3561 Publicações -

Tudo o que você precisa saber sobre o uso da nova ortografia em concursos públicos!

há 1 ano     -     
Tudo o que você precisa saber sobre o uso da nova ortografia em concursos públicos!


Desde janeiro desse ano, o novo acordo ortográfico se tornou obrigatório. Por isso é importante que os concurseiros devem ficar atentos pois os concursos públicos, vestibulares e exames de seleção já podem exigir dos candidatos o conhecimento da novo acordo. Sendo assim é sempre necessário que o estudante fique atento ao edital, pois é através dele que a banca informa o que será cobrado na prova.

Principais mudanças: Fim do trema; Alterações na forma de acentuar palavras com ditongos abertos e que sejam hiatos.; Fim dos acentos circunflexos nos hiatos; Fim dos acentos diferenciais; Mudanças para acentos tônicos de I e U; Inclusão das letras w, k e y ao alfabeto; Uso do hífen

A seguir você confere um guia rápido das mudanças na nova ortografia! Comece a estudar já e esteja preparado para as próximas provas.

TREMA

Não existe mais o trema em língua portuguesa, exceto em situações de nomes próprios e seus derivados.

Regra antiga: Agüentar, conseqüência, cinqüenta, qüinqüênio, freqüência, freqüente, eloqüência, eloqüente, argüição, delinqüir, pingüim, tranqüilo, lingüiça.

Nova regra: Aguentar, consequência, cinquenta, quinquênio, frequência, frequente, eloquência, eloquente, arguição, delinquir, pinguim, tranquilo, linguiça

ACENTUAÇÃO

Sabemos que toda palavra da Língua portuguesa de duas ou mais sílabas possui uma sílaba tônica. No entanto nem sempre a sílaba tônica recebe acento gráfico. Portanto, todas as palavras com duas ou mais sílabas terão acento tônico, mas nem sempre terão acento gráfico. A tonicidade está para a oralidade (fala) assim como o acento gráfico está para a escrita (grafia).
Acentuam-se as palavras monossílabas tônicas terminadas em a, e, o, seguidas ou não de s. Ex: já, fé, pés, pó, só, ás.

Leva acento as palavras oxítonas terminadas em a, e, o, seguidas ou não de s , em, ens. Ex:cajá, café, jacaré, cipó, também, parabéns.

Ditongos abertos (ei, oi) não são mais acentuados em palavras paroxítonas.

Regra antiga: Assembléia, platéia, idéia, colméia, boléia, panaceia.

Nova regra: Assembleia, plateia, ideia, colmeia, boleia, panaceia.

Atenção: Nos ditongos abertos de palavras oxítonas e monossólabas o acento continua: herói, constrói, dói, anéis, papéis.

O acento no ditongo aberto ‘eu’ continua: chapéu, véu, céu, ilhéu.

O hiato ‘oo’ não é mais acentuado.

Regra antiga: Enjôo, vôo, corôo, perdôo, côo, moo.

Nova regra: Enjoo, voo, coroo, perdoo, coo, moo.

O hiato ‘ee’ não é mais acentuado.

Regra antiga: Crêem, dêem, lêem, vêem, descrêem, releem.

Nova regra: Creem, deem, leem, veem, descreem, releem.

Não existe mais o acento diferencial em palavras homográficas.

Regra antiga: Pára (verbo), péla (substantivo e verbo), pêlo (substantivo), pêra (substantivo), péra (substantivo), pólo (substantivo).

Nova regra: Para (verbo), pela (substantivo e verbo), pelo (substantivo), pera (substantivo), pera (substantivo), polo (substantivo).

Não se acentua mais ‘i’ e ‘u’ tônicos em paroxítonas quando precedidos de ditongo.

Regra antiga: Baiúca, boiúna, cheiínnho, saiínha.

Nova regra: Baiuca, boiuna, cheiinnho, saiinha.

HÍFEN

O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos (ou falsos prefixos) terminados em vogal + palavras iniciadas por ‘r’ ou ‘s’ sendo que essas devem ser dobradas.

Regra antiga: Ante-sala, ante-sacristia, auto-retrato, anti-social, anti-rugas, arqui-romântico, arqui-rivalidade, auto-regulamentação, auto-sugestão, contra-senha, extra-regimento, extra-sístole, extra-seco, infra-som, ultra-sonografia, semi-real, semi-sintético, supra-renal, supra-sensível.

Nova regra: Antessala, antessacristia, autorretrato, antissocial, antirrugas, arquirromântico, arquirrivalidade, autorregulamentação, autossugestão, contrassenha, extrarregimento, extrassístole, extrasseco, infrassom, ultrassonografia, semirreal, semissintético, suprarrenal, suprassensível…

Atenção: Em prefixos terminados por ‘r’, se mantém o hífen em casos que a palavra seguinte for iniciada pela mesma letra: 

hiper-realista, hiper-requintado, hiper-requisitado, inter-racial, inter-regional, inter-relação, super-racional, super-realista, super-resistente.

O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos terminados em vogal + palavras iniciadas por outra vogal.

Regra antiga: Auto-afirmação, auto-ajuda, auto-aprendizagem, auto-escola, auto-estrada, auto-instrução, contra-exemplo, contra-indicação, contra-ordem, extra-escolar, extra-oficial, infra-estrutura, intra-ocular, intra-uterino, neo-expressionista, neo-imperialista, semi-aberto, semi-árido, semi-automático, semi-embriagado, semi-obscuridade, supra-ocular, ultra-elevado…

Nova regra: Autoafirmação, autoajuda, autoaprendizagem, autoescola, autoestrada, autoinstrução, contraexemplo, contraindicação, contraordem, extraescolar, extraoficial, infraestrutura, intraocular, intrauterino, neoexpressionista, neoimperialista, semiaberto, semiárido, semiautomático, semiembriagado, semiobscuridade, supraocular, ultraelevado…

• Esta regra não se encaixa quando a palavra seguinte iniciar por ‘h’ anti-herói, anti-higiênico, etc.

Se utilizará hífen quando a palavra for formada por um prefixo terminado em vogal + palavra iniciada pela mesma vogal.

Regra antiga: Antiibérico, antiinflamatório, antiinflacionário, antiimperialista, arquiinimigo, arquiirmandade, microondas, microônibus, microorgânico.

Nova regra: Anti-ibérico, anti-inflamatório, anti-inflacionário, anti-imperialista, arqui-inimigo, arqui-irmandade, micro-ondas, micro-ônibus, micro-orgânico…

O prefixo ‘co’ é uma exceção à regra, pois mesmo se a outra palavra inicia-se com a vogal ‘o’, não se utiliza hífen.

Também não se utiliza mais hífen em compostos que, pelo uso, perdeu-se a noção de composição.

Regra antiga: Manda-chuva, pára-quedas, pára-quedista, pára-lama, pára-brisa, pára-choque, pára-vento.

Nova regra: Mandachuva, paraquedas, paraquedista, paralama, parabrisa, parachoque, paravento.

ATENÇÃO

Permanece o uso do hífen nos seguintes casos:

Em palavras formadas por prefixos ‘ex’, ‘vice’ e ‘soto’.

Exemplos: ex-marido, vice-presidente, soto-mestre.

Em palavras formadas por prefixos ‘circum’ e ‘pan’ + palavras iniciadas em vogal, M ou N.

Exemplos: pan-americano, circum-navegação.

Palavras formadas com prefixos ‘pre’, ‘pró’ e ‘pós’ + palavras que tem significado próprio.

Exemplos: pré-natal, pró-desarmamento, pós-graduação.

Palavras formadas pelas palavras ‘além’, ‘aquém’, ‘recém’ e ‘sem’.

Exemplos: além-mar, além-fronteiras, aquém-oceano, recém-nascidos, recém-casados, sem-número, sem-teto.

Foi abolido o uso de hífen nas seguintes situações:

Em locuções de qualquer tipo (substantivas, adjetivas, pronominais, verbais, adverbiais, prepositivas ou conjuncionais).

Exemplos: Cão de guarda, fim de semana, café com leite, pão de mel, sala de jantar, cartão de visita, cor de vinho, à vontade, abaixo de, acerca de.

Exceções: água-de-colônia, arco-da-velha, car-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao-Deus-dará, à queima-roupa.

Agora é só focar nessas regras e investir em muitos exercícios pra treinar o que aprendeu! Boa sorte.
3561 Publicações - 0 Seguidores

  • 3561 Publicações