O que é Amebíase?

há 1 ano     -     
O que é Amebíase?

Isabela Brito 1; Karolinne Nogueira 1; Luiza Cunha 1

 1 Acadêmicas de medicina do Centro Universitário de Belo Horizonte (UNIBH), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.   

INTRODUÇÃO

A amebíase é uma doença infecciosa causada por um protozoário, o E. histolytica. Cerca de 80% dos portadores são assintomáticos, sendo essa a principal dificuldade para a diminuição do número de casos. Essa doença mata aproximadamente 100 mil pessoas por ano, sendo a segunda maior taxa de mortalidade por parasitose no Brasil. [1]

TRANSMISSÃO

A E. histolytica possui dois estágios evolutivos: cisto e trofozoíta. Os cistos são a forma infectante, sendo adquiridos por meio da ingestão de água ou alimentos contaminados por fezes.

Os cistos, geralmente, resistem ao meio ambiente e acidez gástrica, eclodindo no intestino delgado onde liberam a forma trofozoíta que migra para o intestino grosso onde se colonizam, geralmente, aderidos a mucosa intestinal, vivendo em uma relação de comensalismo, na qual se alimentam de detritos e bactérias. Esse quadro ocorre em portadores assintomáticos.

Quando o equilíbrio entre parasita e hospedeiro é rompido, os trofozoítos migram para a submucosa intestinal, multiplicando-se ativamente e através da circulação porta podem atingir outros órgãos (forma extraintestinal), consistindo na forma virulenta.

SINTOMAS

No intestino grosso, causa colite, que consiste em dor abdominal baixa, diarreia de pequeno volume e múltiplos episódios apresentando sangue, muco e pus nas fezes, em alguns casos.

Na forma extraintestinal podem ocorrer abscessos hepáticos, pulmonares e raramente cerebrais, podendo causar hepatomegalia, febre e sudorese noturna. Essas manifestações costumam ocorrer na ausência da doença intestinal².

TRATAMENTO

Pode ser feito com três tipos de amebicidas: os que atuam diretamente na luz intestinal, os tissulares que atuam no intestino e no fígado, e por aqueles que atuam tanto na luz intestinal quanto nos tecidos. Além da medicação, é necessário melhorias nos hábitos de higiene alimentar.

PROFILAXIA

Os principais métodos são: melhoria da condição sanitária com saneamento básico e educação da população sobre essa doença.

Como grande parte da disseminação está relacionada à portadores assintomáticos é importante que pessoas que manipulam alimentos sejam examinadas para detecção e tratamento da doença, além da correta higienização dos alimentos e tratamento da água.

REFERÊNCIAS

1 - NEVES, David Pereira. Parasitologia Humana. 12ª edição. São Paulo. Editora Atheneu, 2011.

2 - ARROJA, Bruno et al. Invasive amebiasis. Jornal Português de Gastrenterologia. 17 (6): 262-265. Nov/Dez - 2010. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0872-81782010000600004. Acesso em: 01 de maio de 2017.

3 - OLIVEIRA, de Miguel. Amebíase. Fundação Oswaldo Cruz.  Disponível em: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=90&sid=8. Acesso em: 01 de maio de 2017.

VEJA TAMBÉM

Qual a suspeita diagnóstica??

Icterícia neonatal

Herpes Zoster Ocular no Hospital das Clínicas de Marília

  • 6 Publicações