Doença Renal Crônica: Tratamento Dialítico

A terapia de substituição renal é utilizada quando o rim já não consegue desempenhar suas funções básicas como a depuração de solutos, remoção do excesso de líquidos corpóreo e manutenção do equilíbrio acidobásico. Nesse caso, o rim passa a necessitar de um suporte, que pode ser por meio da hemodiálise ou diálise peritoneal (diálise peritoneal ambulatorial contínua - DPAC ou CAPD; diálise peritoneal automática – DPA). 19 Ambas as técnicas consistem em um processo de transferência de solutos entre o sangue e o líquido da diálise por meio de uma membrana, porém, na hemodiálise, a membrana é artificial, e na diálise peritoneal, o transporte ocorre pela própria membrana peritoneal. No Quadro 10 são demonstradas as principais características da hemodiálise e da diálise peritoneal.


Este conteúdo está bloqueado

A terapia de substituição renal é utilizada quando o rim já não consegue desempenhar suas funções básicas como a depuração de solutos, remoção do excesso de líquidos corpóreo e manutenção do equilíbrio acidobásico. Nesse caso, o rim passa a necessitar de um suporte, que pode ser por meio da hemodiálise ou diálise peritoneal (diálise peritoneal ambulatorial contínua - DPAC ou CAPD; diálise peritoneal automática – DPA). 19 Ambas as técnicas consistem em um processo de transferência de solutos entre o sangue e o líquido da diálise por meio de uma membrana, porém, na hemodiálise, a membrana é artificial, e na diálise peritoneal, o transporte ocorre pela própria membrana peritoneal. No Quadro 10 são demonstradas as principais características da hemodiálise e da diálise peritoneal.


Esse conteúdo faz parte do capítulo Doenças Renais do livro Nutrição Clínica para Concursos e Residências

Esse conteúdo faz parte de nosso livro:
Nutrição Clínica para Concursos e Residências