3345 Publicações -

Medicina Ortomolecular - Ciência ou Charlatanismo?

há 4 anos     -     
Medicina Ortomolecular - Ciência ou Charlatanismo?


Seguindo na nossa série sobre tópicos pouco discutidos da medicina, vamos falar hoje sobre Medicina Ortomolecular, um tema polêmico, e que por isso mesmo muito me interessou.

Medicina Ortomolecular - Ciência ou Charlatanismo?

A base da medicina ortomolecular começou com um conceito que se iniciou no inicio do século XX, após a descoberta de compostos químicos que eram vitais na nutrição, as vitaminas.

Pode-se dizer que o criador do termo foi Linus Pauling, químico genial, cujos trabalhos hoje são base da química moderna, laureado com dois prêmios Nobel, um de química e um pela paz, por sua postura pacifista após a 2ª Guerra Mundial.


Linus Pauling: Químico, cientista e entusiasta da medicina ortomolecular.

No inicio dos anos 1940, ele foi diagnosticado com uma doença renal e seu médico o recomendou uma dieta livre de sal e com suplemento de vitaminas. Pauling, como todo bom cientista, ficou curioso com a recomendação e passou a fazer pesquisas de cunho próprio. Nos anos a seguir ele apresentou diversas palestras sobre o tema, debatendo hipóteses de que as deficiências ou excessos de compostos químicos poderiam ser causas de problemas neurológicos. Em 1968, publicou um artigo na revista Science nomeado “Psiquiatria ortomolecular” cunhando pela primeira vez o termo, cujo prefixo vem do grego orto, correto, de forma que significaria algo como “a medida certa de moléculas”.

Uns dos componentes mais comuns da abordagem ortomolecular são as vitaminas, que são nutrientes essenciais para o funcionamento adequado do corpo mas que não são produzidas pelo próprio, devendo ser adquiridas através da alimentação. A vitamina C, um dos exemplos mais conhecidos, é produzida por inúmeros outros animais e plantas, mas não pelo ser humano, que requer a ingestão de cerca de 60 mg por dia da mesma.

A ausência dietética da vitamina C causa lesões nas mucosas e gengivas, associadas a sangramentos, perdas dentárias, e dores nas articulações. Essa condição, chamada escorbuto, era comum nos navios que atravessavam os oceanos no período colonial e para combatê-la muitos navios passaram levar consigo barris carregados de maçãs, que contém vitamina C, embora naquele tempo não se soubesse o que era uma vitamina, e talvez daí nasceu a expressão an apple a day keeps the doctor away, ou, uma maçã por dia mantém o médico longe.

A prática da medicina ortomolecular

O princípio básico propedêutico ortomolecular é o mesmo de qualquer especialidade clínica, que é de investigar quaisquer anormalidades orgânicas e psíquicas do paciente. O que diferencia a filosofia ortomolecular é a crença de que muitas destas anormalidades são causadas por desiquilíbrios de vitaminas, micronutrientes e dos radicais livres.  Uma das armas propedêuticas de que se vale a prática ortomolecular é, além de exames de sangue de rotina, a análise bioquímica de fios de cabelo em busca de traços de micronutrientes.


Análise de micronutrientes do cabelo: Polêmico método propedêutico ortomolecular.

De acordo com Abram Hoffer, bioquímico e psiquiatra canadense, pioneiro da medicina ortomolecular, esta especialidade não tem o propósito de tratar todas as doenças, nem substitui as terapias padrão, mas provavelmente é complementar a muitas destas. Entretanto, os seus defensores dizem que a suplementação nutricional pode prevenir, tratar e até mesmo curar varias condições clínicas, como: acne, alcoolismo, alergias, artrites, autismo, transtorno bipolar, queimaduras, câncer, resfriados, depressão, vício em drogas, overdose de drogas, epilepsia, doenças cardiovasculares, intoxicação por metais pesados, etc.

Vale dizer que as evidências que suportem essas afirmações são bastante fracas.

Qual a evidência científica? A hipersuplementação de vitaminas funciona ou não?

Uma meta-análise realizada pelo Instituto Cochrane em 2012, que utilizou dados de 78 estudo clínicos randomizados, com um total de quase 300 mil participantes, 80 mil destes com doenças crônicas, entre grupos de consumo de vitaminas antioxidantes (betacaroteno, vitamina A, vitamina C, vitamina E, e selênio) versus placebo ou nada.

Os resultados, surpreendentemente, mostraram que o grupo de pacientes que tomaram a suplementação teve um risco de morrer 3% maior que os que não tomaram, e isso foi demonstrado ainda mais no grupo dos pacientes que tomaram betacaroteno, vitamina A, selênio e vitamina E, de modo que o trabalho recomenda não realizar suplementação na população em geral. Talvez os praticantes da filosofia ortomolecular possam contra argumentar que cada suplementação deve ser feita especificamente para as necessidades de cada paciente, o que faz sentido, embora a evidência disto ainda teime em inexistir.

A medicina ortomolecular no Brasil

No Brasil, a Medicina Ortomolecular é representada pela Associação Brasileira de Medicina Ortomolecular e sua proposta é:

1 - Identificar, o mais precocemente possível, o Estresse Oxidativo evidenciado de forma subclínica ou clínica nas diferentes fases da vida do indivíduo, ou seja, quer na gestação, na infância, na adolescência, na adultícia ou na senescência.

2 - Avaliar o indivíduo de maneira global, através de uma avaliação clínica (anamnese), a mais completa possível e exames complementares necessários a cada caso.

3 - Analisar a bioquímica individual, identificando os biomarcadores de Estresse Oxidativo. A maioria destes biomarcadores de Estresse Oxidativo fazem parte dos exames solicitados na clínica médica diária. Portanto, a questão é ter o devido conhecimento para poder correlacioná-los com seu significado bioquímico celular/molecular, base da Medicina Ortomolecular

4 - Considerar as consequências na saúde das interações do Homem com o Ambiente. Isto envolve local de moradia, de trabalho, a profissão, os hábitos(alimentação, fumo, drogas, etc.), os agrotóxicos, a qualidade da água, do ar, do solo, a poluição sonora, etc.

Nota-se que é uma proposta de cunho clínico bastante louvável, e que a abordagem ortomolecular apresenta-se de forma complementar.

Porém considerando que o CFM até o presente momento não considera a Medicina Ortomolecular como uma especialidade médica de com compravação evidente, talvez o mais correto fosse chamá-la de Dieta Ortomolecular.

A resolução do CFM,  no 1500, de 1998, diz o seguinte:

          Art. 13 São métodos destituídos de comprovação científica suficiente quanto ao benefício
          para o ser humano sadio ou doente e, por essa razão, proibidos de divulgação e uso no
          exercício da Medicina os procedimentos de prática Ortomolecular, diagnósticos ou
          terapêuticos, que empregam:

          I) megadoses de vitaminas;
          II) antioxidantes para melhorar o prognóstico de pacientes com doenças agudas ou em
          estado crítico;
          III) quaisquer terapias ditas antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas
          para patologias crônicas degenerativas;
          IV) EDTA para remoção de metais pesados fora do contexto das intoxicações agudas;
          V) EDTA como terapia antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para
          patologias crônicas degenerativas;
          VI) análise de fios de cabelo para caracterizar desequilíbrios bioquímicos;
          VII) vitaminas antioxidantes ou EDTA para genericamente "modular o estresse oxidativo".

A formação em Medicina Ortomolecular é outro motivo para polêmica no Brasil, pois não há residências médicas para tal porém é possível encontrar muitas pós-graduações latu sensu por aí, algumas até com aval do MEC. O problema é que, como o CFM não reconhece a M.O. como especialidade, o médico que realiza esses cursos não pode se registrar como especialista. Confuso, não? Desta forma há muitos médicos de várias especialidades, e muitos nutricionistas, que praticam a terapia ortomolecular em seus consultórios, cobrando consultas em torno de R$ 150,00 por consulta, sendo que os suplementos prescritos podem custar até R$ 400.

Levando em consideração que a abordagem ortomolecular deve ser holística, que os pacientes deve ser abordados propedeuticamente por completo, e que muitas das condutas ortomoleculares englobam modificações de hábitos de vida, como dieta e exercícios, essenciais para prevenção e controle da maioria das doenças, a prática ortomolecular não é danosa para a maioria das pessoas, se praticada de forma séria e não destituída do pensamento clínico e científico clássico. O fato de estas práticas serem associadas a terapias de suplementação que provavelmente tem efeito placebo na maioria das pessoas é o ponto questionável. Porém, até onde os placebos são aceitáveis como método de terapia é um tópico para um outro dia.

Considerações finais

Embora existam inúmeras referências na literatura científica no papel dos radicais livres no desenvolvimento de diversas doenças, ainda não há comprovação que o uso de suplementos possa evitá-las, sendo que inclusive em alguns casos o uso de suplementos pode ser danoso. Desta forma a prática da medicina ortomolecular deve ser vista com olhos críticos, à luz do que prega a medicina baseada em evidências.

Linus Pauling por toda sua vida foi um defensor do consumo em excesso de vitamina C, com a hipótese de que isso preveniria desde o resfriado comum até o câncer, mas infelizmente, morreu aos 92 anos por um câncer de próstata, embora digam que ele passou muitos anos sem ter nenhum resfriado.

Para saber mais sobre outras especialidades médicas, dá uma olhada no nosso livro "Como Escolher a sua Residência Médica".

Mais informações sobre a Medicina Hiperbárica, nos links abaixo:
-------------

CONHEÇA NOSSOS LIVROS! Você pode baixar um trecho deles agora mesmo!
Como Escolher a sua Residência Médica
500 Questões Comentadas para Provas e Concursos em Saúde Pública
Legislação Aplicada à EBSERH Comentada - Para Concursos
3345 Publicações - 0 Seguidores

  • 3345 Publicações