Metabolismo Do Tecido Adiposo Na Obesidade

Como dito anteriormente, a obesidade é um fator de risco importante de transtornos metabólicos graves, como diabetes tipo 2, dislipidemias e da doença hepática gordurosa não alcoólica. É provável que alterações no metabolismo dos ácidos graxos estejam envolvidas na patogênese das anormalidades metabólicas associadas à obesidade. Concentrações aumentadas de ácidos graxos livres (AGL) no plasma dificultam a ação da insulina no fígado e aumentam a produção hepática de glicose; também inibem a captação de glicose pelos músculos esqueléticos mediada pela insulina e aumentam a secreção hepática de triglicerídeos (TG) lipoproteicos de densidade muito baixa (VLDL). As reservas de TG do tecido adiposo são a principal fonte dos AGL plasmáticos.


Este conteúdo está bloqueado

Como dito anteriormente, a obesidade é um fator de risco importante de transtornos metabólicos graves, como diabetes tipo 2, dislipidemias e da doença hepática gordurosa não alcoólica. É provável que alterações no metabolismo dos ácidos graxos estejam envolvidas na patogênese das anormalidades metabólicas associadas à obesidade. Concentrações aumentadas de ácidos graxos livres (AGL) no plasma dificultam a ação da insulina no fígado e aumentam a produção hepática de glicose; também inibem a captação de glicose pelos músculos esqueléticos mediada pela insulina e aumentam a secreção hepática de triglicerídeos (TG) lipoproteicos de densidade muito baixa (VLDL). As reservas de TG do tecido adiposo são a principal fonte dos AGL plasmáticos.


Esse conteúdo faz parte do capítulo Obesidade do livro Nutrição Clínica para Concursos e Residências

Esse conteúdo faz parte de nosso livro:
Nutrição Clínica para Concursos e Residências