Formas Farmacêuticas | Tudo o que você precisa saber

há 4 semanas     -     
Formas Farmacêuticas | Tudo o que você precisa saber


A farmacotécnica é a área de responsabilidade dos farmacêuticos, que tem compreende a manipulação dos princípios ativos e outras substâncias necessárias para a fabricação de medicamentos. A seleção da forma farmacêutica ideal é um parâmetro de grande relevância para a qualidade farmacotécnica de um medicamento.
 
A manipulação de medicamentos tem como objetivos o uso racional, evitando perdas e desperdícios, o ajuste de dose, de acordo com as necessidades clínicas dos pacientes, como também promover maior facilidade na administração de medicamentos, para atender as especificidades de cada paciente.
 
Por esses motivos, as formas farmacêuticas são selecionadas com base na via de administração requerida, bem como em critérios como estabilidade físico-química do princípio ativo, entre outros.
 
Conceitualmente, a forma farmacêutica é a forma final em que se apresenta o medicamento ao paciente, depois de uma série de operações farmacêuticas realizadas com o princípio ativo e os excipientes adequados, ou sem os excipientes também, com o objetivo de atingir o sucesso terapêutico de acordo com a via de administração mais adequada.
 
Aqui, vamos levá-lo através dO universo das formas farmacêuticas, olhando para suas principais vantagens e desvantagens, bem como suas especificidades.
 
Mas antes para entender melhor, vamos dividi-las em três grandes grupos:



Dentre as preparações líquidas destacamos as soluções que são compostas por uma ou mais substâncias dissolvidas em um determinado solvente ou mistura de solventes miscíveis entre si que seja adequada.
As soluções podem ser ainda classificadas como xaropes e elixires.
 
  • Xaropes - São preparações aquosas com altas concentrações de açúcar ou algum adoçante substituto, podem conter flavorizantes, que são agentes que confere um aroma característico à formulação e o princípio ativo. Os xaropes podem ser simples, flavorizados e sem açúcar.
 
  • Elixires – São preparações hidroalcoolicas, que são mistura contendo de 20% a 50% de álcool. São edulcorados e flavorizados, além disso quase sempre contém propilenoglicol, glicerina e xaropes nas formulações. São menos viscosos e doces que os xaropes. Os elixires podem ser medicamentosos ou não.
 
As principais vantagens das preparações líquidas são a facilidade na administração, a rápida absorção e a facilidade para o ajuste de dose.  Como desvantagens destacamos a maior susceptibilidade à contaminação e alterações físico-químicas, devido ao maior teor de umidade entre outros fatores, além disso há maior dificuldade   para suavizar ou mascarar odor e sabor indesejáveis.
 
As Suspensões são preparações líquidas que contém o princípio ativo em partículas finamente divididas e distribuídas uniformemente em um veículo onde o fármaco apresenta uma mínima solubilidade.
As suspensões podem ser administradas pelas vias oral, parenteral e tópica.
 
As principais vantagens das suspensões são a possibilidade de empregar princípios ativos insolúveis em veículos mais comuns, além da maior estabilidade se comparadas às soluções, bem como melhor odor e sabor.
 
As emulsões são dispersões de duas fases de uma mistura não miscíveis entre si,  que com o auxílio de um agente tensoativo, um emulsionante, são capazes de formar um sistema homogêneo.
As emulsões podem ser administradas pelas vias oral, parenteral, intramuscular, intravenosa e tópica.
 
As emulsões podem ser de quatro tipos:
  • Óleo/água – Formulação de óleo disperso em água, esse é o tipo de emulsão mais utilizada.
  • Água/óleo – Formulação de água dispersa em óleo, é comumente empregada em produtos cosméticos devido à sua maior espalhabilidade.
  • Emulsões múltiplas – Formulações com propriedades mistas, tanto óleo/água quanto água/óleo, por isso formam sistemas óleo/água/óleo e água/óleo/água.
  • Microemulsões – Formulações compostas por partículas finamente divididas elaboradas com altas concentrações de emulsionantes, o que garante uma propriedade de alta permeabilidade cutânea.
 
As formas farmacêuticas sólidas podem ser classificadas em cápsulas, drágeas, comprimidos, grânulos, supositórios e pós.
As cápsulas são formas compostas por um envoltório comestível, que normalmente é à base de gelatina. Dentro desse envoltório, está princípio ativo. As cápsulas são administradas por via oral.
As principais vantagens são a facilidade na liberação e administração do fármaco, melhor conservação e apresentação, além de permitir a prescrição personalizada e maior velocidade na execução da formulação. Já entre as desvantagens, destaca-se que não pode ser cortado/partido, além de ser inviável para fármacos muito solúveis, como também a limitação de uso para crianças e idosos devido ao tamanho da cápsula. Deve ser armazenada em condições de temperatura e umidade adequadas.
 
Podem ser classificadas em cápsulas moles, duras, gastrorresistentes e de liberação controlada.
 
As drágeas são formas farmacêuticas em que o princípio ativo está em um invólucro constituído por diversas substâncias, como resinas, gelatinas, gomas, açúcares, ceras. São chamados também de comprimidos revestidos.
 
As principais vantagens são a estabilidade físico-química, facilidade na administração, a possibilidade de proteger princípios ativos facilmente oxidáveis além de viabilizar a desintegração entérica. Como desvantagens temos a dificuldade na preparação, o alto custo, e a impossibilidade de ajuste de dose.
 
Os comprimidos são preparações sólidas obtidas pela compressão de princípios ativos secos. Podem apresentar vários formatos, como ovais, cilíndricos, redondos, entre outros.
 
As principais vantagens são a facilidade na execução da preparação, o baixo custo, melhor estabilidade físico-química, além da facilidade na administração, a precisão na dosagem. E entre as desvantagens tem-se a impossibilidade de ajustar a dose no produto final.
Podem ser de vários tipos: revestidos por películas, com revestimento entérico, de liberação controlada, efervescentes, sublinguais, mastigáveis, entre outros.
 
Os grânulos são preparações que apresentam formato de grãos ou grânulos irregulares. Podem ser administrados diretamente ou de serem utilizados em formulações.
 
Os supositórios e os óvulos possuem formato cônicos ou ogivais, para aplicação retal e vaginal, respectivamente. São usados em substituição à via oral, no caso de lesão na mucosa do trato gastrointestinal ou quando o paciente apresenta quadro de vômito ou dificuldade de deglutição.
 
Os pós são preparações para uso externo e interno. São compostos por uma mistura de fármacos finamente divididos e secos. Podem ser classificados em simples, quando derivados de uma droga ou em compostos quando derivados de uma mistura de duas ou mais drogas.
 
As principais vantagens são a facilidade na absorção devido à maior superfície de contato, a ausência de umidade que melhora a conservação, facilidade no transporte e armazenamento. Já entre as desvantagens destacamos o sabor que pode ser desagradável, a dificuldade na deglutição, a impossibilidade de usar outras vias de administração além da oral e da tópica.
 
As formas farmacêuticas semissólidas incluem  as pomadas, os cremes e as pastas.
As pomadas são preparações de consistência pegajosa e macia, monofásica, empregadas para uso externo.
 
Os cremes são formulações com excipientes emulsivos (óleo/água ou água/óleo), para uso externo, podendo conter um ou mais princípios ativos. São chamados também de emulsões de alta viscosidade.
 
As pastas são preparações compostas por pós finamente dispersos numa proporção que varia de 20% e 60%, sendo mais firmes e espessos que as pomadas e menos gordurosas também. As pastas são aplicáveis para uso externo.

CONFIRA NOSSO MAPA MENTAL SOBRE FORMAS FARMACÊUTICAS




 



43 Publicações - 1 Seguidores

  • 43 Publicações