Prova - Analista Ministerial - Médico Clínico - NUCEPE/UESPI - 2009

Detalhes

Profissão: Medico
Cargo: Analista Ministerial - Médico Clínico
Orgão: PGE/PI
Banca: NUCEPE/UESPI
Ano: 2009
Nivel Superior

Conteúdo de prova_analista_clinica_medica_mpe.pdf - 2/12

Página Anterior // Proxima página

louco, trabalhador e lúdico, empírico e imaginário,
CONHECIMENTOS GERAIS econômico e consumista, prosaico e poético?.
Língua Portuguesa (Irageu Fonseca. Diário de Pernambuco, julho de 2006. Adaptado).


TEXTO 1 01. O Texto 1, como idéia central, defende:
A) a dimensão prazerosa do trabalho como negação
A cigarra é a formiga da racionalidade.
A famosa fábula intitulada A cigarra e a formiga diz que o B) a hegemonia das atividades humanas que
modelo de trabalhador ideal é aquele que consome boa exploram a inspiração.
parte de seus dias usando braços e pernas para produzir. O C) a superioridade dos modelos de produção
mundo do trabalho das formigas lembra o modelo de centrados na energia técnica.
produção fordista, em que o homem e a máquina se D) uma concepção da atividade de produção
confundem numa só engrenagem. humana como algo integrado e uno.
E) um perfil de trabalhador inspirado no modelo que
Relembrando a fábula, o personagem da cigarra ocupa, no confunde homem e máquina.
imaginário do campo do trabalho, o papel do trabalhador
indesejável, pois o esforço e a dedicação para aperfeiçoar o
seu canto e entrar em comunhão com a natureza,
02. Na verdade, o Texto 1, em seu todo, pretende trazer
uma nova perspectiva para se encarar:
cumprindo seu papel, não são contados. O ato prazeroso
de cantar é considerado, segundo a fábula, como negação A) as conseqüências da engrenagem mecânica na
ao trabalho, e não como uma fonte de trabalho. vida do homem.
B) o natural antagonismo constituinte do processo
Essa visão reflete a velha busca de tratar as questões do
humano de produzir.
ser humano dividindo-o em partes, separando o bem e o
C) a complexidade da distinção entre o bem e o mal,
mal, o certo e o errado em campos totalmente distintos.
entre o certo e o errado.
Morin, em seu clássico Os sete saberes necessários à D) a comunhão do homem com a natureza, em seu
Educação de Futuro, critica essa visão dizendo que constante desenvolvimento.
?compreender o humano é compreender sua unidade na E) os modelos de educação a serem implantados
diversidade, sua diversidade na unidade?. em um futuro próximo.
É importante lembrar aqui que o trabalho da formiga
representa, no mundo econômico, o modelo de produção 03. Dentre os vários argumentos presentes no Texto 1, os
que gera bens de consumo tangíveis. Durante muito tempo, quais sustentam o ponto de vista do autor, o principal
para o mundo dos negócios, significou a principal forma de deles é:
acumulação de bens e capital ? por parte dos capitalistas, é A) ?o modelo de trabalhador ideal é aquele que
claro. consome boa parte de seus dias usando braços e
O que precisamos compreender é que criar a figura da pernas para produzir?.
cigarra, caracterizada pelo lúdico, como algo totalmente B) ?O mundo do trabalho das formigas lembra o
distinto e separado da formiga, para delinear o modelo de modelo de produção fordista?.
trabalhador, é incorrer no erro de que o trabalho segue C) ?quando um escultor transforma pedra em obra
apenas o princípio da ?tortura?, e que o prazer não encontra de arte, dá-se o aproveitamento do melhor da
aí o seu lugar. energia da transpiração?.
D) ?o trabalho da inspiração, da criação, do estético,
O trabalho dos tempos atuais, porém, assume papel do simbólico, não fortalece a gênese de criação
preponderante nas relações simbólicas da sociedade. E do ser humano?.
requer dos novos trabalhadores um comportamento E) ?O ser humano é complexo e traz em si, de modo
profissional diferenciado dos tempos passados, da era bipolarizado, caracteres antagonistas?
industrial (a era das formigas).
Hoje, emergem novos valores. A emotividade, valor 04. Segundo o Texto 1, existem, no mundo econômico,
negativo no processo de produção pela importância que se dois modelos de produção. São eles:
dava à racionalidade, foi resgatada para o processo
A) o que gera bens de consumo tangíveis e o que
produtivo, pois, sem ela, a racionalidade nunca será
acumula bens e capital.
criativa. Os valores intangíveis ? beleza, estética e
B) o que segue apenas o princípio da tortura e
emotividade, o ?modo cigarra? de viver ? fazem, agora, a
aquele que predominou na era industrial.
diferença.
C) o que privilegia a racionalidade e o que associa a
Separar, de um lado, o trabalho da transpiração, do esforço, isso a emotividade.
da força mecânica, do suor obreiro da vida, e, de outro lado, D) o que se concentra na inspiração e o que se
o trabalho da inspiração, da criação, do estético, do apoia na estética e no simbólico.
simbólico, não fortalece a gênese de criação do ser E) o que melhor aproveita a energia da técnica e o
humano. Lembremo-nos de que, quando um escultor que se serve da força da transpiração.
transforma pedra em obra de arte, dá-se o aproveitamento
do melhor da energia da transpiração, da técnica, da
racionalidade, associada à energia da inspiração.
Dando novamente a palavra a Morin, talvez possamos
entender por que ?a cigarra é a formiga?. Segundo esse
pensador, ?o ser humano é complexo e traz em si mesmo,
de modo bipolarizado, caracteres antagonistas: sábio e




www.editorasanar.com.br