Fístula Carótido-cavernosa

há 1 ano     -     
Fístula Carótido-cavernosa

 Abordagem geral do caso clínico:

P.F.S, 36 anos, pardo, previamente hígido. Admitido com queixa de olho inchado”. Refere início de forma súbita há 1 (um) dia. Evoluiu com edema periorbitário, dor no local, eritema da conjuntiva. Nega febre, queixa de cefaleia de moderada intensidade em região frontal direita. Há 12 dias sofreu uma queda de motocicleta, com a qual teve um traumatismo crânio-encefálico (TCE) leve, tendo, na ocasião, fraturado o frontal direito e contusão frontal de tratamento conservador.

Ao exame físico:

Paciente orientado, verbalizando, Glasgow 15, edema importante periocular direito, hiperemia conjuntival, acuidade visual preservada, motricidade extrínseca comprometida, sopro pulsátil em globo ocular direito, proptose ocular direita.

Motricidade e sensibilidade preservadas.

Aparelho cardiovascular: Ritmo cardíaco regular, bulhas normofonéticas em dois tempos, sem sopros.

Aparelho respiratório: Murmúrio vesicular fisiológico sem ruídos adventícios.

Temperatura: 36,4 oC

Pressão arterial: 126 x 76 mmHg

2) Aspectos relevantes para abordagem clínica do caso que se queira relatar

  • Quadro agudo (relaciona-se com causa vascular), se subagudo relaciona-se com causa infecciosa.
  • Ausência de febre (corrobora com etiologia não-infecciosa).
  • Sopro pulsátil em globo ocular, hiperemia conjuntival e proptose (tríade clínica da fístula carotídeo-cavernosa, ocorrendo, respectivamente em 85%, 79% e 70% dos casos).
  • Tomografia de crânio estrutura captante com a invasão de contraste. Ausência de coleção purulenta e presença de lesão em topografia de seio cavernoso e evidência da veia oftálmica superior. Além disso, a TC mostra sinais de traumatismo prévio (fratura frontal).

3) Apresentação e análise detalhada de exame de imagem específico do caso ou um vídeo

 

VEJA TAMBÉM

Diagnóstico de fibromialgia: deixando de lado os tender points

Tumor de Wilms

Caso Clínico de Colelitíase

  • 8 Publicações