Os 10 assuntos que mais caem em provas de Residência em Farmácia

há 5 meses     -     
Os 10 assuntos que mais caem em provas de Residência em Farmácia

Os 10 assuntos que mais caem nas provas de residência em farmácia



Os 10 assuntos que mais caem em provas de Residência em Farmácia

 
Quando você decidiu estudar para a residência, muito provavelmente se perguntou:
 “O que realmente eu preciso estudar para Residências em Farmácia?”
Claro que a resposta para esta pergunta não é simples, afinal cada edital tem a sua série de assuntos específicos.
 
Porém analisando várias provas, dá para perceber que muitos assuntos são recorrentes em diferentes provas. E para você não precisar olhar centenas de provas e milhares de questões, para descobrir quais os assuntos que mais caem, fizemos isso para você!
 
Separamos os 10 assuntos mais recorrentes em provas de Residência em Farmácia de todo o Brasil entre 2018 e 2019 com questões comentadas para você revisar.

Farmacocinética

 
2019 (FEBESE) UFSC A gravidez causa várias alterações fisiológicas, que podem influenciar a eliminação do fármaco na mãe e no feto e também outros parâmetros que irão alterar a farmacocinética dos fármacos. Sobre isso, assinale a afirmativa correta.
 
  1. O débito cardíaco materno é diminuído, levando a um fluxo sanguíneo renal aumentado.
As alterações circulatórias durante a gravidez refletem em uma carga adicional ao trabalho cardíaco, dentre as principais modificações se encontram: a elevação do volume sanguíneo, do débito cardíaco e da frequência cardíaca e a diminuição da pressão arterial. Com o aumento do débito cardíaco, proporcionalmente se aumenta o fluxo renal.
 
  1. O débito cardíaco materno é diminuído, levando a uma filtração glomerular aumentada
As alterações circulatórias durante a gravidez refletem em uma carga adicional ao trabalho cardíaco, dentre as principais modificações se encontram: a elevação do volume sanguíneo, do débito cardíaco e da frequência cardíaca e a diminuição da pressão arterial. Com o aumento do débito cardíaco, proporcionalmente se aumenta filtração glomerular, alterando o clearance do fármaco.
 
  1. A concentração plasmática materna de albumina é reduzida, o que influencia a ligação proteica do fármaco.
Levando em consideração que o coeficiente proteico será deslocado via anexos embrionários para o desenvolvimento do embrião/feto (a depender da idade gestacional), a disponibilidade de proteínas, incluindo a albumina, será reduzida. Assim, implica nos processos farmacocinéticos de fármacos que possuem alta ligação a proteínas plasmáticas, desde absorção até excreção.
 
  1. As moléculas lipofílicas rapidamente atravessam a barreira placentária, o que limita a exposição fetal a esses fármacos.
Para fármacos que atravessam a barreira placentária ocorre maior exposição ao feto uma vez que essas moléculas estarão disponíveis no seu meio de desenvolvimento. Esses fármacos são evitados, geralmente utilizados quando as opções terapêuticas se esgotam.
 
  1. A concentração plasmática materna de albumina é aumentada, o que influencia a ligação proteica do fármaco.
Levando em consideração que o coeficiente proteico será deslocado via anexos embrionários para o desenvolvimento do embrião/feto (a depender da idade gestacional), a disponibilidade de proteínas, incluindo a albumina, será reduzida.
REFERÊNCIAS:
CAMPIOLO, D.J; MEDEIROS, S.F. Tromboembolismo venoso e terapia de reposição hormonal da menopausa: uma análise clínica e epidemiológica. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol.47, nº 5, out/2003.
 
BAUER, L.A. Apllied Clinical Pharmacokinetics. Mc Graw-Hill, New York, 2001.

ANTI-HIPERTENSIVOS

 
2019 (COPESE) UFJF apresenta episódios intermitentes de dor torácica quando faz esforço físico, mas seu eletrocardiograma está normal. O diagnóstico do cardiologista foi de Angina do Peito e foi prescrito para este paciente o propranolol (beta-bloqueador). Assinale a alternativa abaixo que descreve o efeito do medicamento na patologia citada.
  1. Produção reduzida de catecolaminas.
As catecolaminas se tornam indisponíveis por outro mecanismo. Os antagonistas dos receptores beta-adrenérgicos (beta-bloqueadores) atenuam os efeitos das catecolaminas circulantes através do bloqueio de sua ligação aos receptores.
 
  1. Dilatação coronariana.
Não existe mecanismo do propranolol implicado nesse objetivo.
 
  1. Redução da demanda de oxigênio no miocárdio.
Em angina pectoris, o cloridrato de propranolol geralmente reduz a necessidade de oxigênio do coração em qualquer nível de esforço, pelo bloqueio do aumento da frequência cardíaca induzido pelas catecolaminas, reduzindo a pressão arterial sistólica, a velocidade e a extensão da contração miocárdica.
 
  1. Aumento da resistência vascular periférica.
Betabloqueadores não-cardiosseletivos apresentam efeitos periféricos mais acentuados. O propranolol, como exemplo, não apresenta ação vasodilatadora periférica como os cardiosseletivos.  Porém, esse não é o efeito esperado para mediar o tratamento da angina e, sim, um efeito adverso.
 
REFERÊNCIAS:
  1. ANVISA/Medley. Cloridrato de propranolol – Bula do profissional. Disponível em: https://www.starmed.com.br/BACKOFFICE/Uploads/Bula/7896422515511.PDF
  2. Bortolotto LA, Consolim-Colombo FM Rev Bras Hipertens vol.16(4):215-220, 2009.
  3. BOSCO, Fabiana Aparecida Penachi; BRAZ, José Reinaldo Cerqueira. Beta-bloqueadores em anestesiologia: aspectos farmacológicos e clínicos. Rev. Bras. Anestesiol.,  Campinas ,  v. 51, n. 5, p. 431-447,  Oct.  2001. 
 

FARMACOTERAPIA

 
2019    (ARES) UFC: Uma paciente foi internada na MEAC para uma cirurgia de histerectomia. Após a anamnese, foi prescrito Ciprofloxacina 200mg bolsa com 100mL para ser administrado como profilaxia cirúrgica. A farmácia recebeu a segunda via da prescrição. Qual o problema existente nessa prescrição? Qual a conduta a ser tomada pelo farmacêutico?
  1. O antibiótico prescrito não é utilizado para profilaxia cirúrgica. Ele deve entrar em contato com o prescritor e orientar o uso de cefalosporina de 1a geração (cefazolina 2g), conforme protocolo clínico da instituição.
  2. O antibiótico prescrito não é utilizado para profilaxia cirúrgica. Ele deve entrar em contato com o prescritor e orientar o uso de macrolídio de uso oral (azitromicina 500mg, comprimido), conforme protocolo clínico da instituição.
  3. O antibiótico está prescrito indevidamente, visto que esse tipo de cirurgia não necessita de profilaxia cirúrgica. Ele deve entrar em contato com o prescritor e orientar a suspensão do medicamento, conforme protocolo clínico da instituição.
  4. O antibiótico prescrito está corretamente utilizado para profilaxia cirúrgica, no entanto ele deve orientar o prescritor a substituição pela apresentação de comprimido, devido à facilidade de administração, conforme protocolo clínico da instituição.
Comentários:
A profilaxia antimicrobiana cirúrgica é indicada para procedimentos classificados como potencialmente contaminados ou contaminados. É recomendada a utilização de cefalosporinas de 1ª geração como a cefazolina/cefalotina para a profilaxia antimicrobiana em cirurgias ginecológicas como a histerectomia. Casos de hipersensibilidade a betalactâmicos pode-se utilizar lincosamidas como a Clindamicina combinada a aminoglicosídeos como a Gentamicina. As fluoroquinolonas como o Ciprofloxacino são utilizados no tratamento das infecções pulmonares e do aparelho geniturinário.
  1. CORRETA. Vide texto inicial.
  2. INCORRETA. Os macrolídeos também não são alternativas racionais para profilaxia cirúrgica, independentemente da via de administração.
  3. INCORRETA. Por se tratar de uma cirurgia potencialmente contaminada deve-se realizar a profilaxia antimicrobiana.
  4. INCORRETA. Como dito anteriormente, as fluoroquinolonas não são indicadas como profilaxia cirúrgica, portanto a forma farmacêutica não é importante neste caso.
Referências:
Hospital Alemão Oswaldo Cruz. PROTOCOLOS HAOC. Disponível em  https://www.hospitaloswaldocruz.org.br/area-medica/wp-content/uploads/sites/4/2019/04/PR039_Antibioticoprofilaxia-Cir%C3%BArgica_1_2_4.pdf Acesso em 26 jun. 2019
Hospital Israelita Albert Einstein. MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO. Disponível em  https://medicalsuite.einstein.br/pratica-medica/guias-e-protocolos/Documents/manual_infeccao_zero_compacto.pdf Acesso em 26 jun. 2019
Hospital Israelita Albert Einstein. MANUAL FARMACÊUTICO. Disponível em https://aplicacoes.einstein.br/manualfarmaceutico/Paginas/Termos.aspx?filtro=Profilaxia%20Antimicrobiana&itemID=145#detalheTermo Acesso em 26 jun. 2019
MELO, M. S. et al. Avaliação da profilaxia antimicrobiana cirúrgica em um hospital de ensino. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Santa Cruz do Sul, v. 9, n. 1, p. 75-80, 2019.
 

ATRIBUIÇÕES CLÍNICAS DO FARMACÊUTICO

 
2019    (FEPESE) UFSC: Algumas atividades clínicas práticas são exercidas por farmacêuticos no âmbito de programas de Farmácia Clínica. Assinale a alternativa que corresponde a essas atividades clínicas.
  1. Planejar a aquisição de medicamentos; notificar reações adversas e participar de pesquisas clínicas.
  2. Validar prescrições médicas; realizar a aquisição de medicamentos e manipular fórmulas magistrais para o paciente.     
  3. Monitorar a farmacoterapia dos pacientes; fornecer consultoria farmacocinética e participar de comissões hospitalares.
  4. Entrevistar o paciente; monitorar a farmacoterapia dos pacientes e exercer atividades de farmacovigilância.
  5. Manipular medicamentos injetáveis; realizar estudos de utilização de medicamentos e gerenciar o fracionamento de formas farmacêuticas.
Comentários:
  1. INCORRETA. A Resolução CFF 568/2012 descreve entre as atividades de assistência farmacêutica de competência do farmacêutico nos serviços de atendimento pré-hospitalar, farmácia hospitalar e outros serviços de saúde: a aquisição de medicamentos; notificação das reações adversas e participação de pesquisas clínicas. Portanto, essas atividades não estão diretamente relacionadas às atividades de Farmácia Clínica. Dentro das Resolução CFF 585/2013 temos as atribuições farmacêuticas do Serviço de Farmácia Clínica.
  2. INCORRETA. A Resolução CFF 568/2012 também apresenta validação das prescrições de acordo com a legislação vigente, a aquisição de medicamentos e a manipulação de fórmulas magistrais para o paciente como atividades do farmacêutico no âmbito hospitalar, não estando diretamente relacionadas às atividades de Farmácia Clínica.
  3. INCORRETA. O monitoramento da farmacoterapia é uma atividade clínica, porém o fornecimento de consultoria farmacocinética não faz parte. Além disso, é atribuição do farmacêutico nos serviços de atendimento pré-hospitalar, farmácia hospitalar e outros serviços de saúde a responsabilidade pela participação nas Comissões.
  4. CORRETA. De acordo com a Resolução CFF 585/2013, que regulamenta sobre as atribuições clínicas do farmacêutico, essas afirmativas são apresentadas dentro das atividades a serem desenvolvidas pelo profissional. A entrevista ao paciente faz parte da coleta de dados para a anamnese farmacêutica; o monitoramento da farmacoterapia como forma de otimização da farmacoterapia e as atividades de farmacovigilância como atividades relacionadas à segurança do paciente.
  5. INCORRETA. Dentro das atribuições do farmacêutico no atendimento hospitalar estão a manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, o exercício de atividades de pesquisa, participação de ensaios pré-clínicos e clínicos e o fracionamento de medicamentos.
 

SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS

 
2019    (COREMU-SES) UFG: No sistema de distribuição coletiva ou de estoque descentralizado de medicamentos, a farmácia hospitalar apenas repassa os medicamentos em suas embalagens originais.
Este método apresenta vantagem em relação:
  1. à maior valorização da equipe de enfermagem.      
  2. às menores perdas econômicas com medicamentos.         
  3. às mínimas atividades de devolução à farmácia.   
  4. à diminuição de estoque nas unidades assistenciais.
Comentários:
  1. INCORRETA. O sistema de dose coletiva não promove a valorização da equipe de enfermagem. Na verdade, esta equipe fica mais sobrecarregada, visto que ela precisa cuidar dos pacientes e de todo processo do medicamento como armazenamento, organização e manipulação. Além disso, mais erros de medicação podem acontecer pela concentração das tarefas nos mesmos profissionais.
  2. INCORRETA. Neste sistema há excesso de medicamentos espalhado nos postos de enfermagem e no hospital, com isso o controle de estoque fica prejudicado pela desorganização, falta de controle de perdas, extravios e vencimentos.
  3. CORRETA. Os subestoques de medicamentos ficam espalhados pelo hospital e não existe muito controle sobre o que está ou não está nas clínicas, com isso a farmácia tem menor atuação no processo, inclusive na cobrança de devoluções.
  4. INCORRETA. Na verdade, com este sistema de distribuição os estoques nas unidades assistenciais ficam aumentados.
Referências:
Portal Educação. Sistema de distribuição de medicamentos. Disponível em https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/moda/sistema-de-distribuicao-de-medicamentos/333 Acesso em 27 jun. 2019
 

CONTROLE DE INFECÇÕES HOSPITALARES

 
2019 (COREMU-SES) UFG O conhecimento sobre os tipos de artigos utilizados no ambiente hospitalar é importante, pois para cada um existe um tipo específico de manuseio. Sendo assim, aqueles que entram em contato com tecidos estéreis ou com o sistema vascular e devem ser esterilizados antes do uso, por possuírem alto risco para causar infecção, são classifica- dos como:
  1. Semicríticos.
  2. Críticos.
  3. Acríticos
  4. Alto nível.
Comentários:
 
  1. INCORRETA: Os artigos semicríticos são destinados ao contato com a pele não-íntegra ou com mucosas íntegras.
  2. CORRETA: Os artigos críticos são destinados à penetração através da pele e mucosas adjacentes, nos tecidos subepiteliais e no sistema vascular, bem como todos os que estejam diretamente conectados com este sistema
 
  1. INCORRETA: Os artigos acríticos ou não-críticos são destinados ao contato com a pele íntegra do paciente.
  2. INCORRETA: Não existem artigos de alto nível. Essa é uma classificação usada para os tipos de desinfecção, na desinfecção de alto nível, os desinfetantes são eficazes contra todas as formas vegetativas, destroem uma parte dos esporos quando utilizados entre 10 e 30 minutos.
 
Referências:
BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. Processamento de Artigos e Superficies em Estabelecimentos de Saúde. -- 2. ed. -- Brasília,1994. 50 p.
 

FORMULAÇÕES FARMACÊUTICAS

2019 (IAUPE) UPE -  A coalescência é uma alteração, que pode ocorrer na emulsão de nutrição parenteral. Qual o insumo que sofre alteração na mistura?
  1. Solução de aminoácidos
  2. Solução de glicose
  3. Emulsão de lipídios
  4. Solução de polivitaminas
  5. Solução de oligoelementos
Comentários:
A coalescência ou breaking é uma das três fases de instabilidade das emulsões lipídicas. Essa aglutinação das partículas é geralmente seguida da separação de fases, o que inviabiliza a bolsa de nutrição parenteral. Para garantir a estabilidade das emulsões usadas em nutrição parenteral são usados fosfolipídios de ovo, mas a presença de cargas positivas na fase aquosa pode romper a barreira desencadeando os processos de instabilidade.

Referências
LOBO, B. W. P. Avaliação da Estabilidade Físico-Química de Misturas Totais de Nutrientes para Uso Intravenoso Neonatal. Dissertação (Dissertação em Farmácia) – UFRJ. Rio de Janeiro, p. 128. 2005.

 

CÁLCULOS FARMACÊUTICOS

 
2019 (EBSERH) UFPR A fórmula de um xarope é salbutamol 140 g, sacarose 450 g, água purificada, qsp 1000 mL. As quantidades necessárias
de insumos para manipular 60 ml de xarope são:
  1. 18,40 g de salbutamol e 40,0 g de sacarose.
  2. 12,40 g de salbutamol e 27,0 g de sacarose
  3. 8,40 g de salbutamol e 27,0 g de sacarose.
  4. 6,40 g de salbutamol e 27,0 g de sacarose.
  5. 0,40 g de salbutamol e 42,0 g de sacarose.
 
Comentários:
Considerando que qsp diz respeito a Quantum Satis para (latim), significando quantidade suficiente para, se observa que a relação apresentada na fórmula é referente à produção do volume total de 1000mL de xarope; para tal, utilizando o princípio ativo, excipientes e veículo. Como se deseja preparar apenas 60mL, seus insumos serão obtidos de forma proporcionalmente direta:
 
I – salbutamol:
140g ---------1000mL
X g------------60mL
  cálculos farmacêuticos 1
 
II – sacarose
450 g--------1000mL
X g----------60mL
 
cálculos farmacêuticos 2
 
 

CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

 
2019    (FEPESE) UFSC: Para realizar a programação da aquisição de medicamentos para um serviço ou uma rede de atenção à saúde, o primeiro passo é identificar as necessidades da população-alvo para poder definir a quantidade adequada de medicamentos a serem adquiridos. Alguns métodos são utilizados correntemente com esta finalidade, sendo um dos mais comuns o uso do consumo histórico de medicamentos. Este apresenta vantagens e limitações e se aplica a algumas situações. A respeito do consumo histórico como método de programação, é correto afirmar:
1. Não requer estimativas de custos.
2. Precisa de um sistema de registro de demanda e consumo altamente confiável.
3. Garante o uso racional de medicamentos.
4. Pode não refletir necessariamente as prioridades de saúde pública.
5. É atemporal, podendo ser aplicado a qualquer período e situação.
Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.
  1. São corretas apenas as afirmativas 1 e 3.    
  2. São corretas apenas as afirmativas 2 e 4.  
  3. São corretas apenas as afirmativas 3 e 5.    
  4. São corretas apenas as afirmativas 2, 3 e 4. 
  5. São corretas apenas as afirmativas 2, 4 e 5.
Comentários:
1. INCORRETA. Para garantir um sistema eficiente de gestão de estoque com informações úteis para o processo de programação e aquisição um dos itens imprescindíveis é a manutenção constante do custo atualizado de cada produto.
2. CORRETA. O consumo histórico analisa o comportamento do consumo em um determinado período. Para isso, são utilizados os registros de movimentação de estoques, dados de demanda (atendida e não atendida), inventários com informações de, pelo menos, 12 meses, incluídas as variações sazonais (que são alterações na incidência das doenças, decorrentes das estações climáticas).
3. INCORRETA. A programação não garantirá o uso racional de medicamentos, pois esta é uma atividade que requer uma análise de cada paciente, de forma a garantir que este receba o medicamento para suas condições clínicas em doses adequadas às suas necessidades individuais, por um período adequado e ao menor custo para si e para a comunidade.
4. CORRETA. A programação define prioridades dos medicamentos a serem adquiridos, frente à disponibilidade de recursos de acordo com o histórico de demandas e consumos para cada instituição, não refletindo necessariamente as prioridades de saúde pública.
5. INCORRETA. Como o próprio nome diz é necessária a avaliação do histórico de movimentação dos estoques, portanto não pode ser atemporal.
Alternativa correta: letra B
Referências:
BRASIL. Assistência farmacêutica na Atenção Básica: Instruções técnicas para a sua organização, 2001. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd03_15.pdf Acesso em 29 jun. 2019
CFF. Gestão de compras em farmácia hospitalar. Pharmacia Brasileira, n. 16, 2012. Disponível em http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/137/encarte_farmAcia_hospitalar_85.pdf Acesso em 29 jun. 2019
 

Resolução CFF n°585/2013

 
2019    (ARES) UFC: A Resolução do Conselho Federal de Farmácia No 585, de 29 de agosto de 2013, regulamenta as
atribuições clínicas do farmacêutico e define terminologias a serem adotadas na prática clínica. Analise os conceitos abaixo e escolha a opção correta.

I. Intervenção farmacêutica é o ato profissional planejado, documentado e realizado pelo farmacêutico, com a finalidade de otimização da farmacoterapia, promoção, proteção e da recuperação da saúde, prevenção de doenças e de outros problemas de saúde.

II. Otimização da farmacoterapia é o processo pelo qual se obtém os melhores resultados possíveis da
farmacoterapia do paciente, considerando suas necessidades individuais, expectativas, condições de
saúde, contexto cultural e determinantes de saúde.

III. Anamnese farmacêutica é o procedimento de coleta de dados sobre o paciente, realizada pelo
farmacêutico por meio de entrevista, com a finalidade de conhecer sua história de saúde, elaborar o
perfil farmacoterapêutico e identificar suas necessidades relacionadas à saúde.
  1. Somente conceitos I e II estão corretos.      
  2. Somente conceitos I e III estão corretos.     
  3. Somente conceitos II e III estão corretos.   
  4. Conceitos I, II e III estão corretos.
 
Comentários:
Estamos diante de uma questão que transcreve literalmente os conceitos de Intervenção farmacêutica, Otimização da farmacoterapia e Anamnese farmacêutica definidos no Anexo da Resolução CFF 585/2013.  Esta Resolução regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras providências. Portanto, todos os itens estão corretos.
Alternativa correta: d
67 Publicações - 2 Seguidores

Sou o Farmacêutico Concurseiro da Sanar! No meu blog você vai encontrar tudo sobre concursos, residências e sobre a carreira do farmacêutico no Brasil! Estamos melhorando aos poucos a sua experiência por aqui!

  • 67 Publicações