Sistema de Distribuição de Medicamentos: tudo que você precisa saber

há 7 meses     -     
Sistema de Distribuição de Medicamentos: tudo que você precisa saber


Os sistemas de distribuição de medicamentos são alguns dos temas mais cobrados em provas de concursos para farmacêuticos. Nesse artigo vamos levá-lo através dos tipos de sistema, suas características, vantagens e desvantagens, aspectos administrativos e econômicos, além de falar sobre o papel do farmacêutico em cada um.

De acordo com MAIA NETO (1990, p. 28), “um sistema de distribuição inclui os seguintes processos: compras, controle de estoque, armazenamento e controle de qualidade, pessoal e uma série de qualidade do mesmo”.
Os medicamentos tem importância vital no tratamento da maioria das doenças, portanto é necessário que o hospital mantenha um adequado sistema de distribuição, buscando assim garantir que o paciente receba o(s) medicamento(s) de acordo com a prescrição médica.

Mas antes de abordarmos os tipos de sistemas, vamos responder a algumas perguntas norteadoras da discussão:


Mas, como DEVE ser um sistema de distribuição de medicamentos e quais seus objetivos?

O sistema deve ser racional, eficiente, econômico, seguro, além de estar de acordo com o esquema terapêutico prescrito.

Um sistema eficaz eleva as chances de sucesso da terapêutica e da profilaxia instauradas no hospital. O sistema escolhido para ser implantado no hospital pelo profissional farmacêutico deve seguir alguns critérios, de acordo com os aspectos relacionados a seguir:


 ASPECTOS ADMINISTRATIVOS

A racionalidade e eficácia na distribuição, estão diretamente relacionadas com o envolvimento do setor de compras. Também é importante envolver os seguintes aspectos: o controle de estoque, a padronização, o envolvimento de recursos humanos treinados e capacitados para o exercício das funções e o controle da qualidade de todos os processos abordados. É necessário e fundamental que todas as áreas do hospital sejam atendidas.


ASPECTOS ECONÔMICOS

Uma das funções do farmacêutico é estar atento às condições econômicas vigentes no país, já que os hospitais sofrem interferências tanto da política econômica nacional como da sua própria economia. Portanto, o farmacêutico deve se preocupar com custos e receita.

Em alguns hospitais ainda é comum que os administradores contratem profissionais menos especializados e menos experientes, pois consideram como uma vantagem no aspecto econômico.

Devido a isso, muitas vezes a administração prefere contratar dois profissionais menos qualificados e mais “baratos” para a empresa, ao invés de um profissional mais qualificado. Contudo, muitas empresas perceberam que esta não é a melhor opção, pois, com o passar do tempo, uma mão-de-obra mais barata pode trazer gastos muito maiores ou até mesmo erros graves para o hospital e/ou para a vida dos pacientes.


 OBJETIVOS DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS SEGUNDO A ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE

1. Reduzir erros de medicação: os principais erros são na transcrição da prescrição, na via de administração, na forma farmacêutica e falha no planejamento terapêutico.

2. Racionalização da distribuição: facilitando a administração dos fármacos através de uma dispensação ordenada, segundo horários e pacientes, em condições adequadas para a pronta administração dos medicamentos pela enfermagem.

3. Aumentar o controle sobre os medicamentos: para isso o farmacêutico deve ter acesso às informações sobre o paciente (idade, peso, diagnóstico, medicamentos prescritos), para poder melhor avaliar a prescrição médica e monitorização da farmacoterapia. Estas informações podem alertar para possíveis reações adversas, interações medicamentosas, melhores horários de absorção de determinados medicamentos e, até mesmo, para o não cumprimento do plano terapêutico.

4. Reduzir os custos com medicamentos: para cumprir este objetivo, o ideal é que a dispensação seja diferenciada por paciente e para um período de 24 horas. Desse modo, os custos de estoque e os gastos com doses excedentes serão reduzidos naturalmente, além de ocorrer melhora do controle de estoque e faturamento.

5. Aumentar a segurança para os pacientes: este item depende do cumprimento dos objetivos anteriores: adequação da terapêutica, redução de erros, racionalização da distribuição e aumento de controle de medicamentos e materiais.


Leia todos os nossos artigos técnicos!


TIPOS DE SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

Os sistemas de distribuição de medicamentos podem ser classificados nos seguintes tipos:



No momento de escolher o sistema que mais se adapta às condições do hospital, é fundamental conhecer o fundamento de cada um deles.

É importante ressaltar que o sistema escolhido depende do setor e dos pacientes que receberão os medicamentos, por exemplo: no setor de internação o sistema de dose unitária é o mais eficaz, mas não para o centro cirúrgico.

Abaixo apresentaremos as principais informações sobre os tipos de sistema de distribuição.

Sistema Coletivo:

Este é um sistema que apresenta muitas desvantagens, nele a farmácia tem participação mínima no processo, gerando consequências negativas para o hospital e o paciente.

O sistema acontece da seguinte maneira:

1. O médico faz a prescrição;

2. A enfermagem transcreve as prescrições, reunindo as de todos os pacientes;

3. O pedido é encaminhado em nome da unidade (ou setor) apropriada;

4. A farmácia separa materiais e medicamentos em suas embalagens originais;

5. A enfermagem recebe o pedido e armazena os itens na enfermaria;

6. A enfermagem separa o pedido por paciente e por dose e a administra.


 VANTAGENS:
  • Fácil acesso aos medicamentos para uso imediato;
  • Poucas requisições à farmácia;
  • Não é necessário investimento inicial
  • Recursos humanos e infraestrutura da farmácia reduzidos;

DESVANTAGENS:
  • O farmacêutico praticamente não participa da equipe de saúde;
  • Ocorrem mínimas atividades de devolução à farmácia;
  • Mais erros de medicação (doses, formas farmacêuticas, horários de administração etc);
  • Perdas econômicas devido a falta de controle como: estoques espalhados pelo hospital; perda do medicamento por validade; acondicionamento não adequado dos medicamentos;  facilidade de desvio e/ou troca de medicamento de um paciente para outro; possibilidade de contaminação; tempo excessivo gasto pela enfermagem para separar a medicação, consequentemente diminuindo o tempo em que a equipe poderia dar assistência aos pacientes.

Desse modo, a falta de investimento, que pode parecer uma vantagem, acaba provocando custos indiretos que podem ser irreversíveis do ponto de vista tanto econômico como técnico, comprometendo a qualidade, o controle e a segurança do esquema terapêutico oferecido ao paciente.


Sistema Individualizado

Esse sistema possui algumas vantagens a mais do que o anterior, contanto que o farmacêutico participe do processo. Contudo, ainda há falhas a serem sanadas.

Confira a baixo o passo a passo do sistema:

 1. O médico faz a prescrição em duas vias (sistema individualizado direto, no qual a farmácia tem acesso à prescrição) ou prescreve em apenas uma via e a enfermagem a transcreve (sistema individualizado indireto, no qual a farmácia não tem acesso à prescrição médica);

 2. A farmácia recebe a prescrição médica (ou a cópia transcrita pela enfermagem);

3. A farmácia separa os materiais e medicamentos por paciente e leito (para um período de 24 horas), sela os medicamentos e dá baixa no estoque dos medicamentos separados;

4. O farmacêutico confere a prescrição e a separação dos itens, antes de encaminhá-los ao setor;

5. A enfermagem recebe as tiras seladas, contendo os medicamentos, e separa a dosagem a ser administrada ao paciente;

6. Depois de 24 horas, a enfermagem faz a devolução dos medicamentos não administrados.


VANTAGENS:
  • Os estoques periféricos dos setores são reduzidos;
  • A medicação é separa para um período 24 horas;
  • O sistema individualizado direto faz com que ocorra diminuição do número de erros quanto à medicação, pois se tem acesso à prescrição médica;
  • O que não foi utilizado pode ser devolvido a farmácia;
  • A enfermagem gasta menos tempo separando os medicamentos;
  • O farmacêutico atua está presente.


DESVANTAGENS
  • Ainda ocorrem erros com medicamentos;
  • A enfermagem precisa separar as dosagens por paciente, gastando assim um tempo que poderia ser de assistência ao paciente;
  • Ausência de controle efetivo do estoque e faturamento.

O sistema individualizado representa um avanço na conquista de garantia e segurança quanto à prescrição. Devido a isso, muitos farmacêuticos realizam esse sistema antes de implantar a dose unitária(será descrito a seguir).


Sistema de Dose Unitária

A dose unitária é considerada o melhor sistema de distribuição de medicamentos aos pacientes internados, pois garante todos os objetivos de acordo com o esquema terapêutico prescrito.

A medicação é dispensada unitariamente, nas doses certas, acondicionados em tiras plásticas lacradas com o nome e o leito do paciente, além de conter o horário de administração ao paciente. Desse modo, a medicação é encaminhada ao paciente certo, na dose certa, no horário certo.

Esse sistema tem como principais objetivos:
  • Racionalizar a terapêutica, reduzindo custos sem diminuir a qualidade da dispensação;
  • Garantir que paciente receba os medicamentos prescritos de forma segura e higiênica, garantindo a eficácia do esquema terapêutico prescrito.

Segue abaixo o fluxograma do sistema de dose unitária:

1. O médico faz a prescrição;

2. A enfermagem encaminha a prescrição médica, em cópia por carbono, xerox ou fax , para a farmácia;

3. A farmácia faz a triagem (análise dos horários de administração dos medicamentos, quantidade, doses etc.) da prescrição;

 4. O farmacêutico analisa a prescrição;

5. O auxiliar de farmácia prepara a dose unitária;

6. O farmacêutico confere o trabalho do auxiliar;

7. As tiras de medicamentos são encaminhadas à enfermagem, por um mensageiro;

8. A enfermagem recebe as tiras de cada paciente, confere a medicação e a administra.


Para garantir o funcionamento desse sistema, alguns pontos importantes devem ser observados:

• Antes de ser implantada, a dose unitária precisa ser muito bem planejada, buscando reduzir o número de ações corretivas no final do processo;
 • Todos os colaboradores envolvidos devem ser treinados para o processo: médicos, enfermagem, auxiliares de farmácia, membros da administração etc.;
• É fundamental que o farmacêutico faça a última conferência das tiras lacradas, antes de encaminhá-las à enfermagem para que possa realizar a análise da prescrição, garantindo dosagens corretas, diminuição de interações medicamentosas e adequação do horário de melhor absorção dos medicamentos ao paciente;
• Os profissionais de farmácia e enfermagem devem trabalhar juntos para que o maior beneficiado seja o paciente;
• A enfermagem deve conferir as tiras logo após o envio pela farmácia. E em caso de erro, deve-se notificar a farmácia ainda com as tiras lacradas, para que a correção seja feita o mais rápido possível;
• Os medicamentos psicotrópicos podem ter dispensação diferenciada na própria tira ou em tira separada. É importante sempre seguir as normas da Portaria n. 344/98 da Vigilância Sanitária (portaria vigente), seguindo-se receituário médico ou até mesmo a própria prescrição, devidamente assinada, legível e com CRM do respectivo prescritor, de acordo com a autorização da vigilância sanitária do município.


VANTAGENS
  • Ausência de estoques periféricos;
  • Redução da probabilidade de erros de medicação;
  • Atuação efetiva e dinâmica do profissional farmacêutico;
  • Maior devolução dos medicamentos não administrados à farmácia;
  • Redução do tempo gasto pela enfermagem para separar medicação;
  • Redução de custos com medicamentos pelo maior controle de estoque e faturamento;
  • Medicação dispensada em doses organizadas e higiênicas;
  • Maior segurança para o médico, para a enfermagem e, sobretudo, para o paciente;
  • Funcionamento dinâmico da farmácia.

DESVANTAGENS
  • Aumento de recursos humanos e infraestrutura da farmácia;
  • Investimento necessário ao início do sistema;
  • Aumento das atividades na farmácia;
  • Aquisição de materiais e equipamentos especializados.

É importante que o sistema de dose unitária seja visto como uma linha de produção, na qual todos os passos são minuciosamente acompanhados, controlados e conferidos pelo farmacêutico, para garantir a eficiência operativa e a segurança do paciente.


 
REFERÊNCIAS

COIMBRA, J.A.H.; VALSECHI, E.A.S.de S.; CARVALHO, M.D.de B.; PELLOSO, S.M. Sistema de distribuição de medicamentos por dose unitária: reflexões para a prática da enfermagem. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1076.pdf.  Acesso em 06/04/2019.

CAVALLINI,M; BISSON,M. Farmácia Hospitalar: um Enfoque em Sistemas de Saúde. 2edição, 2010.

Comissão de Farmácia Hospitalar 2012.Curso de Atualização Atualização em  Boas Práticas Práticas de Farmácia Hospitalar. Disponível em: <http://crfpr.org.br/uploads/noticia/8671/Aula_Sistemas_de_Distribuicao_Modulo_3pdf>Acesso em: 10/04/2019.

 


67 Publicações - 2 Seguidores

Sou o Farmacêutico Concurseiro da Sanar! No meu blog você vai encontrar tudo sobre concursos, residências e sobre a carreira do farmacêutico no Brasil! Estamos melhorando aos poucos a sua experiência por aqui!

  • 67 Publicações