Prova - Auxiliar de Farmácia - CONSULPLAN - 2006

Detalhes

Profissão: Farmaceutico
Cargo: Auxiliar de Farmácia
Orgão: Pref. Natal/RN
Banca: CONSULPLAN
Ano: 2006
Nivel Médio

Conteúdo de prova7.pdf - 1/5

// Proxima página

CONCURSO PÚBLICO ? PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL - RN
CARGO: TNM ? AUXILIAR DE FARMÁCIA
TEXTO:
Sobre política e jardinagem
?De todas as vocações, a política é a mais nobre. Vocação, do latim vocare, quer dizer ?chamado?. Vocação é um chamado
interior de amor: chamado de amor por um ?fazer? o vocacionado quer ?fazer amor? com o mundo. Psicologia de amante: faria,
mesmo que não ganhasse nada.
?Política? vem de ?polis?, cidade. A cidade era, para os gregos, um espaço seguro, ordenado e manso, onde os homens
podiam se dedicar à busca da felicidade. O político seria aquele que cuidaria desse espaço. A vocação política, assim, estaria a
serviço da felicidade dos moradores da cidade.
Talvez por terem sido nômades no deserto, os hebreus não sonhavam com cidades; sonhavam com jardins. Quem mora no
deserto sonha com o oásis. Deus não criou uma cidade. Ele criou um jardim. Se perguntássemos a um profeta hebreu ?o que é
política?? ele nos responderia: ?A arte de jardinagem aplicada às coisas públicas.?
O político por vocação é um apaixonado pelo grande jardim para todos. Seu amor é tão grande que ele abre mão do
pequeno jardim que ele poderia plantar para si mesmo. De que vale um pequeno jardim se a sua volta está deserto? É preciso
que o deserto inteiro se transforme em jardim.
Amo a minha vocação, que é escrever. Literatura é uma vocação bela e fraca. O escritor tem amor, mas não tem poder.
Mas o político tem. Um político por vocação é um poeta forte: ele tem o poder de transformar poemas sobre jardins em jardins
de verdade.
A vocação política é transformar sonhos em realidade. É uma vocação tão feliz que Platão sugeriu que os políticos não
precisam possuir nada: bastar-lhes-ia o grande jardim para todos. Seria indigno que o jardineiro tivesse um espaço privilegiado,
melhor e diferente do espaço ocupado por todos. Conheci e conheço muitos políticos por vocação. Sua vida foi e continua a ser
um motivo de esperança.
Vocação é diferente de profissão. Na vocação a pessoa encontra a felicidade na própria ação. Na profissão o prazer se
encontra não na ação. O prazer está no ganho que dela se deriva. O homem movido pela vocação é um amante. Faz amor com a
amada pela alegria de fazer amor. O profissional não ama a mulher. Ele ama o dinheiro que recebe dela. É um gigolô.
Todas as vocações podem ser transformadas em profissões. O jardineiro por vocação ama o jardim de todos. O jardineiro
por profissão usa o jardim de todos para construir seu jardim privado, ainda que, para que isso aconteça, ao seu redor
aumentem o deserto e o sofrimento.
Assim é a política. São muitos os políticos profissionais. Posso, então, enunciar minha segunda tese: de todas as profissões,
a política é a mais vil. O que explica o desencanto total do povo, em relação à política. Guimarães Rosa, questionado por
Gunter Lorenz se ele se considerava político, respondeu: ?Eu jamais poderia ser político com toda essa charlatanice da
realidade. Ao contrário dos ?legítimos? políticos, acredito no homem e lhe desejo um futuro. O político pensa apenas em
minutos. Sou escritor e penso em eternidades. Eu penso na ressurreição do homem.?
Quem pensa em minutos não tem paciência para plantar árvores. Uma árvore leva muitos anos para crescer. É mais
lucrativo cortá-las.
Nosso futuro depende dessa luta entre políticos por vocação e políticos por profissão. (...)?
(ALVES, Rubem. In: Folha de S. Paulo, fragmento, 19 maio 2000.)
01) Após uma leitura atenta e crítica do texto de Rubem Alves considere as assertivas abaixo:
I. O assunto do texto possui um teor atual ainda que cite personalidades do passado.
II. Correlacionado o título do texto ao seu conteúdo semântico verifica-se que política tem um sentido denotativo e
jardinagem, um sentindo conotativo.
III. Pode-se concluir que o autor é totalmente contra política.
Está(ão) correta(s) apenas a(s) assertiva(s):
A) I B) I e II C) I, II e III D) III E) I e III
02) Explorando a função metalingüística da linguagem, o autor expressa o significado de ?vocação?. Por meio
desta introdução, é estabelecida entre política e vocação uma relação de:
A) Finalidade B) Causa e efeito C) Significação D) Condição E) Conseqüência
03) Considera-se uma estratégia de Rubem Alves argumentar sobre política tendo como ponto de partida sua:
A) Definição B) Especulação C) Crítica D) Criação E) Insatisfação
04) Segundo o autor, para um profeta hebreu, política é: ?A arte da jardinagem aplicada às coisas públicas.?
Interpretando esta definição de política e transferindo-a para os nossos dias poderíamos entender o seguinte:
A) Política é cuidar dos jardins, praças e prédios públicos.
B) Política é persistir em cuidar e preservar o patrimônio público.
C) Política é uma arte e por isso exige que os políticos sejam criativos para que sempre criem algo novo e
interessante para que o povo fique satisfeito.
D) A política da jardinagem é o mesmo que a política da boa vizinhança, é tratar todos bem mesmo que suas
necessidades não sejam atendidas.
E) Na política, é preciso cuidar, manter e zelar pelo espaço (cidades) seguro, onde todos buscam o bem-estar.


CONSULPLAN CONSULTORIA LTDA 2
M www.consulplan.net atendimento@consulplan.com
www.editorasanar.com.br

Conteúdo de gab7.pdf - 1/1

// Proxima página

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL ? RN

CARGO: TNM ? AUXILIAR DE FARMÁCIA

01 B 11 C 21 C 31 C
02 C 12 C 22 A 32 E
03 A 13 E 23 A 33 A
04 E 14 B 24 C 34 D
05 B 15 B 25 E 35 C
06 A 16 A 26 B 36 A
07 B 17 D 27 D 37 D
08 C 18 C 28 D 38 B
09 D 19 A 29 D 39 D
10 E 20 D 30 A 40 E

Provas relacionadas

Cargo Orgão Ano
Farmacêutico Bioquímico Pref. Natal/RN 2016
Farmacêutico Pref. Natal/RN 2016
Auxiliar de Farmácia Pref. Natal/RN 2016
Farmacêutico Industrial Pref. Natal/RN 2006
Auxiliar de Farmácia Pref. Natal/RN 2006