Saiba tudo sobre a prova de residência do SUS-SP

há 4 meses     -     
Saiba tudo sobre a prova de residência do SUS-SP


Estamos cada vez mais próximos das provas de residência, um grande divisor de águas na carreira médica.
Vamos conversar um pouquinho sobre o processo seletivo de uma das instituições mais concorridas: Sistema Único de Saúde de São Paulo - SUS-SP. 

Se você quiser saber mais sobre a Residência na USP, confira o nosso artigo: USP 2018 - TIRE AS SUAS DÚVIDAS

Conheça a Residência SUS-SP:

Tradicionalmente, o Edital de Residências Médicas SUS SP é lançado no final de setembro ou no inicio no mês de outubro.
De forma que temos um tempo bem bacana para que você tire todas as suas dúvidas. 

Nesse artigo, vamos esmiuçar alguns detalhes da seleção de 2017 para ter uma idéia do que podemos esperar para esse ano. 

Vamos começar do básico:

A Fundação Carlos Chagas - FCC foi responsável pelo certame que, no ano passado, ofereceu vagas em  49 especialidades médicas.  
Houve, em 2017, um total de 13.729 inscritos - concorrência média de 18 candidatos por vaga. Em 2016, a concorrência média era de 16 candidatos para cada vaga. 

A prova ocorreu no dia 10 de dezembro, exatamente dois meses depois da divulgação do edital. 
Para as especialidades de acesso direto, as disciplinas cobradas foram Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia e Medicina Preventiva e Social.  

Seja aprovado ainda esse ano: Preparatório de Residência Médica SUS-SP

Agora, vamos aos detalhes.
Dividimos o conteúdo em tópicos. É só clicar e tirar as suas dúvidas: 

SUMÁRIO

1. PROGRAMA E NÚMERO DE VAGAS
2. INSCRIÇÕES
3. PROCESSO SELETIVO
3.1 DICAS: Questões de Clínica
3.2 DICAS: Questões de Ginecologia e Obstetrícia
3.3 DICAS: Questões de Cirurgia
3.4 DICAS: Questões de Pediatria
3.5 DICAS: Questões de Medicina Preventiva
4. COMECE A SE PREPARAR: ACESSE O NOSSO MINICURSO 

 
1. PROGRAMA E NÚMERO DE VAGAS 

Como já adiantamos lá em cima, foram oferecidas oportunidades em 49 especialidades. 

Otorrinolaringologia foi a mais concorrida. com a concorrência de 72,33 candidatos inscritos para cada uma das 6 vagas oferecidas.
Na sequência, tivemos Dermatologia com a concorrência de 59,16 e Oftalmologia, com 55,81 candidatos batalhando por uma vaga. 

Clínica Médica, no entanto, foi a especialidade mais procurada: 1977 candidatos disputavam suas 107 vagas. 

Áreas Básicas de Acesso Direto:

ESPECIALIDADES VAGAS INSCRITOS CONCORRÊNCIA  DURAÇÃO
Clínica Médica 107 1977 18,47 candidatos por vaga 2 anos
Cirurgia Geral 75 1653 22,04  candidatos por vaga 2 anos
Pediatria 64 915 14,3 candidatos por vaga 2 anos
Ginecologia e Obstetrícia 62 794 12,8  candidatos por vaga 3 anos
Medicina da Família e Comunidade 1 44 44  candidatos por vaga 2 anos
 


Especialidades com Acesso Direto:

ESPECIALIDADES VAGAS INSCRITOS CONCORÊNCIA DURAÇÃO
Patologia 4 84 21 candidatos por vaga 3 anos
Infectologia 26 175 6,73 candidatos por vaga 3 anos
Radiologia e Diagnóstico por Imagem 22 686 31,18 candidatos por vaga 3 anos
Anestesiologia 53 1315 24,8 candidatos por vaga 3 anos
Ortopedia e Traumatologia 37 562 15,18 candidatos por vaga 3 anos
Neurocirurgia 300 50 candidatos por vaga 5 anos
Oftalmologia 11 614 55,8 candidatos por vaga 3 anos
Otorrinolaringologia 6 434 72,33 candidatos por vaga 3 anos
Psiquiatria 24 584 24,33 candidatos por vaga 3 anos
Radioterapia 4 33 8,25 candidatos por vaga 3 anos
Dermatologia 12 710 59,16 candidatos por vaga 3 anos
Neurologia 5 263 52,6 candidatos por vaga 3 anos
Medicina Nuclear 1 19 19 candidatos por vaga 3 anos
Medicina Física e Reabilitação 20 5 candidatos por vaga 3 anos
Medicina de Emergência 1 22 22 candidatos por vaga 3 anos
Cirurgia Cardiovascular 2 84 28 candidatos por vaga 5 anos
 


Especialidades para as quais será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Clínica Médica, em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Cardiologia 66 461 6,98 candidatos por vaga 2 anos
Endocrinologia 3 99 33 candidatos por vaga 2 anos
Nefrologia 3 32 10,66 candidatos por vaga 2 anos
Hematologia/Hemoterapia 4 63 15,75 candidatos por vaga 2 anos
Cancerologia Clínica 9 154 17,11 candidatos por vaga 3 anos
Geriatria 1 6 6 candidatos por vaga 2 anos
Pneumologia 1 3 3 candidatos por vaga 2 anos
 
Especialidades para as quais será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Cirurgia Geral, em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Cirurgia Pediátrica 16 73 4,56 candidatos por vaga 3 anos
Cirurgia Plástica 9 285 31,66 candidatos por vaga 3 anos
Coloproctologia 3 53 17,66 candidatos por vaga 2 anos
Cirurgia Vascular 12 153 12,75 candidatos por vaga 2 anos
Urologia 14 241 17,21 candidatos por vaga 3 anos
Cancerologia Cirúrgica 9 144 16 candidatos por vaga 3 anos
Cirurgia do Aparelho Digestivo 7 86 12,28 candidatos por vaga 2 anos
Cirurgia Torácica 1 6 6 candidatos por vaga 2 anos
 
Especialidade para a qual será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Clínica Médica ou Cirurgia Geral ou Anestesiologia, em Residência credenciada pela CNRM:
 
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Medicina Intensiva 4 16 4 candidatos por vaga 2 anos
 


Especialidades para as quais será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Pediatria, em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Cancerologia Pediátrica 1 21 21 candidatos por vaga 2 anos
Neonatologia 3 30 10 candidatos por vaga 2 anos
Medicina Intensiva Pediátrica 3 34 11,33 candidatos por vaga 2 anos
 
Especialidade para a qual será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Ginecologia e Obstetrícia ou Cirurgia Geral, em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Mastologia 12 65 5,41 candidatos por vaga 2 anos
 
Especialidade para a qual será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Clínica Médica ou Cirurgia Geral, em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Endoscopia 4 117 29,25 candidatos por vaga 2 anos
 
Especialidade para a qual será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Cirurgia Geral ou 3 anos em Otorrinolaringologia, em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Cirurgia de Cabeça e Pescoço 7 44 6,28 candidatos por vaga 2 anos
 
Especialidade para a qual será exigida a comprovação de pré-requisito de 3 anos em Anestesiologia ou Cancerologia Clínica ou Cancerologia Cirúrgica ou Cancerologia Pediátrica ou Neurologia ou comprovação de pré-requisito de 2 anos em Clínica Médica ou Geriatria ou Medicina de Família e Comunidade ou Pediatria ou Cirurgia de Cabeça e Pescoço ou Medicina Intensiva em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Medicina Paliativa 1 9 candidatos por vaga 1 ano
 
Especialidade para a qual será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Cardiologia ou Pediatria em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Cardiologia Pediátrica 16 102 6,375 candidatos por vaga 2 anos
 
 
Especialidade para a qual será exigida a comprovação de pré-requisito de 2 anos em Cardiologia em Residência credenciada pela CNRM:
ESPECIALIDADES VAGAS  INSCRITOS CONCORRÊNCIA DURAÇÃO
Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista 7 35 5 candidatos por vaga 2 anos
Ecocardiografia 13 80 6,15 candidatos por vaga 1 ano
Eletrofisiologia Clínica invasiva 2 19 9,5 candidatos por vaga 1 ano
Reabilitação e Ergometria 3 10 3,33 candidatos por vaga 1 ano
 

A aula que todo futuro residente deve ver:


2. INSCRIÇÕES

Você não precisa estar formado para se candidatar a uma vaga. No entanto, precisa compravar que, até a data da matrícula no programa, você já terá concluído a graduação.
Pessoas que fizeram faculdade fora do Brasil também podem se inscrever, desde que tenham feito a revalidação do diploma. 

 

A taxa de inscrição no ano passado foi de 210 reais.

O candidato pode mudar a sua opção de residência até o término das inscrições. Então, mesmo que você faça a inscrição no 1º dia, ainda terá algumas semanas de oportunidade para mudar de escolha - para alegria e tortura dos indecisos...


3. PROCESSO SELETIVO 
 

De acordo com o edital lançado em 2017, a seleção seria realizada em única etapa: Prova Objetiva com questões de múltipla escolha.

O conteúdo das questões abordará os seguintes assuntos:

Para as Áreas Básicas e Especialidades com Acesso Direto (total de 100 questões), será aplicada uma Prova de Conhecimentos Médicos com questões de Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia e Medicina Preventiva e Social;

Para as demais Especialidades e/ou Área de Atuação com pré-requisitos, serão 60 questões ao todo, relativas à área que se deseja especializar e, em alguns casos, contendo também questões de clínica geral. Essas informações precisas podem ser conferidas no item 6 do Edital (link no fim do post).

Bem, antes de mais nada, é importante saber que a Prova do SUS-SP é a mais democrática do país.
Não há nenhuma modalidade de protecionismo como existe em algumas instituições tradicionais. 
 
De forma geral, ter nota superior a 75% de acerto permite o ingresso na maioria das vagas, exceto em algumas residências de acesso diretos como dermato, otorrino que é preciso um percentual de acerto acima de 80%.
 
A prova é composta por 100 questões das 5 grandes áreas de abrangência. Em cada uma das áreas, listamos algumas dicas e incluímos 01 questão comentada da última prova!
 

  • Clinica Médica

É uma das áreas de maior dificuldade na prova devido ao volume de conteúdo. São 20 questões que fazem diferença nas prova, principalmente nas especialidades concorridas. Assuntos como: Endocrinopatias, distúrbios hidroeletroliticos, intoxicação exógenas, interpretação de ECG são de grande relevância.
 
Confira abaixo um exemplo de questão comentada da última prova:
 
(SUS-SP – 2016)
Em um caso de meningite bacteriana aguda por Streptococcus pneumoniae (com concentração inibitória mínima de betalactâmicos muito elevada), o esquema terapêutico de escolha, dentre os abaixo, é:
 
A) polimixina.
B) meropenem.
C) ceftriaxona.
D) ampicilina + gentamicina.
E) vancomicina.
 
DICA DO AUTOR: Na interpretação do antibiograma, tão importante quanto saber de qual bactéria se trata, é lembrar do paciente que estamos avaliando. Em se tratamento de um paciente com meningite isso muda completamente - caso estivéssemos falando de pneumonia o tratamento poderia ser com ceftriaxona, já para o tratamento de meningite é necessário a Vancomicina nos casos da concentração inibitória mínima (MIC) muito elevada, uma vez que a maior parte dos antibióticos atingem menores concentrações em no sistema nervoso central. Só lembrando que caso o MIC baixo parabetalactâmicos (<0,1 mcg/m L para penicilina) poderia ser usado a penicilina e em casos de MIC intermediário (0,1-1 mcg/m L), a ceftriaxona é a opção de escolha. Independente do tratamento, a duração é em torno de 10-14 dias.
Alternativas A e B INCORRETAS. Tanto a polimixina como o Meropenem, são utilizados geralmente para tratamento de bactérias gram negativas multirresistentes. No caso estamos falando do
Streptococcus, uma bactéria gram positiva.
Alternativa C: INCORRETA. A ceftriaxona seria uma possibilidade se o MIC fosse baixo, ou o paciente não tivesse doença em sistema nervoso central.
Alternativa D: INCORRETA. O autor da questão tentou confundir os candidatos com o tratamento para endocardite infecciosa, que na maior parte dos casos em valvas nativas também são por
streptococcus, mas não confundam - no caso da endocardite estamos falando do Viridans, boovis e menos frequentemente o fecalis. A endocardite pela S. Pneumoniae é muito rara.
Alternativa E: CORRETA. A tratamento deve ser feito com Vancomicina ASSOCIADO com ceftriaxona e não esquecer da dexametasona 0,15 mg/Kg antes de iniciar o antibiótico e manter por 4 dias. E em casos de MIC muito elevado, alguns autores recomendam inclusive associar com Rifampicina 600 mg/dia.
 
Clique aqui para conhecer a obra Preparatório para Residência SUS-SP – 800 Questões Comentadas
 

  • Ginecologia e Obstetrícia

 
É possível uma boa margem de acertos. Algumas questões devido a conceitos que divergem entre as sociedades podem dar margem para interposição de recursos. Vale a pena lembrar das vulvovaginites, interpretação de partogramas e a doenças hipertensiva da Gestação. 
 
(SUS SP – 2016)
Progestagênio utilizado em contraceptivos hormonais combinados orais MENOS associado a risco de tromboembolismo
A) desogestrel.
B) drospirenona.
C) levonorgestrel.
D) ciproterona.
E) gestodeno.
 
DICA DO AUTOR: Há na literatura diversos estudos investigando o risco de eventos tromboembólicos associados a diferentes doses de etinilestradiol e tipos de progestagênios. O que se discute atualmente é que pílulas de terceira geração (contendo gestodeno e desogestrel) têm sido mais associadas a eventos tromboembólicos do que as de segunda geração (contendo levonorgestrel).
A maioria dos estudos mais recentes demonstrou um risco aumentado de três vezes de usuárias de contraceptivos orais combinados de média e baixa dose com noretisterona, levonorgestrel ou norgestimato, em comparação a não usuárias. Os mesmos estudos demonstraram um aumento de seis vezes no risco tromboembólico em usuárias de pílulas combinadas com desogestrel, gestodeno, drospirenona ou acetato de ciproterona. Provavelmente, isto se deve ao fato de que as progestinas mais androgênicas são capazes de contrapor a estimulação induzida pelo etinilestradiol sobre a síntese proteica do fígado (SHBG, fatores de coagulação), mas em contraste, as progestinas neutras ou anti-androgênicas parecem exercer uma contraposição limitada na ação do etinilestradiol.
Resposta: C
 

  • Cirurgia Geral

Temas mais cobrados são: Trauma (ATLS), Abdome agudo (em especial inflamatório e obstrutivo) e hemorragia digestiva alta e baixa. Confira abaixo a estatística das últimas provas:
 
Trauma/ATLS (aprox 30%)
Abdome agudo (aprox 20%) - inflamatório e obstrutivo
Hemorragia digestiva (aprox 10%)
Neoplasia trato digestivo (aproximadamente 5%)
 
Outros temas frequentes:
- Síndrome compartimental abdominal 
- Manejo do paciente perioperatório- Doença inflamatoria intestinal
- Outras neoplasias, em especial melanoma
- Cirurgia vascular 
- Urologia
- Cirurgia infantil  (hernia e intusucepção)
 
(SUS SP – 2016)
73 Um senhor de 66 anos de idade foi assaltado e agredido com um taco de madeira. No atendimento inicial, a via aérea está pérvia e a ventilação diminuída na base do hemitórax esquerdo. Pulso: 138 bpm, pressão arterial: 70 × 30 mmHg. Tem escoriações no abdome, à esquerda, com muita dor à palpaçãolocal. O FAST (Focused Assessment with Sonography for Trauma), feito logo à chegada, mostrou apenas fina lâmina de líquido em espaço subfrênico esquerdo. A reanimação com 2 litros de solução cristaloide não melhorou a condição hemodinâmica de admissão. O paciente continua consciente, com Glasgow 15. A radiografia de tórax mostra fraturas das costelas inferiores (10o e 11o arcos costais), à esquerda,
sem derrame pleural. Além de receber sangue, este paciente deve:
 
A) ser operado imediatamente.
B) fazer angiografia, para possível embolização esplênica.
C) fazer tomografia de corpo inteiro.
D) fazer laparoscopia diagnóstica.
E) receber droga vasoativa por cateter central
 
DICA DO AUTOR: Estamos frente a uma paciente vítima de trauma que está taquicárdico e hipotenso. Até que se prove o contrário, o choque hemorrágico é o principal tipo de choque em
um cenário de trauma! Sempre que estamos frente a um paciente politraumatizado que apresente hipotensão devemos procurar uma fonte de sangramento (tórax, abdome/pelve e
fratura de ossos longos) e dentre as causas de choque hemorrágico, o abdome é a principal fonte de sangramento! Questão clássica e sem discussão. Choque he-
morrágico, instável, sem resposta a ressuscita- ção volêmica e com FAST positivo = laparotomomia exploradora! Resposta: Letra A. 
Alternativa B: INCORRETA. A arteriografia para embolização esplênica ou hepática é uma técnica factível quando temos certeza da fonte desangramento e o paciente tem estabilidade hemodinâmica, mesmo que transitória, para o procedimento.
Alternativa C: INCORRETA. A estabilidade hemodinâmica é condição obrigatória para a realização de tomografia computadorizada.
Alternativa D: INCORRETA. A instabilidade hemodinâmica é uma contraindicação relativa para a realização da videolaparoscopia, visto que a confecção do pneumoperitônio irá piorar o pa-
drão hemodinâmico do paciente.
Alternativa E: INCORRETA. Estamos frente a um choque hemorrágico, de provável etiologia abdominal. A prioridade nesse caso é controlar a fonte de sangramento!
 
Clique aqui para conhecer a obra Preparatório para Residência SUS-SP – 800 Questões Comentadas

  • Pediatria

É uma especialidade que possibilidade um boa porcentagem de acertos. Lembrar das doenças exantemáticas da infância, vacinação com ênfase na mudança dos calendários. 
 
(SUS SP – 2016)
Uma pré-escolar de 3 anos acaba de ser diagnosticada com fibrose cística. Os pais da criança estão preocupados com a possibilidade da ocorrência desta doença em futuras gestações. O médico deve esclarecer que o padrãode transmissão genética da fibrose cística é:
 
A) autossômica recessiva em algumas famílias e ligada ao cromossomo X em outras.
B) autossômica recessiva.
C) autossômica dominante.
D) ligado ao cromossomo X.
E) por mutação variável.
 
DICA DO AUTOR: A fibrose cística ou mucoviscidose é uma doença associada a mutações no gene CFTR e ao padrão de herança autossômico recessivo. Assim, para qualquer casal com
uma criança afetada, o risco de que uma segunda criança venha a apresentar fibrose cística é de 25%.
Resposta: B.
 

  • Medicina Preventiva

É a prova que pode ser um divisor de águas na aprovação. Os editais lançam um conteúdo que pode ser revisado varias vezes durante o ano. A "temida" lista de notificação compulsória deve ser memorizada, assim como conceitos de estudos epidemiológicos (coorte, caso controle, ecológicos e afins) e as modalidades de prevenção (primaria, secundária e terciária). 
 
(SUS SP – 2016)
Sobre a publicação da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, em 2016, com informe sobre a situação epidemiológica da sífilis no Brasil, é INCORRETO afir-
mar:
 
A) Desde 2014 enfrenta-se o desabastecimento de penicilina benzatina, devido à falta mundial de matéria prima para sua produção.
B) A notificação de casos de sífilis em gestante, congênita ou sífilis adquirida é compulsória em todo o território nacional.
C) Alguns estados apresentam taxas de incidência de sífilis congênita mais elevadas do que as de sífilis em gestante, o que remete a possíveis lacunas da assistência ao pré-natal e
do sistema de vigilância epidemiológica.
D) Na série histórica de 2005 a 2016, observou-se que cerca de metade das gestantes com sífilis era da faixa etária de 20 a 29 anos.
E) Em 2015, a maioria das mães de crianças com sífilis congênita não fez exame pré-natal.
 
Alternativa A: CORRETA. No ano de 2016, o Governo Brasileiro, em caráter emergencial, adquiriu 2,7 milhões de frascos de penicilina benzatina, com prioridade na prescrição para grávidas e
seus parceiros. 
Alternativa B: CORRETA. Questão sobre doenças de notificação compulsória SEMPRE (isso mesmo sempre!) caem nas provas de SUS-SP. Item Autoexplicativo.
Alternativa C: CORRETA. A baixa qualidade do pré-natal é um dos limitantes ao diagnostico precoce e tratamento da gestante com Sífilis. Consequentemente, vários diagnósticos são
realizados durante a triagem neonatal.
Alternativa D: CORRETA. A faixa etária de maior atividade sexual entre as mulheres é dos 15 aos 49 anos. Dentre as gestantes com sífilis a faixa etária de maior casuística foi de 20 a 29 anos.
Alternativa E: INCORRETA. Os dados mostram que mais de 70% das mães que tiveram diagnóstico foram para pelo menos 1 consulta pré-natal. O problema reside na qualidade do pré-natal,
na perda de seguimento, no tratamento inadequado da gestante e do parceiro.

Clique aqui para conhecer a obra Preparatório para Residência SUS-SP – 800 Questões Comentadas


E AGORA? 

Bom, agora que você sabe um pouco mais sobre a seleção, só resta passar, né? :)
Nao é fácil, claro. Mas, com a Editora Sanar, #VemQueDá

Que tal assistir o minicurso que preparamos para você ser aprovado?

Clica no banner aqui embaixo e aproveite! 
 



 



67 Publicações - 0 Seguidores

  • 67 Publicações