Febre Amarela

há 1 ano     -     
Febre Amarela
 

Caso Clínico

Liga de Anatomia Clinica e Cirúrgica da Bahia - LACCIB

História Clínica

 
A.C.S.R, sexo masculino, 47 anos, branco, casado, natural e residente de Ituaçu- BA, agricultor e empresário no setor cafeeiro. Procurou o serviço de atenção básica em seu município queixando-se de febre e dor de cabeça intensa, pulsátil e súbita há 3 dias.

Além disso, relatou vômitos frequentes- quatro vezes nas últimas 48 horas-, antecedidos por náuseas. Refere mialgia, artralgia e cefaleia, de intensidade moderada, aproximadamente (6/10), sem irradiações e sem fatores de melhora.  Os sintomas apresentados apareceram de forma súbita.

 

Paciente relata que há duas semanas viajou à trabalho para a região do Vale do Mucuri- MG, passando por várias cidades do Estado, e hospedando-se na cidade de Ladainha. Relata que visitou cachoeiras e lugares de turismo local na mata, além de alimentar-se de algumas comidas típicas da região, como o feijão tropeiro.

Relata que fez uso de paracetamol (2 comprimidos de 500mg) no dia anterior por conta própria, para melhorar os sintomas de dor e febre. Nega uso de outros medicamentos.

 

Nega alcoolismo e tabagismo. Desconhece o seu calendário vacinal.

 

Exame Físico

Paciente em bom estado geral, alerta, vigil, orientado em espaço e tempo. Refere fraqueza para deambulação, alegando mialgia e artralgia. Paciente aparenta palidez e leve icterícia ocular, turgor e elasticidade da pele diminuídos.

Sinais vitais

FC: 57 bpm; FR: 14 ipm; PA: 100 x 50 mmHg, Temperatura: 37,5ºC.

 

Cabeça e pescoço

Cefaleia de intensidade moderada (6/10), esclera ictéricas (++/4), linfonodos (submandibulares e submentonianos) discretamente palpáveis sem sinais de malignidade.

Sistema Nervoso

Nada digno de nota.

Sistema Respiratório

Tórax simétrico com expansibilidade preservada, frêmito toracovocal normal, som claro pulmonar à percução, murmúrio vesicular preservado sem roncos ou sibilos.

Sistema Cardiovascular

Tórax simétrico sem abaulamentos, ictus cordis palpável em 5º espaço intercostal linha médio-clavicular esquerda, bulhas rítmicas e normofonéticas em dois tempos sem sopros. Pulsos simétricos de amplitude normal.

-----Gostando do caso? Discuta com a gente nos comentários!---- 

Abdome

Abdome plano, sem lesões de pele, cicatrizes, circulação colateral ou herniações. Pulsações arteriais e peristalse não identificáveis à palpação. Peristalse normal, presente nos quatro quadrantes e ausência de sopros em focos arteriais abdominais à ausculta.

Hepatimetria medindo cerca de 10 cm (lobo direito) e 6 cm (lobo esquerdo). Traube livre. Abdome timpânico. Fígado e baços palpáveis. Dor na região epigástrica graduada em 4/10, sem visceromegalias e sinais de irritação peritoneal.

Membros

Mialgia e artralgia(6/10),  principalmente em grandes articulações.

 

Exames Complementares

 

  

    •  
    • Pontos de discussão
    • ·Pela história da moléstia atual, exames físicos e exames complementares qual a suspeita de diagnóstico
    • ·         Quais os diagnósticos diferenciais?
    • ·         Quais os demais sinais e sintomas que o paciente pode apresentar?
    • ·         Quais as fases que a determinada patologia pode se apresentar?
    • ·         Qual o tratamento indicado para este paciente?

    Discussão

    O diagnóstico do paciente A.C.R.S. é dado pelos exames laboratoriais, nos quais são observados leucopenia, linfocitose e plaquetopenia acentuadas nas formas graves, porém em casos assintomáticos ou oligossíntomáticos o hemograma pode ser normal. Além desses achados, observam-se taxas elevadas das aminotransferases, alterações nos fatores de coagulação (principalmente protrombina, fator VII e tromboplastina), diante disto, o paciente apresenta tempo de coagulação alterado, logo, uma maior vulnerabilidade a hemorragias. Além do hemograma, a análise urinária pode apresentar bilirrunúnia, evidenciando a insuficiência hepática; hematúria; proteinúria acentuada, com valores acima de 500 mg/100mL de urina. A manifestação dos sinais e sintomas não é motivo suficiente para se desconfiar diretamente de Febre amarela, logo, temos como diagnósticos diferenciais a leptospirose, malária, hepatites virais, febre tifoide, mononuclease infecciosa, septicemias, púrpura trombocitopênica e acidentes por animais peçonhentos.

    O paciente que se encontra com esta afecção, pode apresentar-se com congestão conjuntival, astenia, episódios hemorrágicos como epistaxe, hematêmese e melena, insuficiência hepatorrenal e o sinal de Ferget, que é a diminuição da pulsão acompanhada do aumento da temperatura.

    A febre amarela pode se manifestar em 5 formas: Assintomática, leve, moderada, grave e maligna. Na forma leve, o paciente apresenta um quadro clínico autolimitado com febre e cefaleia com duração de dois dias; na fase moderada, os sintomas duram de dois a quatro dias, com febre, cefaleia, mialgia e artralgia, congestão conjuntival, náuseas, astenia e alguns fenômenos hemorrágicos como a epistaxe, podendo haver ainda a subicterícia; a forma grave apresenta seus sinais e sintomas se manifestam após 5 a 6 dias de incubação de forma abrupta, perdurando cerca de 4-5 dias com febre alta, sinal de Farget, cefaleia intensa, mialgia acentuada, icterícia, epistaxe, dor epigástrica, hematêmese e melena; a última forma de manifestação da febre amarela é a maligna, em que ocorre a toxemia abrupta, encefalopatia e os demais sintomas da forma grave. Após 5 a 7 dias a insuficiência hepatorrenal e a coagulação intravascular disseminada instalam-se, na forma maligna.

                Não existem medicamentos específicos para o tratamento da febre amarela. Não devem ser utilizados anti-inflamatórios e nem ácido acetilsalicílico (AAS). Em casos graves, o paciente deve ser tratado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para a realização da hidratação endovenosa e reposição do sangue perdido nas hemorragias, além da realização da diálise, em casos de insuficiência hepatorrenal.

     

    Objetivos de aprendizado

     

    ·         Reconhecer achados clínicos que evidenciam o diagnóstico

    ·         Identificar diagnósticos diferenciais para o paciente

    ·         Entender quais métodos de diagnóstico e tratamento para a doença

    ·         Demonstrar medidas profiláticas

  • 8 Publicações