Prova - Cirurgião-Dentista - Buco Maxilofacial - CONSULPLAN - 2008

Detalhes

Profissão: Odontologo
Cargo: Cirurgião-Dentista - Buco Maxilofacial
Orgão: Pref. Paulo Afonso/BA
Banca: CONSULPLAN
Ano: 2008
Nivel Superior

Conteúdo de gabarito_oficial.pdf - 1/72

// Proxima página

GABARITO OFICIAL - CONCURSO PÚBLICO
PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO AFONSO/BA

CARGO: PROFESSOR NÍVEL ESPECIAL I
DIVULGADO DIA: 31/03/08
PRAZO PARA RECURSO DE 02 DIAS ÚTEIS APÓS DIVULGAÇÃO
01 B 11 A 21 E
02 A 12 C 22 A
03 D 13 B 23 C
04 E 14 E 24 C
05 B 15 D 25 C
06 C 16 C 26 D
07 B 17 C 27 C
08 A 18 A 28 B
09 E 19 D 29 B
10 C 20 D 30 D




===================================================

GABARITO OFICIAL - CONCURSO PÚBLICO
PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO AFONSO/BA

CARGO: PROFESSOR NÍVEL I - MATEMÁTICA
DIVULGADO DIA: 31/03/08
PRAZO PARA RECURSO DE 02 DIAS ÚTEIS APÓS DIVULGAÇÃO
01 C 11 C 21 D
02 D 12 E 22 D
03 B 13 C 23 C
04 B 14 C 24 D
05 B 15 C 25 E
06 C 16 A 26 D
07 D 17 A 27 C
08 A 18 E 28 E
09 A 19 C 29 A
10 B 20 A 30 D




www.editorasanar.com.br

Conteúdo de 32.pdf - 1/4

// Proxima página

C
CO
C ON
O NC
N CU
C UR
U RS
R SO
SOOP PÚ
PÚÚB
BL
B LIIIC
L CO
C O
O ? PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO AFONSO/BA
CARGO: CIRURGIÃO DENTISTA ? BUCOMAXILOFACIAL
TEXTO: Bandeiras Incompletas
Depois de 120 anos da Lei Áurea, a elite brasileira continua branca. A abolição proibiu a compra e venda de seres
humanos, mas manteve o povo negro pobre, e um preconceito racial que não é explícito contra a cor, mas sim contra a posição
social: que vem da fortuna, que decorre da falta de formação profissional, que deriva da falta de uma política de igualdade na
educação de base. Por isso, a imensa maioria da população negra continua sem fortuna e ficou sem escola; e, sem escola, ficou
sem fortuna: em um círculo vicioso de exclusão social.
É nesse quadro que surge, imitando os EUA, a luta dos movimentos negros pelo direito às cotas para ingresso na
universidade. Uma maneira de aumentar o número de profissionais negros, ascendendo profissionalmente e daí socialmente,
para quebrar o preconceito racial. No mesmo momento surgem fortes resistências, inclusive em nome do anti-racismo, como se
ficando debaixo do tapete da história ele não existisse. Outros se queixam de que vai cair a qualidade da formação universitária,
como se a classificação no vestibular definisse a competência do profissional. Ninguém escolhe um médico pela classificação
que teve no vestibular.
Para se beneficiar das cotas, o jovem negro precisa concluir o ensino médio, fazer um cursinho e passar no vestibular: o
aluno que se beneficia da cota não é menos qualificado, por causa de décimos de nota do vestibular. Tem uma classificação
pior no vestibular, mas não é necessariamente menos qualificado como profissional. Mas é verdade que esses décimos deixam
alguém mais bem classificado para trás. Esse é um argumento forte dos opositores das cotas: um jovem de hoje ficará para trás
pelo crime cometido por gerações anteriores contra os escravos e seus descendentes.
Mas os opositores e os defensores das cotas se unem em um ponto: não se preocupam com os que ficarão para trás por
causa da falta de acesso a boas escolas. Os que são contra as cotas, esquecem os dois terços, cerca de 30 milhões de jovens, que
serão deixados para trás porque não vão concluir o ensino médio; e outros 5 milhões que terminarão o ensino médio, mas com
péssima qualidade.
Mesmo com as cotas, os negros pobres continuarão deixados para trás. O movimento pelas cotas esquece o imenso número
de brasileiros, especialmente negros, que não terminam o ensino médio. O movimento é para os que terminam o ensino médio,
não pela abolição do analfabetismo no país, nem para que todos os brasileiros terminem o ensino médio com qualidade. Nem
para que, no Brasil, a escola do filho do pobre seja tão boa quanto a escola do filho do rico. Elogiam o governo Lula por ter
criado as cotas, mas não criticam a lentidão do programa Brasil Alfabetizado. Defendem corretamente a criação de um
Ministério da Igualdade Racial, mas não protestaram quando, em 2004, foi fechada a Secretaria do MEC para Erradicação do
Analfabetismo. Lutam pela cota de 30% para ingressar na universidade, mas não para que 100% terminem o ensino médio.
As cotas têm um papel na quebra do preconceito, mas a verdadeira abolição está em fazer com que a escola dos pobres, a
maior parte negra, tenha a mesma qualidade da escola dos ricos, a quase totalidade branca. Mas ninguém vê essa bandeira
completa.
A luta por bandeiras incompletas está em todos os movimentos brasileiros. Os que lutam para assegurar o direito da criança
nascer não lutam para que ela, depois de nascer, tenha uma escola de qualidade. Muitos lutam para impedir o aborto biológico,
sem se preocupar com o contínuo aborto intelectual, quando se nega alfabetização e educação de base para tantos. Ninguém
percebe que uma pessoa nasce duas vezes: na maternidade e na escola. Sem a primeira ela não vive; sem a segunda, vive em
exclusão.
As bandeiras brasileiras são tão parciais, que este artigo será certamente repudiado pelos defensores das cotas e pelos que
se opõem ao aborto. Porque estão concentrados em suas lutas parciais, não conseguem ver as lutas maiores, que incorporam
suas bandeiras parciais. (Cristovam Buarque ? O Globo 01/03/08 ? Seção Opinião)
01) No texto ?Bandeiras Incompletas? há uma denúncia contra a(s):
A) Cotas para ingresso na universidade.
B) Criação de um Ministério da Igualdade Racial.
C) Exclusão da maioria da população negra, sem fortuna e sem escola.
D) Má qualificação profissional do negro.
E) Má qualidade da formação universitária dos brasileiros.
02) Todas as alternativas comprovam que a luta por Bandeiras Incompletas está em todos os movimentos, EXCETO:
A) Adoção de cotas universitárias / Esquecimento dos inúmeros negros sem o ensino médio.
B) Criação do Ministério da Igualdade Racial / Fim da Secretaria do MEC para Erradicação do Analfabetismo.
C) Luta para garantir o direito da criança nascer / Freqüência a uma escola de qualidade.
D) Luta contra o aborto psicológico / Luta contra o aborto biológico.
E) Adoção de cotas universitárias / Ensino médio com péssima qualidade.
03) Considerando a estrutura do texto, a assinatura, o portador, ?Bandeiras Incompletas? pertence ao gênero:
A) Descritivo. B) Argumentativo. C) Narrativo. D) Publicitário. E) Narrativo, descritivo.
04) Pode-se inferir do texto que:
A) As bandeiras estão concentradas em lutas parciais.
B) O autor é a favor da luta por bandeiras completas em qualquer movimento brasileiro.
C) A abolição não garantiu a ascensão social do negro.
D) O preconceito racial, no Brasil, não é explícito contra a cor, mas sim contra a posição social.
E) A posição social vem da fortuna, que decorre da formação profissional, que deriva de uma política de igualdade na
educação de base.

CIRURGIÃO DENTISTA - BUCOMAXILOFACIAL 2
www.consulplan.net atendimento@consulplan.com
www.editorasanar.com.br

Provas relacionadas

Cargo Orgão Ano
Cirurgião-Dentista - HMPA Pref. Paulo Afonso/BA 2008
Cirurgião-Dentista - Endodontista Pref. Paulo Afonso/BA 2008
Cirurgião-Dentista - Buco Maxilofacial Pref. Paulo Afonso/BA 2008
Cirurgião-Dentista Pref. Paulo Afonso/BA 2008
Cirirugião Dentista - Estomatologista Pref. Paulo Afonso/BA 2008