crie uma rotina de estudos. Mesmo que participe de várias atividades extras, organize-se para separar alguns períodos dedicados aos estudos oficiais.

?Faça fichas-resumo dos principais diagnósticos sindrômicos (como Ascite, Dor torácica, Cefaléia, Abdômen Agudo etc) e quais as principais causas dentro desses grupos, além de seus sinais e sintomas. Isso ajuda demais a sistematizar seu aprendizado e é uma ótima forma de estudar para as provas e revisar sempre que quiser.

?Quando estiver passando em cada especialidade, após a introdução da Semiologia, nossa dica é seguir com os resumos dos diagnósticos principais. Sabendo esses pontos fundamentais, ficamos muito mais preparados para discutir casos clínicos e formular hipóteses diagnósticas.

?Busque livros com esquemas didáticos e casos clínicos para treinar desde cedo a interpretar exames, saber quais as condutas gerais em cada caso.

?Use recursos da internet, como vídeos e slides para entender a fisiopatologia, esse é um ótimo momento para você revisar assuntos vistos no Ciclo básico.  Isso porque por vezes, você vai ter que revisar alguns detalhes da anatomia e fisiologia para compreender as bases daquela doença e o porquê do tratamento ser de uma maneira ou de outra.

 

Como aproveitar Melhor essa Fase??

?Aproveite seu Hospital escola para visitar enfermarias e conversar com pacientes. Muitas vezes nós fazíamos isso no período livre e conseguimos ver muitos casos interessantes que estavam internados (e que não teríamos visto nas aulas)

?Sempre que conseguir leia o tema antes da aula ou discussão. Isso ajuda demais a aproveitar melhor esse momento. Muitas faculdades já cobram isso do aluno por meio de listas de exercícios, casos clínicos e atividades de metodologia ativa, mas se a sua instituição não for assim, faça a diferença em seus estudos buscando mais ativamente os conteúdos.

?Inscreva-se em sites de jornais médicos e de artigos para receber novidades sobre o mundo acadêmico, pesquisas sobre doenças prevalentes e mesmo para participar de Quiz sobre “Qual a doença?” a partir de fotos ou mini histórias.

 

Esperamos que tenham gostado do nosso texto, se tiverem dúvidas podem entrar em contato conosco! Até a próxima postagem =) 

 

Você está se preparando para a fase mais importante graduação médica?
 
Faça parte do curso online Pré-Internato e tenha acesso a aulas focadas em todos os desafios que você encontrará na prática clínica!
5 Publicações - 9 Seguidores

  • 5 Publicações