Resumo Prático de Enfermagem: VACINAS

há 1 mês     -     
Resumo Prático de Enfermagem: VACINAS

Vacinação

 
Na nossa série de resumos práticos sobre temas importantes na área de saúde, este artigo tem a finalidade de fornecer um instrumento de consulta rápida a profissionais de saúde sobre a administração de imunobiológicos.
 
As vacinas têm indicações específicas quanto à composição, apresentação, via de administração, doses a serem administradas, idade recomendada, intervalo entre as doses, conservação e validade.
 
Confira aqui o calendário nacional de vacinação.
 
Quanto as vias de administração, é possível administrar as vacinas por via oral, intradérmica, subcutânea e intramuscular.
 
VIA ORAL
 
A via oral é utilizada para a administração de soluções que são melhor absorvidas no trato gastrointestinal. O volume e a dose dessas soluções são introduzidas pela boca e apresentados, geralmente, em gotas.
 
VIA INTRADÉRMICA (ID)
 
Na utilização desta via a solução é introduzida nas camadas superficiais da pele, isto é, na derme. A via intradérmica é uma via de absorção lenta, utilizada para a administração da vacina BCG-ID. O volume máximo indicado, introduzido por esta via, é de 0,5ml, sendo que, geralmente, o volume corresponde a frações inferiores ou iguais a 0,1ml.
 
VIA SUBCUTÂNEA (SC)
 
Na utilização dessa via a solução é administrada nas camadas subcutâneas. A via subcutânea é utilizada para a administração de soluções que necessitam ser absorvidas mais lentamente, assegurando uma ação contínua. Essas soluções não devem ser irritantes, devendo ser de fácil absorção.
 
O volume máximo a ser introduzido por esta via é de 1,5ml. Vacinas, como a contra o Sarampo, Caxumba e Rubéola tem indicação específica desta via.
 
https://media.giphy.com/media/xT5LMGfQrJPpmXKUEM/giphy.gif
 
INTRAMUSCULAR
 
Na utilização desta via, a solução é introduzida no tecido muscular. Utilizada para a administração de volumes superiores a 1,5ml de soluções irritantes (aquosas ou oleosas) que necessitam ser absorvidas rapidamente e também quando é necessário obter efeitos mais imediatos
 
QUAL A VIA INDICADA NA ADMINISTRAÇÃO DE VACINAS?
 
BCG – ID, dose única ao nascer. Via de administração: Intradérmica, no braço direito, inserção inferior do músculo deltoide.
 
Vacina hepatite B (recombinante), 1ª dose (monovalente) ao nascer. Via de administração: Intramuscular. Não aplicar na região glútea.
 
Vacina pentavalente (DTP/Hib/HB), aos 2, 4 e 6 meses. Via de administração: Intramuscular. Não aplicar na região glútea.
 
Vacina inativada poliomielite (VIP) aos 2, 4 e 6 meses. Via de administração: Intramuscular, vasto lateral da coxa.
 
Vacina monovalente rotavírus humano (VORH), aos 2 e 4 meses. Via de administração: oral
 
Vacina pneumocócica 10 (conjugada), aos 2, 4 e 12 meses. Via de administração: Intramuscular, lasto lateral da coxa ou deltóide.
 
Vacina meningocócica C (conjugada), aos 3, e 12 meses. Via de administração: Intramuscular.
 
Vacina febre amarela (atenuada), aos 9 meses e reforço aos 4 anos. Via de administração: subcutânea, de preferência na região deltóide, na face externa da parte superior do braço.
 
Vacina tríplice viral, aos 12 e 15 meses. Vias de administração: Subcutânea.
 
Vacina tríplice bacteriana (DTP), aos 15 meses. Vias de administração:  Intramuscular.
 
Vacina Hepatite A, dose única aos 15 meses. Vias de administração: a intramuscular, preferivelmente na região deltóide.
 
Vacina oral poliomielite (VOP), aos 4 anos. Via de administração: oral.
 
Vacina Varicela, pode ser aplicada após os 12 meses de idade. Após 13 anos de idade, são aplicadas duas doses com intervalomínimo de um mês. Via de administração: Subcutânea.
 
Vacina HPV quadrivalente, de 9 a 13 anos. Via de administração: intramuscular profunda em região deltóide.


49 Publicações - 1 Seguidores

  • 49 Publicações