Dentística: 10 coisas que você precisa saber sobre resinas compostas

há 6 dias     -     
Dentística: 10 coisas que você precisa saber sobre resinas compostas

Uma das coisas mais comuns na dentística é a necessidade de restauração dental. Não à toa, esse é um assunto que aparece com frequência nas provas de concursos e residências na sua área, dentista. 
 
E nem precisamos dizer qual material é fundamental quando se quer restaurar os dentes, mudar sua forma, preencher cavidades causas pela cárie e até mesmo minimizar imperfeições do esmalte dentário. 
 
Mas precisamos, sim, trazer 10 coisas que você precisa saber sobre as resinas compostas. E tá fácil, viu? Pega um papel, uma caneta e vem com o sorriso aberto!
 
O que são resinas compostas
São materiais poliméricos constituídos por uma matriz orgânica reforçada por uma dispersão de vidros, cristais ou partículas de carga, sendo então esses dois componentes unidos por agentes de união, os silanos orgânicos. As resinas compostas são as mais utilizadas para restaurações diretas, tanto em dentes anteriores, como em posteriores, devido a suas características mecânicas e estéticas. Também promovem preparos extremamente conservadores, preservando estrutura dental sadia
 
Qual sua indicação
São indicadas para restaurações diretas, restaurações indiretas, selante de fóssulas e fissuras, núcleo de preenchimento, reconstruções dentais, facetas diretas e indiretas.
 
 
De que são compostas
São compostas por matriz orgânica, matriz inorgânica e um agente de união. Cada item está detalhado abaixo.
  • Matriz orgânica - É uma estrutura polimérica criada pela união dos monômeros dimetacrilatos por ligações lineares e um grande percentual de ligações cruzadas. Apresenta resistência satisfatória, rigidez e estabilidade, o que confere longevidade.
Tem como principal componente os monômeros, cuja função é fornecer as características manipulativas e físicas desejadas. O monômero mais utilizado é o BIS-GMA (bisfenol-A glicidil metacrilato), misturado a outros monômeros, em menores proporções, como UDMA (uretano dimetacrilato), TEGDMA (trietileno glicol dimetactrilato), BI-EMA (bisfenol hidroxietil metacrilato) e EGDMA (etilenoglicol dimetacrilato). Um inibidor de polimerização é incorporado à matriz orgânica para garantir vida útil mais longa ao material. Outro componente da matriz orgânica são os modificadores de cor, pigmentos inorgânicos que permitem ao material apresentar diferentes cores. O último elemento desse composto é o sistema iniciador e ativador, cujos agentes, quando ativados, desencadeiam a reação de polimerização das resinas compostas.
  • Carga inorgânica - Esse material é necessário para impedir a alta concentração de polimerização, o elevado coeficiente de expansão térmica e sorção de água, e propriedades físico-mecânicas insatisfatórias.
A carga inorgânica confere rigidez superficial e maior resistência à compressão e tração, aumentando a durabilidade e o desempenho clínico; reduz a contração de polimerização e a contração e expansão térmica; controla a viscosidade e as características de manipulação; diminui a absorção da água; alcança a radiopacidade com a incorporação de partículas de vidro que contêm átomos de metais pesados como bário, estrôncio e zinco.
  • Agentes de união - Esse elemento é responsável por unir quimicamente as partículas de carga à matriz orgânica de maneira estável, para que as resinas compostas apresentem um comportamento mecânico satisfatório.
O agente mais comumente utilizado é o silano, molécula bifuncional e anfótera que possui a capacidade de se unir quimicamente tanto a componentes orgânicos quanto a componentes inorgânicos. O uso dos agentes de união permite que a matriz polimérica, mais flexível, transfira tensões para as partículas de carga, que são mais rígidas, de modo que haja efetiva distribuição de tensões por toda a massa do material. 

 
Classificação por tamanho
As resinas compostas são classificadas pelo tamanho das partículas inorgânicas e sua porcentagem em volume. Podem ser macroparticuladas, microparticuladas, micro-híbridas e nanoparticuladas.
  • Macroparticuladas - São mais antigas e já não são mais oferecidas pelo mercado com a finalidade restauradora. Por outro lado, essa classificação segue a ser apresentada por motivos didáticos, para apresentar a evolução do material. Características: dificuldade de polimento, maior susceptibilidade ao manchamento, baixo coeficiente de expansão térmico-linear, baixa resistência mecânica;
  • Microparticuladas - Apresentam tamanho médio das partículas de sílica coloidal, o que confere ao material maior lisura superficial, embora possua extensa área de superfície relativa, acarretando na necessidade de grande quantidade de matriz orgânica para molhamento. Pequenas quantidades de sílica coloidal podem ser inseridas na matriz orgânica, para que não ocorra aumento exagerado na viscosidade do material. Características: melhor polimento da resina composta, alto coeficiente de expansão térmico-linear e maior susceptibilidade à sorção de água, baixa resistência mecânica;
  • Híbridas - Misturam dois tipos diferentes de partículas, a sílica coloidal e partículas de vidro. Características: lisura superficial satisfatória, altas propriedades mecânicas, semelhante às resinas de partículas pequenas, são resinas universais, podendo ser usadas tanto em dentes anteriores quanto em posteriores;
  • Nanoparticuladas - São resinas compostas com nanopartículas de sílica com diâmetro entre 1 e 80 nm, tratadas com um agente de união que forma grupamentos de até 75 nm. São partículas 10 vezes menores do que as resinas microparticuladas. Características: excelente polimento e brilho, alta propriedade mecânica.
 
Classificação por viscosidade
Esse material também pode ser classificado de acordo com sua viscosidade. Neste caso, segue a divisão baixa, média e alta viscosidade.
  • Baixa viscosidade - Esse tipo de resina é conhecido como flow ou fluidificada. A baixa viscosidade permite que essas resinas se espalhem mais facilmente em regiões de difícil acesso, sem aprisionamento de bolhas. Características: menor quantidade de carga, alteração da matriz resinosa (tipo e conteúdo), maior quantidade de monômeros diluentes, baixa resistência à compressão, redução do módulo de elasticidade; maior contração de polimerização; são indicadas em cavidades classe V, selante de fóssulas e fissuras, selamento das margens de restaurações, classe III pequena, base de restaurações de resina composta e até mesmo cimentação de lentes de contato cerâmicas;
  • Média viscosidade - São as resinas compostas convencionais;
  • Alta viscosidade - São resinas também chamadas de resinas compactáveis ou condensáveis. Surgiram para reproduzir pontos de contato e contornos proximais, além de facilitar a manipulação das resinas, ajudando na aderência da resina nas espátulas de inserção. Características: apresentam baixa estética, difícil polimento e maior rugosidade; possuem alto conteúdo de carga, melhores propriedades mecânicas, maior rugosidade superficial e difícil manipulação; são indicadas para dentes posteriores
 
Classificação por ativação
Outra classificação possível para as resinas compostas é quanto à forma de ativação. Aqui, elas se dividem em fotoativadas e quimicamente ativadas.
  • Fotoativadas - São ativadas por luz visível, em sua grande maioria luz azul. O iniciador dessas resinas é a canforoquinona, utilizada sozinha ou junto com outros tipos de fotoiniciadores, que, ao reagir com a amina terciária, formam radicais livres, iniciando a polimerização por adição. Permitem o controle do tempo de trabalho e o uso de diferentes cores;
  • Quimicamente ativadas - Representam a primeira forma de uso comercial da resina composta. São apresentadas em duas pastas, uma contendo o ativador (amina terciária) e outra contendo o iniciador (peróxido de benzoíla), que reagem entre si quando misturados, gerando radicais livres que darão início ao processo de autopolimerização.
 
Propriedades físicas
Possuem como propriedades físicas a contração de polimerização (aproximação dos monômeros de baixo peso molecular para formar cadeias mais longas de moléculas extensas), sorção de água e solubilidade em meio aquoso, radiopacidade e estabilidade de cor.
 
Propriedades mecânicas
As propriedades mecânicas das resinas compostas se relacionam com o grau de conversão da matriz orgânica e com o percentual de carga. São elas: resistência à compressão, resistência à flexão e módulo de elasticidade e resistência ao desgaste.
 
Avaliação de dureza
A dureza do material é relevante para que seja possível predizer o comportamento clínico de uma determinada resina composta. O teste de dureza mais empregado é chamado “microdureza Knoop”. Materiais com elevado conteúdo volumétrico de carga apresentam maior resistência à penetração, sendo maior sua microdureza.
 
Acabamento das resinas
O acabamento e o polimento das resinas compostas são passos fundamentais para aumentar a longevidade das restaurações. Se feitos de forma inadequada, acarretam rugosidade superficial e aumentam o desgaste, a instabilidade de cor e o acúmulo de biofilme, comprometendo o desempenho da restauração.
 
Que tal estudar mais detalhadamente outros assuntos de dentística com a coleção Manuais da Odontologia?



15 Publicações - 9 Seguidores

Sou o Dentista Concurseiro da Editora Sanar! No meu blog você vai encontrar tudo sobre concursos, residências e sobre a carreira do dentista no Brasil! Estamos melhorando aos poucos a sua experiência por aqui! Caso tenha alguma sugestão, pode falar com

  • 15 Publicações