3449 Publicações -

Dicas da Passinho: “E agora? Sou recém-formada(o) e não me sinto capacitada(o) para atuar na prática”

há 2 anos     -     
Dicas da Passinho: “E agora? Sou recém-formada(o) e não me sinto capacitada(o) para atuar na prática”


A graduação é um período de muitas descobertas e amadurecimento. Para muitos, é o momento de liberdade, de morar sozinho, de ir para as festas e não dar satisfação para ninguém. Mas para nós, profissionais de saúde, a graduação geralmente é carregada de sentimentos que variam desde a expectativa e a fascinação com os novos conhecimentos a respeito do corpo humano, até o sofrimento por sentir-se incapaz de exercer a profissão após a colação de grau.

McEwen e Wills (2016) relataram que, até recentemente, a enfermagem era vista como uma ocupação e não como uma PROFISSÃO. Isso ocorria, pois, os serviços executados pelos enfermeiros (eminentemente PRÁTICOS) eram percebidos como uma extensão daqueles prestados pelas esposas e mães. E, além disso, a enfermagem ainda é vista como subserviente à medicina. Diante disso, demoramos para conseguir identificar e organizar o conhecimento profissional. Isso acarreta em uma baixa autoestima dos enfermeiros, claramente observada nas instituições de saúde.

A enfermagem tem um compromisso social de prestar atendimento de saúde às pessoas nas diferentes etapas do continuum saúde-doença (McEWEN; WILLS, 2016). Apesar das dificuldades relacionadas à sobrecarga de trabalho e a necessidade de duplo vínculo aliados aos baixos salários, a cada ano, mais e mais enfermeiros são diplomados e, uma grande maioria, se questiona: Será que vou conseguir lembrar de tudo que aprendi durante a minha atuação na prática? E o que eu não aprendi? Como vou me inserir no mercado de trabalho? E agora que consegui ser contratada/aprovada em uma/um seleção/concurso público, como vou exercer a minha prática?

Para tentar entender mais um pouco a respeito das dificuldades e inseguranças que vivenciamos ainda nos dias de hoje, lançarei aqui um passo a passo para ajudar você enfermeira/enfermeiro que se formou há pouco tempo e está vivenciado um misto de sentimentos: insegurança teórico-prática, medo do desemprego e medo de errar.

1º descubra qual é a sua área de afinidade

A enfermagem possui vários campos de saber. Ninguém consegue saber tudo a respeito de tudo rs, isso é normal. Na graduação, já conseguimos identificar o que mais gostamos e o que não gostamos. Siga seus desejos e busque se concentrar em uma área específica. Você gosta muito de atuar na saúde coletiva? Na pediatria? Em obstetrícia? Emergência? Terapia Intensiva? Gestão? Ótimo! Tenha seu foco em se capacitar para essa área. Faça uma BOA pós-graduação (se puder ser uma residência multiprofissional, melhor ainda) e cursos de capacitação que irão te ajudar com revisões a respeito da sua área de interesse.

Para quem gosta das atuações clínicas e de emergência, existem vários cursos de imersão (duram 2 dias inteiros) com simulação realística. Você consegue obter bastante conhecimento teórico e ainda treina na prática com os bonecos. Pesquisem a respeito do Pre-hospital Trauma Life Support – PHTLS; Advanced Trauma Care for Nurses – ATCN; Treinamento de Emergências Cardiovasculares Avançado – TECA A; Advanced Cardiovascular Life Support – ACLS; Advanced Life Support in Obstetrics – ALSO; Basic Life Support – BLS; e Ventilação Mecânica para Adultos Baseado em Simulação – VMSim.

2º estude sobre o que você não sabe

Nossa profissão tem muito conhecimento a ser aprendido e, muitas vezes, a graduação não dá conta de detalhar tudo da maneira como deveria ser. Diante disso, várias vezes nos formamos sem saber o que deveríamos para nossa atuação prática. Sua disciplina de farmacologia foi muita rápida e superficial? Em fundamentos de enfermagem você não conseguiu ter a oportunidade de executar todos os procedimentos? Na de emergência você não presenciou nenhuma parada cardiorrespiratória? Calma!!! Não fique aflita(o)! rs. Agora que você se formou, vai ter que correr atrás do prejuízo.

Se sua maior dificuldade é em farmacologia, compre um bom livro e estude! Eu, pessoalmente recomendo o Rang e Dale - 8ª edição; o Goodman e Gilman – As Bases Farmacológicas da Terapêutica; e o Farmacologia – Penildon Silva). Se for em fundamentos de enfermagem, recomendo o “Procedimentos e Intervenções de Enfermagem” – 5ª ed, de Potter, Perry e Elkin; Para emergência, recomendo o “Emergências Clínicas” da USP; Condutas no Paciente Grave – Knobell; Atendimento Pré-hospitalar ao Traumatizado – PHTLS; e ACLS – Suporte Avançado de Vida em Cardiologia, de Barbara Aehlert.

Aí você me diz: tudo bem Renata, comprarei o livro para estudar, mas como vou saber realizar o procedimento se nunca vi?
Galera, o youtube está aí para nos ajudar a estudar também! Se você nunca teve a oportunidade de puncionar um acesso venoso ou de passar uma sonda (nasoenteral, nasogástrica, vesical de alívio ou de demora) dê uma procurada lá e com certeza você irá encontrar a demonstração CORRETA (compare com a literatura científica) desses procedimentos.
Já que você não tem todo o tempo disponível para estudar como na época da graduação, foque no que você não sabe!
Otimize seu tempo!

3º seja humilde e peça ajuda

A vida de qualquer enfermeiro recém-formado é complicada. Lutamos por uma vaga no mercado de trabalho e passamos a vida todo estudando para sempre atuarmos de acordo com as mais recentes evidências científicas. Por isso, minha amiga/meu amigo, quando você nunca tiver realizado um procedimento de enfermagem, peça ajuda ao seu colega de trabalho mais experiente. Você é OBRIGADO a saber a teoria (qual o objetivo e a indicação do procedimento, quais os materiais necessários, quais os riscos para o paciente, quais as possíveis complicações, qual é o passo a passo da técnica). E para saber a teoria, você precisa ESTUDAR (não existe fórmula mágica). Mas, a destreza é adquirida com o tempo. Então, chame seu colega no plantão e informe que aquela será a primeira vez que você irá realizar o procedimento, com certeza ele irá te auxiliar.

4º tenha orgulho de ser enfermeira/enfermeiro!

Com certeza você se preparou na graduação para, além de ter uma profissão, ser reconhecido e recompensado pelo seu trabalho. Entenda, NENHUM SERVIÇO DE SAÚDE funciona sem a enfermagem!! Somos o coração e o cérebro das organizações! Nós é que cuidamos das pessoas em todos os sentidos: educativos, curativos e sociais. Por isso, VALORIZE SUA ATUAÇÃO! RECONHEÇA SUA IMPORTÂNCIA! Sem você, não há saúde no Brasil. Lógico que trabalhamos em uma equipe multiprofissional, mas, pense comigo: somos a maior categoria de profissionais de saúde do Brasil, sempre estamos em maior número. Por que será? Isso se dá pela relevância da nossa atuação. Então, já que sua presença é tão importante naquele espaço, comece a reconhecer o seu valor e busque cada vez mais capacitação na área que você escolher.
Ah! Outra coisa importante: NÃO TENHA MEDO DE MUDAR O CAMINHO!

Se você achava que amava a neonatologia e ao atuar na prática descobriu que gostaria mais de trabalhar com saúde do adulto, capacite-se e mude de área. A vida é complexa e mudamos o tempo todo. Faça sempre o que te faz feliz ao final do dia, com a sensação de dever cumprido.

Espero ter ajudado um pouquinho a sanar as angústias de vocês, meus queridos colegas, que estão saindo da graduação agora.

Abraços e até mais!

Referência: McEWEN, M; WILLS, E. M. Bases Teóricas para a Enfermagem. 4ªed. Porto Alegre: Artmed, 2016.  


Renata Passinho é Mestranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Enfermeira da Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB. Enfermeira intervencionista do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192). Especialista, sob a forma de residência, em Saúde Materno Infantil pela Universidade Federal da Bahia - UFBA e em Gestão de Emergências em Saúde Pública pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês. Certificada pela Society of Trauma Nurses no curso oficial Advanced Trauma Care for Nurses - ATCN, indicada como instrutora em potencial e aprovada como instrutora trainee na Escola de Educação Permanente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - HCFMUSP. Certificada pela Sociedade Brasileira de Cardiologia no curso oficial Treinamento de Emergências Cardiovasculares Avançado - TECA A. Docência em enfermagem (graduação, pós-graduação, cursos preparatórios para Residências em Saúde, aperfeiçoamento profissional em urgência e emergência e concursos públicos). Coordenadora e autora de livros de enfermagem para residências multiprofissionais e concursos públicos pela Editora Sanar.
3449 Publicações - 0 Seguidores

  • 3449 Publicações